Resenha - Deadwing - Porcupine Tree

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Ferraresso
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


"Deadwing", lançado em 2005, e até então o último release de estúdio dos ingleses do Porcupine Tree ("Fear of a Blank Planet" será lançado dia 16 de abril na Europa, e dia 24 do mesmo mês nos EUA) liderada pelo multi-instrumentista (que hoje em dia conta com uma "banda de verdade") e compositor Steven Wilson.

Dinho Ouro Preto: "É assustador ver todo o rock ficar de direita"Megadeth: Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Seguindo os passos do antecessor "In Absentia", "Deadwing" mostra a banda cada vez mais apostando no peso de suas composições. A faixa-título que abre o CD é uma prova disso.

Na segunda, intitulada "Shallow", a banda apresenta uma das músicas mais pesadas da carreira. Gavin Harrison faz um excelente trabalho com as baquetas, enquanto Wilson demonstra a habilidade de sempre na criação das linhas vocais.

"Lazarus" e "Halo" já remetem ao que o Porcupine Tree está acostumado a fazer em álbuns como "Lightbulb Sun" e "Signify": aquela mistura de prog. rock/metal mesclado com doses de rock psicodélico, "ambient" e alternativo.

A próxima faixa, "Arriving Somewhere But Not Here", já nasceu clássica. Grande trabalho da banda como um todo! As letras mostram Wilson inspirado, lançando mão da usual melancolia lírica, mas sem cair naquela tristeza exagerada que algumas bandas insistem hoje em dia. Tudo muito bem dosado. Como uma boa "clássica progressiva", a faixa abusa das diferentes mudanças de andamento, teclados muito bem aplicados (esse também costuma ser um perigo atualmente) e um excelente trabalho de guitarra feito por Mr. Wilson.

"Mellotron Scratch" e "Open Car" também seguem a linha clássica do PT, enquanto "The Start Of Something Beatiful" também se destaca com o teclado de Richard Barbieri. Essa é uma das faixas de "Deadwing" que vem sendo executada ao vivo nos shows do PT, juntamente com "Lazarus", "Halo" e "Arriving Somewhere But Not Here".

O CD fecha com "Glass Arm Shattering", que é tipicamente "Pink Floydiana", da época do The Wall.

Não é o melhor CD da banda. Mas sem dúvida alguma é um grande sucessor para "In Absentia", mostrando um direcionamento mais metal para a banda e provando que os ingleses de Hertfordshire não estão aí para ser "mais uma banda."

Enquanto não sai o novo álbum... Confira esse!

Tracklist
1. Deadwing (9:46)
2. Shallow (4:17)
3. Lazarus (4:18)
4. Halo (4:38)
5. Arriving Somewhere But Not Here (12:02)
6. Mellotron Scratch (6:56)
7. Open Car (3:46)
8. The Start Of Something Beautiful (7:39)
9. Glass Arm Shattering (6:12)

Tempo Total: 59:34

Line-up
- Steven Wilson / vocais, guitarras, piano, baixo, teclados
- Richard Barbieri / teclados e sintetizadores
- Colin Edwin / baixo
- Gavin Harrison / bateria e percussão




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Porcupine Tree"


Steven Wilson: não existe mais guitarra pesada hoje no metalSteven Wilson
Não existe mais guitarra pesada hoje no metal

Greta Van Fleet: horríveis, piada, boy band, imitação grosseira do Led ZeppelinGreta Van Fleet
"horríveis, piada, boy band, imitação grosseira do Led Zeppelin"


Dinho Ouro Preto: É assustador ver todo o rock ficar de direitaDinho Ouro Preto
"É assustador ver todo o rock ficar de direita"

Megadeth: Perguntas e respostas e curiosidades diversasMegadeth
Perguntas e respostas e curiosidades diversas


Sobre Marcelo Ferraresso

Do Blues norte-americano, passando pelo Jazz Fusion, Rock Progressivo e chegando até o Metal Extremo, acredita que a música possui apenas dois rótulos importantes: boa e ruim.

Mais matérias de Marcelo Ferraresso no Whiplash.Net.

adGooILQ