Bloody: Thrash Metal oitentista soando contemporâneo

Resenha - Engines Of Sins - Bloody

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


Quem vem acompanhando os veículos especializados com certeza já percebeu o quanto o Bloody vem investindo na divulgação de seu segundo álbum, "Engines Of Sins". Mas o headbanger é conhecido por sua exigência implacável (e geralmente aquele temperamento forte...), então nada disso realmente funcionaria se os paulistas de Hortolândia não fossem competentes em sua proposta, certo?

Black Metal: o lado mais negro da cena brasileira

Heavy Metal: estressante, perturbador e faz mal ao coração

Mas podem ter a certeza de que o Bloody sabe o que quer em termos de Thrash Metal! O pessoal trabalhou muito em todos os detalhes que envolveram este disco, tanto no sentido de elaborar boas composições, quanto em possibilitar que "Engines Of Sins" chegasse ao público com um preço que deve fazer com que aquele eterno chavão 'CD é muito caro!' seja sufocado.

Enturbinado pela ótima produção do renomado Ciero do estúdio paulistano DaTribo, o disco apresenta 11 faixas repletas de características vinculadas ao Thrash Metal oitentista, ainda que fatalmente consiga soar contemporâneo. E é algo realmente gratificante observar que o Bloody procura fugir de fórmulas prontas, conseguindo aplicar uma torção própria em suas influências nas mais diversas ocasiões.

Um vocalista com um estranho timbre que é perfeito para o Bloody, riffs galopantes matadores, muitas passagens criativas bem amarradas e uma seção rítmica pra lá de consistente tornam a audição um primor por sua linearidade. Tudo soa bastante compactado e há várias faixas espetaculares como "Invisible Faith", com vozes de fundo grudentas mesmo; "Forbidden Words" (ô guitarra invocada!!!), "Forsaken By The Gods" tem uma bateria que se destaca e ainda "Vírus", já famosa por ser uma homenagem à nossa eterna sociedade do oba-oba-verde-amarelo e, como tal, cantada no ‘portuguêis do zé-povão’.

Finalizando, vale mencionar que novamente o Bloody colocou a tradução de suas letras no próprio encarte do CD. Um exemplo que poderia (ou deveria?) ser seguido por outros artistas... "Engines Of Sins" é um produto honesto até o osso, feito de headbanger para headbanger. Se este é você, confira sem medo!

Contato:
http://www.bloody.com.br

Formação:
Paulo Tuckumantel - voz
Fábio Bloody - guitarra
André Tabaja - baixo
Luis Coser - bateria

Bloody - Engines Of Sins
(2008 / independente – nacional)

01. Bloody Machine
02. Invisible Faith
03. No Pay, No Gain
04. Kill The Order
05. Forbidden Words
06. Evil’s Science
07. Forsaken By The Gods
08. Vírus
09. The Outcome
10. Immortal Rage
11. Chaos Empire


Outras resenhas de Engines Of Sins - Bloody

Bloody: maturidade de causar inveja a muita banda veterana




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Black Metal: o lado mais negro da cena brasileiraBlack Metal
O lado mais negro da cena brasileira

Heavy Metal: estressante, perturbador e faz mal ao coraçãoHeavy Metal
Estressante, perturbador e faz mal ao coração


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin