Zero Down: uma aula visceral de rock'n'roll

Resenha - Good Times At The Gates Of Hell - Zero Down

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

10


Em 2006 os norte-americanos Zero Down estrearam com um ótimo registro, "Old Time Revival", que na época somente não levou a nota máxima por este que vos escreve pelo simples fato de parte de seu repertório ser composto por canções que não eram realmente inéditas, e sim material antigo que foi regravado para a ocasião.

Mas dois anos se passaram e o pessoal de Seatlle agora está de volta com "Good Times At The Gates Of Hell", seguindo a mesma linha musical de seu debut, ou seja, grande apego ao Heavy Metal inglês da década de 80, Hard Rock e muito do espírito Punk. Além disso, todas as idéias em que o Zero Down se baseia foram aprimoradas, com uma evidente e maior atenção aos detalhes dos arranjos, tornando a audição ainda mais interessante.

publicidade

O resultado é uma fórmula que funciona maravilhosamente bem e, mesmo com tanta ligação com o passado, não se torna deslocada pela paixão e irreverência com que tudo é executado, sejam nas exclusivas e ardidas linhas vocais ou nas guitarras bem-sacadas. Destaques? Há muitos para se escolher, mas no momento "Firebird 76", "Loud, Proud And Evil" (esta é a cara do Zero Down!), "Knotty Pine" e a mais comportada "White Witch" não saem de minha cabeça.

publicidade

Uma aula visceral de rock´n´roll! E parece que o personagem Snake Handler se tornou a definitiva mascote do Zero Down... Aqui retratado pelo ilustrador Ed Repka (Megadeth, 3 Inches Blood), este ‘pastor’ foi mais um dos inúmeros charlatões que infestavam o país no século XIX, tendo em uma das mãos a bíblia, e na outra, serpentes... Bom, deu pra sacar que a exploração da boa-fé pública é atemporal e universal, não é mesmo?

publicidade

"Good Times At The Gates Of Hell" é um album totalmente recomendado a quem está buscando algumas das raízes do rock pesado. Fãs de Iron Maiden da era pré-Dickinson, Motorhead e Thin Lizzy encontrarão muitos atrativos nesta banda. Tanto que, evidentemente, este é um registro independente – ou alguém aí acha que o tendencioso mercado dos Estados Unidos ia dar atenção para uma banda que está se lixando para os ‘padrões’ musicais existentes atualmente?

publicidade

Formação:
Mark "Hawk" Hawkinson - voz
Lenny Burnett - guitarra
Fred Speakman - guitarra
Ronnie Banner - baixo
Tyler Lindsley - bateria

Contato:
http://www.zerodownrocks.com
http://www.myspace.com/zerodownrocks

publicidade

Zero Down – Good Times At The Gates Of Hell
(2008 / independente – importado)

01. Good Times At The Gates of Hell
02. Firebird 76
03. American Dream
04. Loud, Proud And Evil
05. Fistful Of Dynamite
06. Knotty Pine
07. Die Wasted
08. White Witch
09. Bolt In A Bottle
10. Sweet Thing




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Guns e Sabbath: semelhança entre Zero the Hero e Paradise CityGuns e Sabbath
Semelhança entre "Zero the Hero" e "Paradise City"

Batom, laquê...: Como formar uma banda de Hard Rock em 69 liçõesBatom, laquê...
Como formar uma banda de Hard Rock em 69 lições


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin