Resenha - Crystal Planet - Joe Satriani

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Otávio Augusto Juliano
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Sim, não nego que sou grande fã dos trabalhos do Joe Satriani. E exatamente por esse motivo é que me sinto totalmente à vontade para avaliar "Crystal Planet" e concluir que é um dos grandes álbuns lançados pelo guitarrista. Por conhecer bem a discografia de Satriani, falo sem medo que "Crystal Planet" pode ser colocado à altura de clássicos como "Surfing With The Alien" e "The Extremist", guardadas as devidas proporções, é claro.

As novas caras do metal: + 40 bandas que você deve conhecerQueen: 10 coisas que você não sabe sobre Bohemian Rhapsody

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Primeiro álbum de estúdio que Joe lançou pela Epic Music, causou-me espanto a ausência de uma resenha sobre esta obra musical no conceituado site Whiplash. Espero, nessas mal traçadas linhas, contribuir para que "Crystal Planet" receba um pouco mais da merecida atenção.

São ao todo quinze faixas, cada qual com sua característica individual, transparecendo uma criatividade incrível por parte do incansável Satriani, que mostra sempre muita versatilidade, musicalidade e, claro, habilidade ao manejar a guitarra.

Destaques são praticamente todas as músicas, mas a mim resta a cruel missão de selecionar e comentar algumas das faixas principais. A abertura do álbum, com "Up In The Sky", já mostra a força das composições do guitarrista, disparando riffs rápidos e diretos logo de cara, sendo uma canção capaz de nos primeiros segundos já provocar no ouvinte aquela vontade incontrolável de simular uma guitarra invisível, fazendo os movimentos de tocar o instrumento de forma imaginária.

A faixa título, "Crystal Planet", é outra bastante rápida e uma das mais pesadas do álbum, com uma levada de bateria mais forte. Segue-se com "Love Thing", uma balada de guitarra ótima para se apagar a luz, fechar os olhos e refletir sobre a vida. Tem-se ainda uma dobradinha incrível com "Raspberry Jam Delta-V" e "Ceremony", respectivamente, sétima e oitava faixas do disco. A primeira segue uma linha Hard Rock, com uma pequena desacelerada no meio; a segunda é na minha opinião a melhor do álbum - começa lenta, torna-se acelerada aos poucos, até se mostrar uma brilhante e vibrante canção, com solos criativos e estimulantes, ideal para selecionar o "repeat" do aparelho de som.

Há ainda muitas outras músicas que merecem destaque, como "A Train Of Angels" e a carregada em percussão, "A Piece Of Liquid", além da bonita e tranqüila "Z.Z.`s Song" (composta provavelmente em homenagem ao seu filho, Z.Z. Satriani). Enfim, eu poderia me alongar bastante tentando passar as sensações provocadas por cada uma das faixas do álbum, mas deixo isso a critério de cada leitor.

A produção ficou a cargo do renomado Mike Fraser (AC/DC, Metallica, The Cult, entre outros) e banda foi completada com os amigos e parceiros de longa data de Joe, os competentes Stuart Hamm (baixo) e Jeff Campitelli (bateria).

Não importa o que vá fazer, busque inspiração ao som de "Crystal Planet". Totalmente indicado.

Nacional - Epic




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Joe Satriani"


Malmsteen: Slash, Vai, Satriani e Wylde falam do guitarristaMalmsteen
Slash, Vai, Satriani e Wylde falam do guitarrista

Barulho Infernal: guitarristas fodões dão dicas fodasBarulho Infernal
Guitarristas fodões dão dicas fodas


As novas caras do metal: + 40 bandas que você deve conhecerAs novas caras do metal
+ 40 bandas que você deve conhecer

Queen: 10 coisas que você não sabe sobre Bohemian RhapsodyQueen
10 coisas que você não sabe sobre Bohemian Rhapsody


Sobre Otávio Augusto Juliano

Otávio é paulistano, tem 29 anos e faz algo nada a ver com o Rock: é advogado. Por gostar muito de música e não possuir talento algum para tocar instrumentos musicais, tornou-se um comprador compulsivo de cds. Sempre interessado em leitura ligada ao Rock e Metal, começou a enviar algumas pequenas colaborações para a Whiplash e hoje contribui principalmente com textos relacionados ao Hard Rock, estilo musical de sua preferência. De qualquer forma, é eclético e não dispensa álbuns de todas as demais vertentes do Metal, sendo fã incondicional de W.A.S.P., Mötley Crüe e dos trabalhos do guitarrista Steve Stevens.

Mais matérias de Otávio Augusto Juliano no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336