Resenha - Barrett - Syd Barrett

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Álvaro
Enviar correções  |  Ver Acessos


"Barrett" é o segundo álbum solo lançado por Syd Barrett após sua saída do Pink Floyd, devido a causas psicotrópicas. O estranho é que, em sua carreira solo, Barrett nunca foi tão inventivo e experimental como em sua curta mas explosiva atuação à frente do Pink Floyd. Seguindo os passos do primeiro disco solo "The Madcap Laughs", também de 1970, "Barrett" apresenta músicas calmas, acústicas, fortemente influenciadas pelo blues com pitadas de country, estilos dos quais Barrett era confesso admirador. Isto não significa, no entanto, que este seja um álbum "careta", longe disso. A psicodelia característica de Syd Barrett, embora disfarçada, escapa em muitas passagens, e sua voz peculiar está afiadíssima. Barrett também contém participações mais do que especiais: David Gilmour toca bateria em "Dominoes" e baixo em "Effervescing Elephant", na qual Wright também toca piano.

Glen Benton e Euronymous: a verdade sobre o encontroIron Maiden: Bruce Dickinson revela sua "canção de merda"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Trata-se de um álbum cheio de músicas leves e agradáveis aos ouvidos, ideais para serem ouvidas em um dia calmo. Não espere reminiscências da psicodelia extrema de "The Piper At The Gates Of Dawn", embora faixas como "Rats" e "Effervescing Elephant" (música que Syd compôs aos 17 anos) tenham um quê de Floyd dos primórdios, principalmente nas letras malucas. "Dominoes" é, na minha opinião, a melhor música da carreira solo de Barrett, uma canção que induz à serenidade, contém um interessante solo de guitarra gravado "ao contrário" e um acompanhamento de teclado fenomenal. David Gilmour chegou inclusive a tocar essa música em muitas de suas turnês. Outras canções que merecem destaque são "Maisie", com seu andamento lento e envolvente, além de um vocal quase gutural sinistro de Barrett; "Wined and Dined" e "Wolfpack" têm melodias simples e ternas, com bonitos violões e solos de guitarra. Outro detalhe interessante do álbum que vale ressaltar é a capa: são desenhos de insetos que o próprio Syd Barret criou, em seus raros momentos de lucidez - ou não. A pintura era seu segundo hobby predileto - o primeiro não preciso comentar.

Barrett é mais um legado do enigmático e mítico ex-líder do Pink Floyd. Não é nenhuma obra prima, e nem precisava ser. Syd Barrett já havia fincado sua marca na história do rock, influenciando inúmeras gerações, principalmente a do krautrock.

Syd Barrett - guitarra, vocais
David Gilmour - guitarra, baixo, órgão, bateria, backing vocais
Richard Wright - teclado, piano, órgão hammond, backing vocais
Vic Saywell - tuba
Jerry Shirley - bateria, percussão
Willey - percussão
John Wilson - bateria

Faixas:
1. Baby Lemonade
2. Love Song
3. Dominoes
4. It Is Obvious
5. Rats
6. Maisie
7. Gigolo Aunt
8. Waiving My Arms In The Air
9. I Never Lied To You
10. Wined And Dined
11. Wolfpack
12. Effervescing Elephant




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Syd Barrett"


Pink Floyd: Nick Mason elege as melhores músicas de Syd BarrettPink Floyd
Nick Mason elege as melhores músicas de Syd Barrett

Syd Barrett: irmã diz que ele não era reclusoSyd Barrett
Irmã diz que ele não era recluso


Glen Benton e Euronymous: a verdade sobre o encontroGlen Benton e Euronymous
A verdade sobre o encontro

Iron Maiden: Bruce Dickinson revela sua canção de merdaIron Maiden
Bruce Dickinson revela sua "canção de merda"


Sobre Álvaro

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336