Matérias Mais Lidas

imagemPrika Amaral esclarece por que contratou apenas mulheres europeias para a Nervosa

imagemA opinião de Dave Mustaine sobre a clássica "The Unforgiven", do Metallica

imagemLegião Urbana e a surpreendente música que serviu de base para "Ainda é Cedo"

imagemAudioslave: Tom Morello recorda seu sinistro primeiro encontro com Chris Cornell

imagemCinco músicos que começaram vida nova após saírem de grandes bandas de heavy metal

imagemJames Hetfield e esposa Francesca se divorciam após 25 anos de união

imagemVocalista do Anvil afirma que Rob Halford e Ian Gillan são personagens

imagemNando Reis relembra curioso único game que jogou na vida, durante gravação dos Titãs

imagemNando Reis e a linda música que Samuel Rosa dispensou por ter recebido na hora errada

imagemJanis Joplin: última gravação dela em vida foi feita para um Beatle

imagemAs seis músicas do Metallica que Dave Mustaine ajudou a escrever

imagemO show do Black Sabbath que acabou em tumulto por conta de uma garrafa

imagemO comovente relato de Kiko sobre como foi gravar em meio ao câncer de Mustaine

imagemAs faixas do "Black Album" que James Hetfield e Lars Ulrich não curtem

imagemAs 10 melhores versões metal de músicas pop dos anos 1980, em lista da Metal Hammer


Dream Theater 2022

Resenha - Lust Stained Despair - Poisonblack

Por Rafael Carnovale
Em 18/01/07

Nota: 7

Com o fim do Sentenced, sobra tempo para o vocalista Ville Laihiala se dedicar a seu ex-projeto paralelo (agora banda oficial) Poisonblack, iniciado apenas para que o vocalista (que aqui inicialmente cuidava apenas das guitarras) pudesse extravasar seus anseios musicais. Mas após o bom "Escapexstacy" (2003), a banda sofreu baixas em sua formação, a mais significativa sendo a saída do vocalista J.P. Leppaluoto (segundo Ville apenas um vocalista contratado para gravar o CD). Mas o líder do Poisonblack não se fez de rogado e voltou a assumir o vocal, coisa que já fazia no Sentenced.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Com isso temos o CD mais Sentenced do Poisonblack, superior a seu antecessor nas comparações a ex-banda de seu líder, fato que os primeiros acordes de "Nothing Else Remains" irão escancarar. Apesar disso, a banda incorpora bons elementos do heavy metal em seu gothic-metal na boa "Hollow Be My Name", enquanto que "The Darkest Lie" poderia ser gravada pelo Depeche Mode em seus dias mais inspirados. O som mais gótico de "Escapextacy" aparece com vigor em "Nail" e "Soul In Flames".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

O único senão do CD fica para a inconstância. Enquanto "Raivotar" soa agradável e assimilável a nossos ouvidos, "Never Enough" soa forçada ao trazer o heavy metal de volta misturado ao som gótico da banda, fato que se repete em "Love Controlled Despair" e em "The Living Dead". Soa como se Ville estivesse recriando o Sentenced, com outro nome, e foge totalmente a proposta inicial de sua banda.

Não é um bom CD. Ville ainda não acertou a mão em compor PARA o Poisonblack. Vale uma conferida, mas prefiro esperar o próximo trabalho da banda.

Formação:

Ville Laihiala – Vocais/Guitarras
Tarmo Kanerva – Bateria
Marco Sneck – Teclados
Antti Remes – Baixo
Janne Markus – Guitarras

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Faixas:

"Nothing Else Remains"
"Hollow Be My Name"
"Rush"
"Nail"
"Raivotar"
"Soul In Flames"
"Pain Becomes Me"
"Never Enough"
"Love Controlled Despair"
"The Living Dead"

Metal Maximum - 2006 (NACIONAL)

Site Oficial: http://www.poisonblack.com


Outras resenhas de Lust Stained Despair - Poisonblack

Resenha - Lust Stained Despair - Poisonblack

Resenha - Lust Stained Despair - Poisonblack

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Power Metal: os dez álbuns essenciais do gênero

Andreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.