Crimson Thorn: a mais agressiva das bandas cristãs

Resenha - Purification - Crimson Thorn

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 7


"Purification" é o terceiro álbum desta banda americana de death metal cristão (?), e sucede dois bons trabalhos, "Unearthed" de 1995 e "Dissection" de 1997. Carregando a esdrúxula alcunha de "a mais agressiva das bandas cristãs", o Crimson Thorn, musicalmente, é bastante competente naquilo que se propõe a fazer.

Musas do Metal Nacional: combo de talento e sensualidadeIndústria: atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandas

O death metal do grupo investe mais no peso do que nas passagens rápidas, que existem sim, mas não são o elemento principal de sua música. A inserção de momentos mais climáticos no decorrer das músicas ajuda a criar uma aura "pesada" ao som do grupo, que, somada à adição de teclados com timbres soturnos faz com que, em certos momentos, a sua música se transforme em um competente black metal.

É aí que a coisa pega. O Crimson Thorn é uma banda cristã, e deixa isso bem claro em suas letras. Para mim, um grupo que se diz cristão, ao fazer uso de elementos não só do metal extremo, mas principalmente do black metal, está sendo, no mínimo, contraditório. As coisas não combinam, os opostos não se atraem, não funcionam juntos. Será que faltam elementos sonoros interessante ou mais cativantes para bandas como o Crimson Thorn conseguirem agradar uma parcela maior de fãs? Ou a sede de reconhecimento é tão grande que coloca em segundo plano as suas tão propagadas crenças religiosas?

É no mínimo curioso e controverso que um grupo que possua tal postura faça uma música com uma aura maléfica tão evidente. O som me agrada, as letras não. Não consigo conceber esse contracenso. Para mim, o que o Crimson Thorn diz em seu discurso está em total desacordo com os caminhos sonoros pelos quais leva o seu som.

Pelo aspecto sonoro, um ótimo álbum. Pelos temas das letras, mais um grupo que se perde na tentativa de convencer seus fãs a respeito de suas crenças pessoais, usando a música apenas como ferramenta de propaganda, o que é uma pena.

Faixas:
1. Lack Of Compassion
2. Humbled
3. Sarcastic Deviation
4. Withered
5. My Neighbor
6. Narrow
7. Eviscerate
8. Meaningless
9. The Word
10. Misguided Mercy
11. Finding
12. Masquerade Deceit
13. Imminent Wrath (bonus track)
14. Sarcastic Deviation (bonus track)
15. Putrid Condemnation (bonus track)
16. Crimson Thorn (bonus track)
17. Corruption Of The Flesh (bonus track)


Outras resenhas de Purification - Crimson Thorn

Crimson Thorn: a mais brutal das bandas cristãs




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Crimson Thorn"


Musas do Metal Nacional: combo de talento e sensualidadeMusas do Metal Nacional
Combo de talento e sensualidade

Indústria: atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandasIndústria
Atrizes pornô começam a seguir mesmo rumo das bandas

Débil Metal: quando os fãs assustam os ídolosDébil Metal
Quando os fãs assustam os ídolos

Ghost: De quais bandas brasileiras eles gostam?Ghost
De quais bandas brasileiras eles gostam?

Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da SuéciaMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia

Death Magnetic: tudo é uma questão de gosto, diz Lars"Death Magnetic"
"tudo é uma questão de gosto", diz Lars

Queen: Freddie travestiu Princesa Diana para levá-la a clube gay?Queen
Freddie travestiu Princesa Diana para levá-la a clube gay?


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336