Matérias Mais Lidas

AC/DC: as ordens de Malcolm para quem ia subir ao palcoAC/DC
As ordens de Malcolm para quem ia subir ao palco

Iron Maiden: As 44 músicas nunca tocadas ao vivo, segundo a LoudwireIron Maiden
As 44 músicas nunca tocadas ao vivo, segundo a Loudwire

AC/DC: a reação de Angus Young quando ouviu Jimi Hendrix pela primeira vezAC/DC
A reação de Angus Young quando ouviu Jimi Hendrix pela primeira vez

Metallica: a fortuna que Robert Trujillo recebeu só para se juntar à bandaMetallica
A fortuna que Robert Trujillo recebeu só para se juntar à banda

David Ellefson: a diferença de trabalhar com Max Cavalera e Dave Mustaine, segundo eleDavid Ellefson
A diferença de trabalhar com Max Cavalera e Dave Mustaine, segundo ele

Guns N' Roses: quando a banda ajudou Ian Astbury, do The Cult, a fugir da políciaGuns N' Roses
Quando a banda ajudou Ian Astbury, do The Cult, a fugir da polícia

Bandas Iniciantes: 11 cagadas que vocês NAO podem cometerBandas Iniciantes
11 cagadas que vocês NAO podem cometer

Metaleiro também ama: músicas escritas por bandas de metal que falam de amorMetaleiro também ama
Músicas escritas por bandas de metal que falam de amor

Gene Simmons: como Paul Stanley teve a ideia do nome KissGene Simmons
Como Paul Stanley teve a ideia do nome Kiss

Deep Purple: a fase com David Coverdale e Glenn Hughes foi o auge da banda? (vídeo)Deep Purple
A fase com David Coverdale e Glenn Hughes foi o auge da banda? (vídeo)

Brian May: por que ele prefere tocar com moeda ao invés de palhetaBrian May
Por que ele prefere tocar com moeda ao invés de palheta

Nightwish: As 10 músicas que mudaram a vida de Floor JansenNightwish
As 10 músicas que mudaram a vida de Floor Jansen

Pink Floyd: os incríveis desenhos de uma inteligência artificial para músicas da bandaPink Floyd
Os incríveis desenhos de uma inteligência artificial para músicas da banda

Megadeth: Max Norman diz que Mustaine roubou seus créditos de produção em álbum famosoMegadeth
Max Norman diz que Mustaine roubou seus créditos de produção em álbum famoso

Dia dos Namorados: 15 músicas para você ouvir junto com mozão nesta data especialDia dos Namorados
15 músicas para você ouvir junto com "mozão" nesta data especial


Pentral
Arte Musical

Resenha - A Matter of Life and Death - Iron Maiden

Por André Toral
Em 29/11/06

Nota: 6

Falar sobre um novo lançamento do Iron Maiden é uma tarefa que pode ser complicada. Neste aspecto, é bom não ter compromisso com gravadoras. "A Matter of a Life and Death" é um álbum fraco, excessivamente repetitivo em relação aos dois trabalhos anteriores da donzela, trazendo a fórmula de um clima sombrio e atmosférico como foi em "The X Factor", inclusive desnecessariamente progressivo. Definitivamente não é o Iron Maiden.

Tenho percebido uma diferença de opinião entre os fãs que tomaram conhecimento da banda através de seus trabalhos mais clássicos e aqueles que a conheceram dos anos 90 em diante. E realmente acredito que isso vem infestando os sites e revistas com boas resenhas, embora não se possa generalizar a situação. Acredito que, em sua grande maioria, as pessoas que conheceram o Iron Maiden pelos clássicos dos anos 80 não se conformam com álbuns tão iguais entre si, introduções tão repetitivas, composições tão parecidas umas às outras. Então me pergunto: porque uma banda com músicos tão competentes não consegue mais fazer um álbum razoável?

Neste aspecto, acho interessante voltar um pouco ao passado recente da banda. Após o lançamento de "The X Factor" a banda entrou na sua fase menos produtiva porque não tinha Bruce Dickinson que, por sua vez, vinha apresentando trabalhos magníficos em sua carreira solo. Ele voltou, mas a fase menos produtiva continua.

Se formos perceber, "Fear of the Dark" foi o trabalho que lançou as tais introduções com dedilhados no começo das músicas, e depois disso este direcionamento tomou proporções gigantescas. Neste sentido, "Brave New World" e "Dance of Death" se mostraram um pouco menos exagerados, mas em "A Matter of a Life and Death" a repetição da fórmula chega a impressionar.

Sinceramente acho que, se há um responsável nisso tudo, é Steve Harris. E pensar que chegaram a responsabilizar Blaze Bayley. É realmente duro acreditar que todos os integrantes estejam 100% satisfeitos com os rumos musicais da donzela. Será que ninguém por lá quer fazer músicas mais curtas, mais diretas?

Dando uma geral no CD, musicalmente falando:

"Different World": como uma música tipicamente de abertura, traz os elementos maidenianos, mas sem a mesma empolgação de "Be Quick or Be Dead", "Futureal" ou "The Wicker Man". Além disso, antes do refrão principal, apresenta uma passagem sem brilhantismo e sem graça. Falta empolgação. Comparando-se com "Wildest Dreams" do álbum "Dance of Death", o páreo é duro; difícil dizer qual a pior.

"These Colours Don't Run": não é preciso comentar sobre os dedilhados introdutórios a esta altura. É uma música que retrata bem o clima de "Brave New World", principalmente em seu refrão. O que fica evidente é que a música poderia seguir o mesmo direcionamento mais direto antes do início das partes progressivas; talvez assim seria mais interessante. Outra coisa que também deveria ter sido evitada foram os coros de Bruce no meio da música, especialmente no contexto do álbum em si. Não há o mesmo clima, por exemplo, de "Heaven Can Wait".

"Brighter Than a Thousand Suns": após uma breve introdução com os típicos dedilhados surge uma música muito pesada com um riff inspirado. Destaque especial para o encaixe dos teclados. A música apresenta alguns elementos da carreira solo de Bruce, talvez porque ele divida a composição com Adrian Smith, além de Steve Harris. O que talvez tenha tirado um pouquinho do seu brilho seja a parte mais acelerada, que, diferente do restante, é aquilo que já virou rotina. Outra característica que reafirma a nova fase do "Iron Maiden" é a repetição exagerada dos refrões, o que também acontece aqui. Mas no geral é uma boa música.

"The Pilgrim": "(...)Liberty hope and divine...". Esta parte da música também remete o ouvinte aos tempos do "Brave New Wolrd", pois pela segunda vez as típicas batidas compassadas de bateria aparecem no álbum. É um momento mais direto. Não acrescenta algo fantástico, muito embora não se possa dizer que se trata de uma música ruim.

"The Longest Day": sua introdução lembra muito o estilo de "Dream of Mirros" de "Brave New World". Com um rítmo mais cadenciado, ganha um pouco mais de velocidade no seu refrão. Também apresenta uma progressividade cuja melodia me fez lembrar, mais uma vez, "The X Factor". Outra vez o refrão se repete muitas vezes. Enfim, não empolga.

"Out of the Shadows": uma espécie de balada furiosa com momentos mais pesados e um bonito refrão. Destaco, também, os solos de guitarra ao longo da música. E mais adiante, logo depois dos solos principais, é que vem o problema: insistiram em repetir o refrão exaustivamente. Seu resultado poderia ter sido melhor, mas não foi.

"The Reincarnation of Benjamin Breeg": aqui os dedilhados introdutórios dão realmente um tempero especial para uma música mais simples, pesada, arrastada e com um clima denso. Refrão maravilhoso e instrumental inspiradíssimo. O que mais empolga é a inovação da banda, e poucas vezes escutei o Iron Maiden apostando em alguma novidade deste tipo nos últimos anos. Destaque especial para a interpretação magistral de Bruce Dickinson. Espetacular. A melhor de todas.

"For the Greater Good of God": esta já é a oitava música e a banda ainda investe nestas introduções manjadas. É demais! Quando a música começou de verdade imaginei estar escutando "Ghots of Navigator" ou a própria "Brave New World". Mas além disso tem alguns momentos que remetem aos tempos do "The X Factor". Digamos que não é uma música tão ruim, mas também acho que não se trata de nenhum projeto a clássico. Comecei a contar quantas vezes o refrão se repetia, mas perdi a conta!

"Lord of Light": outra introdução climática, mas que dá início a uma música muito legal. Riff bem construído e ótimas melodias vocais. É uma daquelas canções com a cara do Iron Maiden neste últimos anos. As influências progressivas de Steve Harris não comprometem seu desempenho.

"The Legacy": introdução sombria com ótimos arranjos de teclados. Esta música tem uma levada mais arrastada com um ótimo trabalho de Bruce Dickinson nas partes vocais. Outro ponto alto é a mudança de ritmo que se dá com um riff que me lembrou bastante a música "Black Sabbath", da banda que leva o mesmo nome. Com vários momentos progressivos, acertaram na dose certa, pois não há nada que soe repetitivo e nem cansativo. Boa música.

De maneira geral ficam as impressões de que as principais características atuais estão mais presentes que nunca: as introduções e dedilhados chatos, os refrões repetitivos, o mesmo direcionamento de seus discos anteriores. Não espere ouvir nada de novo, porque praticamente não há.

Embora os instrumentais estejam bons, falta algo especial, até porque "A Matter of a Life and Death" está muito aquem de ser um clássico - doces saudades dos áureos tempos de 1980 a 1988. Além disso, os músicos da banda sempre tiveram maior destaque quando o som era mais simples, mais direto, inclusive com resultados técnicos bem melhores do que atualmente.

No que diz respeito à produção, eis outro grande problema. Quando Martin Birch se aposentou, Steve Harris assumiu este trabalho, porém não emplacou. Então decidiram contratar Kevin Shirley, um renomado produtor. Afinal de contas, qual é a contribuição dele? A banda continua fazendo as mesmas coisas, com os mesmos vícios. Enfim, até hoje não deu para perceber no que ele realmente contribuiu. Aliás, parece mesmo que ele está produzindo o Iron Maiden para constar em seu curriculum. Que saudades de Martin Birch!

No geral, é triste saber que um álbum fraco destes tem recebido as melhores críticas. O Iron Maiden tornou-se uma máquina de fazer dinheiro com um marketing fenomenal e isso faz com que qualquer coisa lançada alcance sucesso absoluto. É certo que estes trabalhos atuais vendem muito mais que os álbuns de sua fase clássica, não porque sejam melhores -porque não são-, mas porque hoje a banda é uma mega empresa, o que nem sonhava em ser antes.

O que dói mais é saber que a banda vem tocando este álbum inteiro em seus shows. Imagino o quão tediosa será uma experiência destas!

Agora é rezar para que o 15º trabalho do Iron Maiden resgate suas verdadeiras características, bem diferente das viagens alucinantes e assombrosas de Steve Harris. E caso este 15° álbum da banda venha na mesma linha destes últimos, que o Iron Maiden pendure suas chuteiras. Não irá fazer falta alguma!

Gravadora: EMI
Ano: 2006


Outras resenhas de A Matter of Life and Death - Iron Maiden

Iron Maiden: uma releitura de "A Matter Of Life And Death"

Resenha - A Matter Of Life And Death - Iron Maiden

Resenha - A Matter Of Life And Death - Iron Maiden

Resenha - A Matter Of Life And Death - Iron Maiden

Iron Maiden: Review do novo álbum publicado na revista KerrangIron Maiden
Review do novo álbum publicado na revista Kerrang

Iron Maiden: Aposta em fórmula consagrada no AMOLADIron Maiden
Aposta em fórmula consagrada no AMOLAD

Resenha - A Matter of Life and Death - Iron Maiden

Resenha - A Matter of Life and Death - Iron Maiden

Resenha - A Matter of Life and Death - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Blind Guardian
Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Iron Maiden: As 44 músicas nunca tocadas ao vivo, segundo a LoudwireIron Maiden
As 44 músicas nunca tocadas ao vivo, segundo a Loudwire

Iron Maiden: Travis Scott usa tênis da banda com valor de US$ 100 milIron Maiden
Travis Scott usa tênis da banda com valor de US$ 100 mil

Música Macabra: Oito grandes músicas que foram inspiradas em filmes clássicos de terrorMúsica Macabra
Oito grandes músicas que foram inspiradas em filmes clássicos de terror

Nicko McBrain: com 69 anos ele tem condições para tocar no Iron Maiden? (vídeo)Nicko McBrain
Com 69 anos ele tem condições para tocar no Iron Maiden? (vídeo)

Iron Maiden: Blaze Bayley conta como foi convidado para entrar na bandaIron Maiden
Blaze Bayley conta como foi convidado para entrar na banda

Igor 3K: como o apresentador do Flow Podcast começou a ouvir heavy metalIgor 3K
Como o apresentador do Flow Podcast começou a ouvir heavy metal

AC/DC: e se Bruce Dickinson fosse o vocalista de Highway To Hell?AC/DC
E se Bruce Dickinson fosse o vocalista de "Highway To Hell"?

Repeat: músicos que tiveram mais de uma passagem pela mesma bandaRepeat
Músicos que tiveram mais de uma passagem pela mesma banda

Heavy metal: dez músicas instrumentais que são faixas de abertura de discosHeavy metal
Dez músicas instrumentais que são faixas de abertura de discos

Corey Taylor: Rock And Roll Hall Of Fame é uma pilha de lixo, afirma vocalistaCorey Taylor
"Rock And Roll Hall Of Fame é uma pilha de lixo", afirma vocalista

Bruce Dickinson: dez músicas perfeitas para conhecer a carreira solo do vocalistaBruce Dickinson
Dez músicas perfeitas para conhecer a carreira solo do vocalista

Iron Maiden: o dia que Blaze Bayley deu um enquadro no chefe Steve HarrisIron Maiden
O dia que Blaze Bayley deu um enquadro no chefe Steve Harris

Iron Maiden: a música mais subestimada de cada disco, segundo o UCRIron Maiden
A música mais subestimada de cada disco, segundo o UCR

Iron Maiden: Blaze ficou feliz da vida quando Steve Harris aprovou Man On The EdgeIron Maiden
Blaze ficou feliz da vida quando Steve Harris aprovou "Man On The Edge"

Bruce Dickinson: fã de celular velho, ele conta como foi obrigado a usar smartphoneBruce Dickinson
Fã de celular velho, ele conta como foi obrigado a usar smartphone


Iron Maiden: e se a Donzela fosse trilha de Bollywood?Iron Maiden
E se a Donzela fosse trilha de Bollywood?

Avenged Sevenfold: Helloween é como uma versão mais pop do MaidenAvenged Sevenfold
Helloween é como uma versão mais pop do Maiden

Vocalistas: Os 10 melhores da história do rockVocalistas
Os 10 melhores da história do rock


Slipknot: Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy MetalSlipknot
Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy Metal

Anthrax: Scott Ian apresenta a solução para o Phil AnselmoAnthrax
Scott Ian apresenta a solução para o Phil Anselmo


Sobre André Toral

Formado em Administração de Empresas. Curte Hard clássico dos anos 70 e início dos 80; Heavy Metal é sua religião.

Mais matérias de André Toral.