Green Carnation: arranjos ricos e feeling de sobra

Resenha - Acoustic Verses - Green Carnation

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Glauco Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Eu já tinha ouvido falar muito dessa banda, e a expectativa era grande pois o fundador e líder, o guitarrista Tchort, havia gravado baixo no essencial "Anthems To The Welkin At Dusk" do Emperor. Quando vi que era um CD inteiro acústico, bateu aquele desânimo inicial - putz, lá vem violãozinho água-com-açúcar... e que doce decepção eu tive!

Marilyn Manson: "perdi tudo por causa de Columbine"Top 5: Os roqueiros mais chatos da história

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Esse CD é qualquer coisa de fenomenal... musicalidade latente em cada segundo, performances pra lá de inspiradas na voz de Kjetil Nordhus (que, pasmem, às vezes chega a lembrar entonações do Bono Vox), arranjos ricos e criativos, sem ficar numa exibição inútil de técnica - muito pelo contrário, o que sobra aqui é feeling.

E é engraçado notar que o interesse por músicas mais voltadas ao folk cresce e se enraiza cada vez mais entre os músicos advindos da cena Black Metal. Talvez seja uma evolução do instrumentista ou influência do clima local, mas é fato que essa saudável - embora nada pesada - tendência aumenta a cada dia.

As oito viagens (afinal, como definir uma divagação como "In the eye of elephant / Nothing's too big and nothing / Proves you wrong"?!?) desse álbum, por incrível que pareça, são distintas, sem ficar na repetição... vai desde a emoção da faixa de abertura, passando pelos arranjos brilhantes do semi-épico "9-29-045" (dividido em 3 partes), a enorme melancolia de "The Burden Is Mine... Alone" e o poema "Alone", do grande mestre Edgar Allan Poe, musicado de forma brilhante.

Agora, a cereja do bolo é mesmo a última faixa, um bônus inserido pela Hellion (não presente na maioria das versões do exterior): a excepcional "Six Ribbons". A letra é linda, a interpretação magistral, e acima de tudo, fecha esse excelente ábum com a melodia mais medieval que já escutei até hoje.

Uma surpresa agradabilíssima. Dê um descanso aos seus ouvidos e corra atrás deste lançamento o quanto antes... quem sabe, é capaz até de seus pais e amigos, que tanto criticam a 'barulheira' do Metal, passarem a respeitar o estilo que tanto amamos.

Tempo total - 43:29. Faixas

1. Sweet Leaf (4:38)
2. The Burden Is Mine... Alone (3:15)
3. Maybe? (5:02)
4. Alone (3:44)
5. 9-29-045 (15:29)
6. Childs Play part III (3:32
7. High Tide Waves (7:49)
8. Six Ribbons

Lançamento nacional: Hellion Rec.


Outras resenhas de Acoustic Verses - Green Carnation

Green Carnation: menos peso e mais versatilidadeReview: Acoustic Verses, novo do Green CarnationResenha - Acoustic Verses - Green Carnation




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Green Carnation"


Marilyn Manson: perdi tudo por causa de ColumbineMarilyn Manson
"perdi tudo por causa de Columbine"

Top 5: Os roqueiros mais chatos da históriaTop 5
Os roqueiros mais chatos da história


Sobre Glauco Silva

36 anos, solteiro, estudou Linguística e Engenharia de Alimentos na UNICAMP. Tem sua sobrevivência (CDs, cigarro e cerveja) garantida no trabalho em uma multinacional. Iniciado no Metal em 1988, é baixista/vocal do LACONIST (Death Metal) e acredita fielmente que o SARCÓFAGO é a melhor banda do universo.

Mais informações sobre Glauco Silva

Mais matérias de Glauco Silva no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336