Liberty n' Justice: positividade e resgate de valores

Resenha - Soundtrack To A Soul - Liberty n' Justice

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

9


Relativamente desconhecido do público brasileiro, o Liberty N' Justice é uma banda cristã de Hard Rock, formada em 1991 por Justin Murr e Patrick Marchand, com quatro álbuns liberados até 2001, quando encerrou suas atividades. Porém, logo no ano seguinte Murr reativou o projeto, mas contando com os mais diversos músicos conhecidos do cenário ‘rocker’ e cristão, como Michael Sweet (Stryper), Jamie Rowe (Guardian), Dale Thompson (Bride), Scott Wenzel (Whitecross), John Schlitt e Greg Volz (Petra), entre vários outros, e que resultou em "Welcome To The Revolution", com grande aceitação entre o público.

Pois bem, com este "Soundtrack To A Soul", originalmente lançado em 2006, pode-se dizer que a idéia inicial se expandiu consideravelmente. Além de vários dos antigos convidados, Justin Murr também contatou grandes estrelas de fora do círculo cristão (dêem uma conferida no 'track list' no final do texto!), inclusive músicos que são conhecidos por alguns excessos e conduta sexual um tanto quanto duvidosa, condenadas por qualquer Igreja convencional.

publicidade

O resultado? Um puta (ops!) de um discaço, que pode ser considerado um marco na história do Liberty n' Justice. Justin Murr tem as manhas para escrever composições melódicas e cativantes, e a combinação de tantos talentos vocais nas 15 canções – mais três faixas que podem ser consideradas como vinhetas – conferem as mais variadas sensações ao ouvinte. O repertório apresenta tudo o que se puder imaginar em termos de Hard Rock, com muito do espírito oitentista, ainda que vários dos arranjos estejam bem contemporâneos.

publicidade

Com certeza cada ouvinte encontrará seus melhores momentos, mas vale mencionar "Another Nail", onde Sebastian Bach (aquele do Skid Row...) realmente detona, passeando pelos mais variados estilos com sua bonita voz; há ocasiões com ótimas melodias como "State Of Grace", tendo como cantor Russell Arcara (Surgin, Prophet, Arcara); "Show Me The Way", com Oni Logan (Lynch Mob), ou uma forte atuação de Leif Garrett na semi-acústica "Sight Unseen".

publicidade

O sempre bem-vindo otimismo do Hard Rock está em "Thy Will Be Done", com as vozes de Mark Slaughter (Slaughter) e Pete Loran (Trixter); "Always Tomorrow" e "Hope & Pray / Ballad Of King David", onde respectivamente Ted Poley (Danger Danger) e Phil Naro (Talas, Peter Criss Band) conseguem transportar o ouvinte algumas décadas em direção ao passado.

publicidade

As baladas! Num disco assim, nunca faltariam algumas canções neste formato... E com certeza o grande destaque vai para a suavidade de "If The World Could Be Mine", com Joe Cerisano (Silver Condor, Trans-Siberian Orchestra). Os pesos-pesados ficam marcados por "Grenade", com a participação do pessoal do Bride; "Flinch" e seus arranjos mais modernos, quase alternativos, com a presença de Tony Harnell (ex-TNT, Starbreaker), e Stephen Pearcy (ex-Ratt) na nervosa "Killer Grin".

publicidade

Independente dos objetivos mercadológicos por trás da escolha de tantas feras do rock'n'roll, um pouco de positividade e algum resgate de valores nunca é demais, considerando que toda a ‘liberdade’ atual resultou em uma noção por vezes distorcida do que é certo ou errado. Quanto à música em si, com certeza até mesmo os que não são adeptos de religiões organizadas terão que dar o braço a torcer de que este "Soundtrack To A Soul" é um álbum muito legal.

publicidade

Nem é preciso dizer que é um item obrigatório na prateleira de qualquer amante de Hard Rock, seja cristão ou não – e aproveitem, pois já está disponível aqui no Brasil, numa grande iniciativa da Silent Music Records.

Liberty n' Justice - Soundtrack To A Soul
(2006 / LNJ Records - 2007 / Silent Music Records - nacional)

01. Intro
02. Kings Of Hollywood (Ez Gomer do Jet Circus)
03. Another Nail (Sebastian Bach do Skid Row)
04. State Of Grace (Russell Arcara do Surgin / Prophet / Arcara)
05. Malice In Wonderland (Jamie Rowe do Guardian)
06. Grenade (Dale e Troy Thompson do Bride)
07. Show Me The Way (Oni Logan do Lynch Mob)
08. Sight Unseen (Leif Garrett)
09. Up That Hill (Josh Kramer do Saint)
10. Surreal (Scott Wenzel do White Cross)
11. Flinch (Tony Harnell do TNT / Starbreaker)
12. Thy Will Be Done (Mark Slaughter do Slaughter e Pete Loran do Trixter)
13. Killer Grin (Stephen Pearcy do Ratt)
14. If The World Could Be Mine (Joe Cerisano do Silver Condor / Trans-Siberian Orchestra)
15. Always Tomorrow (Ted Poley do Danger Danger)
16. Hope & Pray / Ballad Of King David (Phil Naro do Talas / Peter Criss Band)
17. Make Believe (Mike Lee do Barren Cross)
18. Outro

publicidade

Homepage: www.libertynjustice.net




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1990Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1990

Fotos de Infância: Lemmy Kilmister, do MotorheadFotos de Infância
Lemmy Kilmister, do Motorhead


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin