Nektar: um DVD caprichado e definitivo

Resenha - Pure: Live In Germany 2005 - Nektar

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Werneck
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Da mesma forma que o AC/DC é uma banda formada por escoceses na Austrália, o Nektar é uma banda que foi formada por ingleses em Hamburgo, na Alemanha, no final de 1969. Por causa disso, muitos incluem o Nektar no rol de grupos que definiram o rock progressivo alemão. Para comemorar seus 35 anos de estrada, a banda gravou em 2005 um brilhante DVD duplo ao vivo, lançado aqui no Brasil numa iniciativa ousada da Hellion Records.

Kiss x Secos & Molhados: o fim da polêmicaSepultura: Andreas Kisser comenta os primórdios da banda

Para aqueles que tiveram a oportunidade ímpar de comparecer aos shows do Nektar no Brasil, nesse mesmo ano de 2005, o DVD ora lançado é uma excelente recordação. Contando com 2 integrantes originais, Roye Albrighton (guitarra, vocais) e Ron Howden (bateria, vocais), completavam a formação o baixista Randy Dembo e o tecladista Tom Hughes. Embora o grupo tenha se reunido na virada do milênio com os membros originais Derek "Mo" Moore no baixo e Allan "Taff" Freeman nos teclados, além de em alguns shows o também tecladista Larry Fast ter se juntado à trupe, após algum tempo só restaram mesmo Albrighton e Howden, e os novos músicos se juntaram.

Mas isso não tira de forma alguma o brilho deste DVD. Com um som, visual e estilo totalmente calcados no que de melhor os anos 70 tinham, a consistência da banda é impressionante, e a energia arrebatadora. Albrighton com sua guitarra Antoria vermelha, que mais parece uma clássica Gibson 335; Howden com seu kit de bateria que inclui um gongo e um tímpano (no lugar do surdo); Hughes com seu órgão Hammond B3 e caixa Leslie; e Dembo com um baixo Rickenbacker e pedal Taurus da Moog. Iluminação de palco impecável, somando-se a isso as tradicionais projeções de fundo de palco que caracterizam os shows do Nektar desde seus tempos psicodélicos (quando eram feitas pelo lendário Mick Brockett). Som perfeito e edição de imagem primorosa, como deve ser feita, alternando passagens rápidas com outras lentas, em total consonância com a música e repassando ao espectador toda a energia que claramente transbordava do palco na noite do show de gravação do DVD. O local do concerto, o Harmonie Club de Bonn (Alemanha), possui um palco baixo, e portanto nos takes de câmera mais afastados o que se vê é o público com a banda ao fundo, colocando quem assiste ainda mais dentro do espírito do show.

A escolha de repertório foi simplesmente perfeita. Começando logo de cara com o petardo "A Tab In The Ocean", faixa-título do disco de 1972, o que se segue é uma sucessão de clássicos. A esperta inclusão de medleys permitiu que a banda inserisse mais músicas do que conseguiria, dentro de um show com uma duração já longa (2 horas e meia!). Juntaram, portanto, "Dream Nebula" (do disco de estréia, Journey To The Center Of The Eye", 1971) com "Desolation Valley" e "Waves" (ambas do "A Tab In The Ocean"). Em seguida, a viagem do disco "Remember The Future" (1974), tocada em sua totalidade: as 2 partes inteiras (cada uma correspondia a um lado do LP original). Solos de guitarra e Hammond intermináveis, do jeito que os fãs querem ver, sem o sentimento de urgência que a música de hoje em dia acaba por forçar. Com calma, dentro do espírito original das composições, o Nektar desenvolve seus temas, insere um improviso aqui e outro ali, tocando com prazer e recebendo o retorno do público. Arte na acepção mais literal da palavra, com completa interação entre artistas e fãs.

Os clássicos se sucedem: "Cast Your Fate", "A Day In The Life Of A Preacher / Squeeze / Mr. H" e "Good Day" (do disco "Sounds Like This", 1973), mais o medley contendo "Cryin' In The Dark" e "King Of Twilight" (ambas do disco "A Tab In The Ocean", aqui presente portanto por completo). Sim, esta última é a música que foi depois regravada pelo Iron Maiden(!). "That's Life", "Show Me The Way" e "Fidgety Queen" representam o disco "Down To Earth" (1974). No meio disso tudo, uma nova: "The Debate" (do disco de 2004, "Evolution"), que se não apresenta a mesma maestria das composições antigas, não chega também a comprometer e mantém o pique.

Mais um medley foi incluído, tirado do disco "Recycled" (1975), outro ponto alto da carreira da banda (num estilo mais sinfônico), com a adição de sintetizadores (na época, cortesia de Larry Fast, que se notabilizou por seu trabalho com o Synergy e com Peter Gabriel). Nota-se por sinal um Tom Hughes pouco à vontade ao ter que trocar do Hammond para um sintetizador Korg Triton em algumas de suas passagens. Quem ficou responsável pelas narrações no meio da música foi o baixista Randy Dembo. Os vocais principais são revezados entre Albrighton e Howden, que se não são mais capazes de recriar todas as vocalizações do mesmo jeito que faziam há 30 anos atrás, não se pode negar que dão tudo de si, cantando com emoção e carisma. Vale ressaltar ainda o uso freqüente do tímpano por Howden no decorrer de toda a faixa.

"Pure" é simplesmente isso, energia e crueza numa banda que demonstra ter ainda muito a oferecer. É bom frisar: para quem busca rock progressivo ultra-elaborado, com mudanças de compasso e instrumentistas super-virtuosos, este não é o caso! O Nektar faz neste DVD um rockão pesado, viajante, com longos temas (algumas das características do progressivo), mas sem grande técnica instrumental. São todos músicos muito bons, mas o foco está nas composições e no "feeling".

Para transformar este lançamento em algo ainda mais essencial, um DVD bônus foi incluído. No dia seguinte ao da gravação do show principal, foi realizada uma apresentação beneficente "mezzo-acústica", na realidade trocando a guitarra por violão, e mantendo órgão, baixo elétrico e uma bateria pequena. Nessa apresentação, ocorrida no mesmo Harmonie Club, os seguintes temas foram tocados: "Do You Believe In Magic?" e "Good Day" (ambas do álbum "Sounds Like This"), "Telephone" (de "Man In The Moon", 1980), e "Always" (o single de "Evolution", disco de estúdio mais recente do grupo). Em "Good Day", Roye sacou de surpresa uma folha de papel no meio da música e, após pedir para não rirem dele, cantou parte da letra em alemão, para deleite dos presentes. O som desta parte acústica não está no mesmo nível do "show elétrico" do primeiro DVD, com violão e bateria muito altos, e o órgão muito baixo no mix (o violão chega a distorcer em algumas partes). Mesmo assim, um bom registro.

Dentre os demais extras, uma entrevista com Albrighton e Howden, comentando vários fatos da origem e da história do grupo, assim como um slideshow bem feito com fotos de todas as formações, mais a biografia e a discografia completas da banda. Um DVD caprichado e definitivo.

DVD 1: Full concert - live at the Harmonie

1. A Tab In The Ocean (15:53)
2. Dream Nebula / Desolation Valley / Waves (14:03)
3. Remember The Future Part 1 (16:16)
4. Remember The Future Part 2 (19:56)
5. Cast Your Fate (4:57)
6. The Debate (7:52)
7. Cryin' In The Dark / King Of Twilight (12:16)
8. That's Life (6:00)
9. Show Me The Way (6:25)
10. A Day In The Life Of A Preacher / Squeeze / Mr. H (13:11)
11. Recycled (18:33)
12. Good Day (6:09)
13. Fidgety Queen (8:28)

DVD 2: "acoustic" set

1. Do You Believe In Magic? (4:20)
2. Telephone (4:18)
3. Always (7:38)
4. Good Day (6:24)
5. Bonus Features: Interview (10:47)
Slideshow, Biography, Discography

Sites relacionados:
http://www.nektarsmusic.com
http://www.royealbrighton.com
http://www.hellion.com.br


Outras resenhas de Pure: Live In Germany 2005 - Nektar

Nektar: "Pure" é DVD mais que obrigatórioNektar: boa música, executada com alma




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Nektar"


Rock Progressivo: Os 15 maiores guitarristas do gêneroRock Progressivo
Os 15 maiores guitarristas do gênero


Kiss x Secos & Molhados: o fim da polêmicaKiss x Secos & Molhados
O fim da polêmica

Sepultura: Andreas Kisser comenta os primórdios da bandaSepultura
Andreas Kisser comenta os primórdios da banda


Sobre Rodrigo Werneck

Carioca nascido em 1969, engenheiro por formação e empresário do ramo musical por opção, sendo sócio da D'Alegria Custom Made (www.dalegria.com). Foi co-editor da extinta revista Musical Box e atualmente é co-editor do site Just About Music (JAM), além de colaborar eventualmente com as revistas Rock Brigade e Poeira Zine (Brasil), Times! (Alemanha) e InRock (Rússia), além dos sites Whiplash! e Rock Progressivo Brasil (RPB). Webmaster dos sites oficiais do Uriah Heep e Ken Hensley, o que lhe garante um bocado de trabalho sem remuneração, mais a possibilidade de receber alguns CDs por mês e a certeza de receber toneladas de e-mails por dia.

Mais matérias de Rodrigo Werneck no Whiplash.Net.

adClioIL