Tristania: arranjos e composições mais maduros

Resenha - Illumination - Tristania

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Simas
Enviar Correções  

7


É difícil para uma banda ter coragem de alterar seu som de maneira contundente, mesmo que para um formato mais comercial e acessível. Ou para seguir uma tendência modista e passageira. Geralmente essas transformações não dão certo, a base original de fãs é perdida e as consequências são desastrosas. Exemplos disso não faltam. Por outro lado, quando as mudanças são por questões artísticas ou por uma simples evolução musical, elas podem não ser bem compreendidas, dependendo de como forem apresentadas. O importante é que haja respeito sempre que a proposta for sincera.

Mais difícil ainda é descobrir como isso é representado no som do Tristania. O fato é que a banda mudou. E muito. Se as mudanças começaram no elogiado "Ashes", de 2005, elas se cristalizaram e se definiram em "Illumination", o quinto trabalho desses Noruegueses que foram um dos precurssores do Gothic Metal como o conhecemos. Criticada, a banda perdeu muito do som operístico, soturno e sinfônico dos primeiros trabalhos, mas amadureceu em arranjos, composições e harmonias.

publicidade

As idéias e melodias parecem mais focadas, mais simples, menos turbulentas e, realmente, bem mais acessíveis para o público genérico. Os vocais guturais, a cargo do convidado especial Vorph, do Samael, são praticamente inexistentes e os vocalistas Vibeke Stene e Osten Bergoy brilham de forma independente, mas pecam por se isolarem, ao invés de trabalharem em conjunto.

publicidade

Sempre um destaque, Vibeke continua surpreendendo com melodias inusitadas e precisas, que surgem de maneira natural, sem soarem forçadas ou artificiais. Se o refrão da ótima "Mercyside" abre Illumination de forma inspirada, "Sanguine Sky" e "Open Ground" comprovam sua ótima forma. A banda se mantém segura e cumpre seu papel em estruturas sólidas, se mostrando bem mais versátil e coesa, ainda lembrando em alguns momentos o passado, como na excelente "Sacrilege".

publicidade

Provavelmente os fãs mais conservadores vão desaprovar, mas se a banda perdeu muito de suas origens, deve conseguir atingir um número muito maior de pessoas. A produção de Waldemar Sorychta (Lacuna Coil, The Gathering, Samael, Moonspell), consegue criar o clima adequado para a proposta e o Tristania não decepciona, mostrando que tem coragem de explorar os limites de sua música, sendo eles sinceros ou não.

publicidade


Outras resenhas de Illumination - Tristania

Tristania: último de Vibeke Stene soa quase pop

Tristania: trilhando caminhos mais tranqüilos




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Musas do Metal: confira as 10 mais lindas atualmenteMusas do Metal
Confira as 10 mais lindas atualmente

Tristania: fascínio por extremismo, loucura e caosTristania
"fascínio por extremismo, loucura e caos"


Black Sabbath: avó de Iommi era brasileira e pais eram católicosBlack Sabbath
Avó de Iommi era brasileira e pais eram católicos

Sonho de Consumo: os 10 palcos de shows mais desejadosSonho de Consumo
Os 10 palcos de shows mais desejados


Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua...

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin