Michael Kiske: um passado que ele teimou em renegar

Resenha - Past In Different Ways - Michael Kiske

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Werneck
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


Dentro da (já numerosa) lista "queimando a língua", o vocalista alemão Michael Kiske lançou em 2008 seu disco "Past In Different Ways", onde incluiu versões acústicas de seus maiores sucessos com o Helloween. Um passado que ele teimou por muito tempo em renegar, mas que acabou abraçando por fim.

Iron Maiden: Bruce diz não haver muito diálogo na bandaBuckethead: uma rara imagem do guitarrista sem a máscara

Para este projeto, Kiske ficou responsável (obviamente) pelos vocais, e ainda se arriscou nos violões e teclados, no que se saiu muito bem. Acompanhando-o nessa empreitada, estiveram ainda: Sandro Giampietro (violão), Fontaine Burnett (baixo), Karsten Nagel (bateria), Hanmari Spiegel (violino, piano), George Spiegel (trombone, acordeon), e Benny Brown (trompete).

A escolha do repertório baseou-se tanto em clássicos do Helloween, quanto em músicas do grupo que não chegaram a ter o mesmo destaque em seu "momento elétrico". O resultado final acabou sendo muito bom, até porque os arranjos foram todos muito bem feitos. Um problema em discos acústicos, em especial os que apresentam versões nesse formato para composições originalmente pesadas, é que se transformem em trabalhos mornos, sem energia. Esse não é o caso, pois os novos arranjos providenciaram toda a intensidade necessária a manter o material num patamar de qualidade. Detalhes nos teclados, violinos e sopros acabaram por gerar muitos momentos deveras interessantes. A voz de Kiske, pelo menos em estúdio, se mostra em ótima forma. Nesse formato acústico, por vezes um registro grave faz falta, mas essa não é a "onda" de Kiske, que gosta mesmo é de forçar os agudos, e criou escola nos anos 80 como todos sabemos.

Uma abertura no violino, seguida por um conjunto de violões, agregam todo o peso e a intensidade necessários a "You Always Walk Alone". As músicas se sucedem, com versões que incorporam novidades em maior ou menor escala. Algumas ficaram realmente muito boas, até melhores do que as versões originais, como é o caso de "I Believe" e "Longing", que chegam a beirar o progressivo em alguns momentos. Outras nem tanto, mas mesmo assim ficaram interessantes nessa nova roupagem, como é o caso de "Kids Of The Century" (embora a versão original seja superior). Inegável é o fato de que o disco é brilhantemente produzido e arranjado, soando bastante intenso e com um reforço nos graves na parte instrumental, gerando o peso necessário para que as músicas não fiquem sem graça (e compensando o registro mais agudo de Kiske, conforme mencionado anteriormente).

As músicas do disco "Chameleon" (do Helloween) acabaram por proporcionar uma maior variedade e dinâmica, impedindo que o disco caísse na mesmice. "In The Night" ganhou um groove irresistível e contagiante, quase "dançante" (ops!), incluindo um baixão acústico roncado. "When The Sinner" ganhou contornos mais modernosos, mas ficou interessante. A única faixa inédita, "Different Ways", não acrescenta muito ao disco e serve apenas para dar um leve toque de ineditismo ao lançamento.

Um disco contraditório e controverso quanto este certamente irá sempre gerar polêmica entre os fãs de Kiske e/ou do Helloween. Os argumentos de que ele "se vendeu" e/ou se arrependeu têm um ponto a seu favor, mas por outro lado as músicas foram todas compostas por ele, e os novos arranjos nada têm de heavy metal, logo ele de certa forma permanece fiel ao que prega. Resumindo: tudo isso pouco importa, e se você curte um bom som acústico, ou está curioso em checar como as músicas ficaram com essa nova roupagem, vale a pena adquirir o CD.

Tracklist:
1. You Always Walk Alone **
2. We Got The Right **
3. I Believe ****
4. Longing ****
5. Your Turn ***
6. Kids Of The Century ***
7. In The Night ****
8. Goin' Home ***
9. A Little Time *
10. When The Sinner ****
11. Different Ways (new track)

* Originalmente do disco "Keeper Of The Seven Keys Part I", do Helloween (1987)
** Originalmente do disco "Keeper Of The Seven Keys Part II", do Helloween (1988)
*** Originalmente do disco "Pink Bubbles Go Ape", do Helloween (1991)
**** Originalmente do disco "Chameleon", do Helloween (1993)

Website: http://www.michaelkiske.net


Outras resenhas de Past In Different Ways - Michael Kiske

Michael Kiske: furor entre os apaixonados pelo MetalMichael Kiske: vocalista faz as pazes com o passado




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Michael Kiske"


Helloween: Roland Grapow contraria Kiske e diz que não foi convidado para reuniãoHelloween
Roland Grapow contraria Kiske e diz que não foi convidado para reunião

Helloween: as melhores composições de Michael KiskeHelloween
As melhores composições de Michael Kiske


Iron Maiden: Bruce diz não haver muito diálogo na bandaIron Maiden
Bruce diz não haver muito diálogo na banda

Buckethead: uma rara imagem do guitarrista sem a máscaraBuckethead
Uma rara imagem do guitarrista sem a máscara


Sobre Rodrigo Werneck

Carioca nascido em 1969, engenheiro por formação e empresário do ramo musical por opção, sendo sócio da D'Alegria Custom Made (www.dalegria.com). Foi co-editor da extinta revista Musical Box e atualmente é co-editor do site Just About Music (JAM), além de colaborar eventualmente com as revistas Rock Brigade e Poeira Zine (Brasil), Times! (Alemanha) e InRock (Rússia), além dos sites Whiplash! e Rock Progressivo Brasil (RPB). Webmaster dos sites oficiais do Uriah Heep e Ken Hensley, o que lhe garante um bocado de trabalho sem remuneração, mais a possibilidade de receber alguns CDs por mês e a certeza de receber toneladas de e-mails por dia.

Mais matérias de Rodrigo Werneck no Whiplash.Net.

adGooILQ