Discografia Básica: Black Oak Arkansas

Resenha - Black Oak Arkansas - High On The Hog

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Quando se fala em southern rock, os primeiros nomes que vêm a mente são o Lynyrd Skynyrd e o Allman Brothers. Apenas os fãs mais dedicados do estilo lembram do Black Oak Arkansas. Formado em 1965 na cidade de Black Oak, no estado de Arkansas (sacou o porque do nome?), o grupo se chamava originalmente The Knowbody Else, e a formação original contava com James “Dandy” Mangrum nos vocais, Pat Daugherty no baixo, Wayne Evans na bateria e o trio Ricky Lee Reynolds, Stanley “Goober” Knight e Harvey “Burley” Jett nas guitarras.
5000 acessosLegião Urbana: Bonfá toca bateria com telefone e passa vergonha na TV5000 acessosRob Halford: 11 coisas que você não sabia sobre ele

Em 1969 a banda se mudou para a cidade de Memphis, no Tennessee, e assinou contrato com a Stax Records. Gravaram um único álbum pela companhia, “The Knowbody Else”, que acabou engavetado. Foi nessa época que mudaram o nome para Black Oak Arkansas e começaram a se interessar por psicodelia e pela cultura sulista, influências que marcariam definitivamente o seu som.

Após algumas turnês tocando em tudo que é boteco da Améria, assinaram com a Atco em 1970. A gravadora lançou finalmente o debut em 1971, enquanto o grupo caía na estrada em uma extensa turnê para promover o disco. Começava nessa época a fama de ótimos no palco que acompanharia o Black Oak Arkansas por toda a sua carreira.

Em 1972 lançaram dois discos, “Keep The Faith” e “If An Angel Came To See You, Would You Make Her Fell At Home?”, solidificando seu estilo junto aos fãs. Em 1973 o ótimo ao vivo “Raunch´N´Roll Live” transpôs para o vinil a já lendária fúria exibida no palco.

Mas o grande estouro comercial do Black Oak Arkansas aconteceu com “High On The Hog”. Lançado também em 1973, o disco trazia uma significativa alteração na formação do conjunto: no lugar de Wayne Evans estava um certo Tommy Aldridge (que ficaria famoso anos mais tarde, tocando ao lado de Ozzy Osbourne e do Whitesnake).

Gravado entre 15/09/1972 e 29/08/1973, o disco teve produção de Tom Dowd e alcançou a posição de número 52 na parada da Billboard. O auge criativo do Black Oak Arkansas, transitando com absoluta naturalidade por todos os elementos que compunham o seu som, pode ser ouvido em suas dez faixas.

“Swimmin´ In Quicksand” abre o álbum misturando o balanço e a malícia latina ao southern rock, tudo temperado com pitadas funk. As raízes do grupo são homenageadas no country acústico de “Back To The Land”, enquanto “Movin´” é um hard rock poderoso com claras influências da lendária Charlie Daniels Band.

Um dos destaques de “High On The Hog” é “Happy Hooker”, um hard blues cheio de segundas intenções, onde Jim Dandy soa como uma mistura de Mick Jagger com George Thorogood. “Happy Hooker” brilha ao lado de mais duas canções.

A primeira, “Jim Dandy”, foi originalmente composta por Lincoln Chase e traz a vocalista Ruby Starr dividindo os vocais com Jim. Com uma levada bastante influenciada pelo Sweet, virou a marca registrada da banda, o maior sucesso de sua carreira, alcançando a 25ª posição nas paradas. A segunda é “Moonshine Sonata”, uma parceria do grupo com o produtor Tom Dowd. Longa jam instrumental com pitadas da Allman Brothers Band, possui guitarras cheias de melodia e que ifluenciaram, claramente, desde bandas clássicas como Wishbone Ash e Thin Lizzy até ícones do heavy metal como Iron Maiden e Judas Priest. Esta faixa mantém a tradição de todo grupo sulista de possuir uma canção com longos solos, e é uma espécie de “Freebird” do Black Oak Arkansas.

A influência country dá as caras novamente em “High´N´Dry” e “Why Shouldn´t I Smile”, esta última com uma grande performance do baixista Pat Daugherty. O disco fecha como começou, com o balanço latino temperando o hard rock de “Mad Man”.

A qualidade foi mantida com o álbum seguinte, “Ain´t Life Grand” (1975), que marcava mais uma mudança na formação: no lugar de Harvey Jett o grupo contava agora com a guitarra de James Henderson.

Após o estouro comercial destes dois álbuns, a banda literalmente explodiu. Desentendimentos entre os integrantes fizeram surgir um novo grupo, batizado apenas como Black Oak, e que contava com Jim Dandy e James Henderson ao lado de Greg Reding (guitarra e teclado), Jack Holder (guitarra), Andy Tanas (baixo) e Joel Williams (bateria). Esta formação gravou os discos “Race With The Devil” (1977) e “I´d Rather Be Sailing” (1978).

Após estes dois trabalhos, o grupo encerrou suas atividades em 1980. O Black Oak Arkansas ficou nas sombras até 1984, ano que marcou o reencontro de Jim Dandy com Ricky Lee Reynolds. Recuperando-se de um ataque cardíaco, o vocalista convidou seu antigo parceiro para participar de seu álbum solo “Ready As Hell”. A parceria se repetiu também em “The Black Attack Is Back”, lançado em 1986. Mas os fãs só foram brindados com a reunião do Black Oak Arkansas treze anos depois, com o lançamento do inédito “The Wild Bunch”, em 1999.

A influência do Black Oak Arkansas foi muito além dos limites do southern rock. O hard rock apimentado com influências latinas, country e funk executado pelo grupo antecipou uma tendência que se intensificaria principalmente na década de noventa: a fusão de estilos claramente opostos conspirando para a formação de uma sonoridade totalmente nova. Além disso, a performance ensandecida de Jim em cima do palco influenciou inúmeros vocalistas, notoriamente David Lee Roth, que buscou inspiração no líder do Black Oak Arkansas para criar os saltos que viraram a sua marca registrada.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Oak Arkansas"

Southern rockSouthern rock
Os 10 discos essenciais do estilo

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Black Oak Arkansas"

Legião UrbanaLegião Urbana
Bonfá toca bateria com fone e passa vergonha na TV

Rob HalfordRob Halford
11 coisas que você não sabia sobre ele

Álbuns ao vivoÁlbuns ao vivo
10 grandes registros da história do rock

5000 acessosLegião Urbana: Bonfá toca bateria com telefone e passa vergonha na TV5000 acessosRob Halford: 11 coisas que você não sabia sobre ele5000 acessosÁlbuns ao vivo: 10 grandes registros da história do rock5000 acessosBlack Sabbath: a entrevista que fez David Donato ser demitido5000 acessosHeavy Metal Pop Covers: versões pesadas de clássicos5000 acessosSingles: como o formato matou a indústria fonográfica

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online