Grave Digger: ainda criando e evoluindo

Resenha - Liberty Or Death - Grave Digger

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Maurício Dehò
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Chris Boltendahl e companhia estão de volta e, como todos já estão acostumados, sem nunca deixar a peteca cair. Muito pelo contrário! O Grave Digger chega a mais um álbum de estúdio e mostra que, mesmo que seu som seja reconhecível em qualquer canto da Terra, o quinteto ainda tem onde criar e evoluir, como ficou claro neste “Liberty or Death”.
460 acessosGrave Digger: tradição ou acomodação?5000 acessosSlash: Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?

O disco é o sucessor de “The Last Supper”, que já havia agradado e resultado no ao-vivo “25 To Live”, comemorando um quarto de século do Power Metal dos alemães, e se mostra à altura, senão melhor.

“Liberty or Death” traz uma produção mais crua, mas um cuidado ainda maior com climas e arranjos, até por se tratar de um álbum em que o conceito fala sobre casos históricos de povos que guerrearam por sua liberdade, um grande trabalho de Chris. Aliás, nada poderia ser mais a cara destes alemães, o que foi retratado com maestria na arte gráfica.

Isso já vem à tona com a faixa-título, que, tal qual “The Last Supper” tem aquele clima épico, mas com mais cadência do que rapidez e um refrão que gruda na cabeça. A história fala sobre a população da ilha de Creta, que se rebela contra a ocupação turca. Um destaque é o trabalho do tradicional Hans Peter Katzenburg nos teclados, que dá esse climão poderoso, como na introdução, ao som de órgão.

Outro que sempre põe as mangas de fora é o guitarrista Manni Schmidt, com riffs criativos e solos nas alturas, como já bem conhecem os brasileiros que acompanharam as últimas passagens da banda, e como acontece em “Ocean of Blood”. Nela, que tem aquela cara de clássico do Grave Digger, o peso e a velocidade aparecem com tudo, contando a história de Moisés e sua fuga do Egito.

E alguém estava com saudades daquele sonzinho de gaita de fole? Ele reaparece rapidinho, na abertura de “Highland Tears”, que segue lá em cima, com destaque para a cozinha precisa formada por Jens Becker, no baixo, e Stefan Arnold, na bateria. Tudo muito bem gravado, por sinal, inclusive com o baixão bem na cara. E a faixa apresenta ainda o primeiro momento em que Chris deixa um pouco aquele vozeirão característico e aposta em linhas mais limpas, com uma grande interpretação, enquanto Manni esbanja virtuose na pesada “The Terrible One”.

O clima de batalha é maior ainda em “Until the Last King Dies” (o tema é a Revolução Francesa), uma das melhores faixas e mais marcantes do álbum. Depois de faixas bem com cara de Grave Digger, que se encontraria em qualquer disco assinado por Chris, começam as faixas um pouco diferentes daquela linha tradicional. “March of the Innocent” é dramática, tem linhas muito boas de guitarra, além de apostar no uso de violões, e “Silent Revolution”, mais lentinha e tratando de Mahatma Gandi, segue nesta linha – com Chris mandando na voz limpa no comecinho, com um clima genial – e tem aquele refrão que faz qualquer um sair bradando por aí.

Depois de “Shadowland”, com novas partes mais lentas e limpas, e da pesada “Forecourt to Hell”, sobre os gladiadores que lutavam em arenas na Antigüidade, vem uma das mais belas do disco, "Massada". Seu clima oriental e épico remete à história dos judeus e a luta contra o domínio romano, com um show do de Chris Boltendahl. Para fechar o álbum, ainda há uma bônus, Ship of Hope, mais na linha balada, com piano, e que faz jus a estes 60 minutos de “Liberty or Death”.

A versão brasileira, em edição dupla, vem com um CD bônus, o single “Yesterday”, lançado antes deste novo álbum. Nele, há duas novas versões (uma orquestrada) para Yesterday, música gravada no primeiro álbum dos alemães, “Heavy Metal Breakdown”, de 1984. Há ainda a inédita “The Reaper’s Dance”, outra boa composição, e a enigmática “No Quarter”, cover do Led Zeppelin, que originalmente foi lançada no tributo “The Music Remains the Same”.

Com “Liberty or Death”, o Grave Digger segue no topo e com aquele estilo que só este quinteto alemão sabe fazer. Mesmo assim, não espere repetições, falta de criatividade ou algo do tipo, pois é exatamente o contrário que encontrará.

Obrigatório conferir!

Ah! E vale esperar pelos próximos passos do quinteto, justamente por que ele vai virar sexteto, com mais um guitarrista. Aguardem...

Formação
Chris Boteldahl – Vocais
Hanz Peter Katzenburg – Teclados
Manni Schimidt – Guitarras
Jens Becker – Baixo
Stefan Arnold – Bateria

Track list:
1. "Liberty or Death"
2. "Ocean of Blood"
3. "Highland Tears"
4. "The Terrible One"
5. "Until The Last King Died"
6. "March of the Innocent"
7. "Silent Revolution"
8. "Shadowland"
9. "Forecourt to Hell"
10. "Massada"
11. "Ship of Hope"

Track list do single:
1. Yesterday
2. The Reaper's Dance
3. No Quarter (cover do Led Zeppelin)
4. Yesterday (orchestral)

Site Oficial: http://www.grave-digger.de

Lançamento Hellion Records - nacional

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Liberty Or Death - Grave Digger

3259 acessosResenha - Liberty Or Death - Grave Digger2125 acessosGrave Digger: metal pesado, técnico e raçudo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

460 acessosGrave Digger: tradição ou acomodação?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Grave Digger"

De Marillion a EnthronedDe Marillion a Enthroned
Discos ao vivo gravados no Brasil

Metal AlemãoMetal Alemão
About.com elege as melhores bandas

Grave DiggerGrave Digger
Ozzy foi a pior performance que vi na minha vida

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Grave Digger"

SlashSlash
Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?

KissKiss
"Rock não tem segredos! É trabalho para otários!"

Rob HalfordRob Halford
Resposta educada a comentários de Dickinson

5000 acessosNightwish: Participação de Dawkins em álbum irritou alguns fãs5000 acessosSinceridade: e se as capas de discos dissessem a verdade?5000 acessosSons Of Anarchy: a obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!5000 acessosGuns N' Roses: cover de AC/DC em homenagem a falecido cão de Axl Rose5000 acessosQueen: estudo diz que Bohemian Rhapsody é melhor que sexo5000 acessosMötley Crüe: "não somos como o Bon Jovi", diz Nikki Sixx

Sobre Maurício Dehò

Nascido em 1986, é mais um "maidenmaníaco". Iniciou-se no metal ao som da chuva e dos sinos de "Black Sabbath", aos 11 anos, em Jundiaí/SP. Hoje morando em São Paulo, formou-se em jornalismo pela PUC e é repórter de esportes, sem deixar de lado o amor pela música (e tentando fazer dela um segundo emprego!). Desde meados de 2007, também colabora para a Roadie Crew. Tratando-se do duo rock/metal, é eclético, ouvindo do hard rock ao metal mais extremo: Maiden, Sabbath, Kiss, Bon Jovi, Sepultura, Dimmu Borgir, Megadeth, Slayer e muitas, muitas outras. E é de um quarteto básico que espera viver: jornalismo, esporte, música e amor (da eterna namorada Carol).

Mais matérias de Maurício Dehò no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online