Resenha - Liar Flags - Runic

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


No mínimo curioso! O Runic vem da Espanha e executa um Viking Metal que convence com sobras e não fica devendo em absolutamente nada aos conjuntos escandinavos do estilo. Formado em meados de 2001 e já estando a cinco anos afastados dos estúdios, a banda volta com seu segundo registro, "Liar Flags" e, o melhor, este trabalho está sendo disponibilizado no mercado nacional via Dynamo Records.
5000 acessosRammstein: "Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!", diz Till Lindemann5000 acessosEm cana: os rockstars em suas fotos mais constrangedoras

A mistura que estes espanhóis fazem dos subgêneros extremos do Heavy Metal, em especial o Death e Black, sua apurada combinação com boas melodias e ainda elementos de música folclórica dispersados pelas canções é coisa de dar gosto. Pode parecer pouco, mas não é. Estes músicos possuem bom senso na hora de estruturar tudo isto e como prêmio se tem um produto final bem diverso e raivoso.

O Runic se mostra atencioso aos detalhes, tanto que os teclados, sintetizadores e instrumentos de música popular são bem-vindos e indispensáveis, sendo utilizados de forma a inserir toda uma atmosfera que varia entre o épico, pagão ou melancólico às composições. Mas que não se preocupem os mais radicais, pois os teclados são utilizados de forma comedida, em geral fornecendo apenas os incrementos que apóiam e enriquecem toda a distorção das guitarras e da seção rítmica.

Mesmo não sendo um exemplo de perfeição, Juan dá conta do recado cantando de forma gritada e gutural, e a banda emplaca faixas como “Nau”, dona de riffs velozes, solos de flautas e gaita de foles, além de cânticos guerreiros de arrepiar, fazendo desta a melhor combinação de música folclórica com metal do disco. Há outros momentos excelentes em “Last Days Of Aphragur”, cuja primeira parte ("Ambush") apresenta muito peso, um refrão incrível e um ótimo trabalho nas guitarras, em especial seu melodioso solo. A parte dois ("Lost Empire") transita para o lado mais sinfônico, se caracterizando pelos ótimos teclados e trazendo ainda vozes femininas suaves (seriam as Valquírias?) se contrapondo com a rispidez vocal de Juan.

Se considerarmos a origem pouco convencional do Runic e a sonoridade que alcançaram em “Liar Flags”, com certeza este disco merece uma boa conferida. E se não estiver necessariamente ombro-à-ombro com feras como Thyrfing ou Moonsorrow, podem ter a certeza de que, mesmo assim, é um trabalho bastante digno para se constar na prateleira dos devotos do gênero.

Formação:
Juan - Voz
Iban - Guitarra
Jose - Guitarra
Mira - Baixo
Eneas - Teclados
Rivas - Bateria
Fran - Gaita

Runic - Liar Flags
(2006 - Massacre Records / Dynamo Records - nacional)

01. ...When The Demons Ride
02. Liar Flags
03. Last Days Of Aphragur, Part 1 - Ambush
04. Last Days Of Aphragur, Part 2 - Lost Empire
05. Predecessor
06. To The Fallen Ones
07. Vs Myself
08. Nau
09. And A New Journey Begins...

Homepage: www.runic.info

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Runic"

RammsteinRammstein
"Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!"

Em canaEm cana
Os rockstars em suas fotos mais constrangedoras

HumorHumor
Não basta um machado na mão para ser Black Metal

5000 acessosGuitarristas: os maiores do Hard & Heavy segundo a revista Burnn5000 acessosIron Maiden: curiosidades sobre o "The Number Of The Beast"5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 19824319 acessosIron Maiden: os álbuns da banda, do pior para o melhor4679 acessosMegadeth: "nosso sucesso é abençoado por Deus"5000 acessosMamonas Assassinas: Capa era homenagem aos seios de Mari Alexandre

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online