Matérias Mais Lidas

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemRob Halford compartilha a foto mais metal da semana; "O Rei e Eu"

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio

imagemPrika Amaral diz que fica feliz com o sucesso alcançado banda Crypta

imagemGordo diz que atualizou termos politicamente incorretos após puxão de orelha de filha

imagemFãs de Stranger Things do Tik Tok querem cancelar o Metallica

imagemDavid Ellefson diz que você conhece seus amigos quando a m*rda bate no ventilador

imagemA opinião de Marcelo Barbosa sobre cancelamento de Metallica e Pantera por racismo

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemGuitarrista do Skid Row diz que não fala com Sebastian Bach e não pensa em fazer pazes

imagemArtigo na Far Out Magazine aponta James Hetfield como pior letrista da história do metal

imagemFloor Jansen diz que achou que não fosse conseguir cantar nova música do Avantasia

imagemResenha - Max e Iggor Cavalera (Audio, São Paulo, 07/08/2022)

imagemAnthrax cancela mais um show que seria realizado no Texas


Stamp

Destroy Destroy Destroy: Viking Metal made in USA

Resenha - Devour The Power - Destroy Destroy Destroy

Por Ben Ami Scopinho
Em 12/03/07

Nota: 8

Realmente, foram-se os tempos em que o chamado Viking Metal era uma exclusividade dos países escandinavos... Atualmente há conjuntos excelentes vindo de locais um tanto quanto improváveis – como a Espanha com o excelente Runic – e agora os EUA mostram as caras com Destroy Destroy Destroy, banda formada em 2003 no Tennessee, região conhecida pela, quem diria, sua música country.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Na realidade, o termo "Viking Metal" geralmente está associado ao Black e Death Metal, aliados às generosas doses de melodias épicas, muitas vezes sinfônicas. Mas o Destroy Destroy Destroy o faz de maneira um pouco diferente, acrescentando em sua seção instrumental muito Thrash e principalmente, o Power Metal.

"Devour The Power" é seu segundo registro e soa muito bem com suas vozes rosnadas e gritadas, riffs intermitentes e furiosos, teclados atmosféricos muito bem encaixados (lembram algo do Dragonforce) e um trabalho de bateria com algumas mudanças de tempo realmente incríveis, tudo extremamente melódico. E, com certeza, é neste contrapeso cheio de energia entre o violento e o melódico que o Destroy Destroy Destroy se sobressai.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

E as letras? Monstros mitológicos, reinos perdidos e guerras sem fim, em títulos como "Mutilated Cranial Orifice" (a mais extrema do CD) ou "Ripped Apart By The Juggernaut Of Fornication", que mostram o nível de seriedade proposto pelo conjunto. Nada original, mas como um todo, "Devour The Power" agradará aos apreciadores do universo bárbaro.

Há várias canções que garantem bons momentos. "Hang The Vermin" é uma das mais melódicas e com refrões bem sacados; "Hellfire" possui ótimas guitarras e algumas linhas vocais limpas; ou ainda a pesada "The Beast That Cannot Be Fed", que remete o ouvinte até os anos 80.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Mesmo a banda tendo um nome pra lá de clichê e apresentar alguns riffs semelhantes espalhados pelas músicas, "Devour The Power" se mostra um contribuinte respeitável no que antes era um fenômeno europeu. E se torna ainda mais atraente se levarmos em conta que é algo bem diferente do Metalcore ou rock alternativo que tem sido os objetos de exportação de seu país ultimamente.

Formação:
Bryan Kemp - voz
Jeremiah Scott - guitarra
Way Barrier - guitarra
Adam Phillips - baixo
Alex Gillette - teclados
Eric W. Brown - bateria

Destroy Destroy Destroy - Devour The Power
(2006 / Metal Blade Records - importado)

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

01. The Summoning
02. Hang The Vermin
03. Gods Of War And Open Sores
04. Ripped Apart By The Juggernaut Of Fornication
05. Battle Cry
06. Eternal Voyage Of The Geishmal Undead
07. The Beast That Cannot Be Fed
08. Mutilated Cranial Orifice
09. Seduced By The Locrian Temptress
10. Hellfire
11. Bring The Exodus

Homepage: www.destroydestroydestroy.com

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rock

Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.