Resenha - Come Clarity - In Flames

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9

O In Flames foi extremamente criticado quanto à sonoridade de seus dois últimos álbuns, "Reroute To Remain" e "Soundtrack To Your Escape". O velho discurso de "elementos new metal" prejudicou a avaliação dos dois discos. Sim, porque a crítica se prendeu a estes novos elementos e deixou de lado a evolução natural do som do grupo, já que os dois álbuns, mesmo que estejam distantes dos excelentes "Colony" e "Clayman", ainda assim são bons trabalhos.

Metalcore: os dez trabalhos essenciais do estiloDavid Coverdale: Em 1974, o Deep Purple Expulsou o ACDC do palco

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Parece que toda esta avalanche chegou aos ouvidos do grupo. "Come Clarity", novo trabalho dos suecos, retoma a sonoridade dos primeiros álbuns sem deixar de lado os novos elementos acrescidos recentemente. O resultado é metal original e com qualidade acima da média.

Isso pode ser comprovado logo de cara, com a rápida "Take This Life", que tem até algumas passagens thrash. O bombardeio continua com "Leeches", dona de um refrão que não sai da cabeça, e com "Reflect The Storm", com riffs que nos levam de volta ao início da carreira do conjunto.

Um destaque deve ser feito à faixa "Dead End", onde o grupo mostra mais uma vez que não tem medo de ousar e coloca o vocalista Anders Fridén dividindo os vocais com a cantora pop sueca Lisa Miskovsky. O resultado é ótimo, com a voz extremamente agressiva de Anders entrando em choque com o vocal doce de Lisa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outro momento excelente é a faixa título. Lenta, quase uma balada, tem uma bela melodia, mostrando que o grupo não perdeu a principal característica que o tornou conhecido em todo o mundo. O vocal de Anders soa parecidíssimo com o de Jonathan Davis, do Korn, como já havia ocorrido em diversas faixas de "Soundtrack To You Escape". Mas, antes que os mais radicais levantem a voz, deixa eu falar primeiro: "Come Clarity" é uma grande música, com um refrão muito forte e um andamento angustiante. Aliás, o potencial comercial desta faixa é enorme, e deve agradar em cheio os fãs mais antigos do grupo e também os apreciadores de bandas como Korn e System Of A Down.

Outra característica marcante de "Come Clarity" é a quantidade de canções com refrões matadores. "Vacuum" é mais uma delas, assim como "Vanishing Light". Já os saudosistas vão se deliciar com "Pacing Death's Trail" e "Crawling Through Knives", que resgatam o death metal melódico marcante do grupo.

"Come Clarity" deve trazer de volta uma grande quantidade de fãs que haviam abandonado o In Flames por não curtirem a sonoridade que o grupo apresentou em "Reroute To Remain" e "Soundtrack To Your Escape", e, ao mesmo tempo, deve manter os fãs conquistados com estes dois discos. A união da antiga sonoridade com os novos elementos acrescentados ao som alcança o equilíbrio em "Come Clarity", e mostra que um dos grupos mais originais e influentes dos últimos anos ainda tem muito o que acrescentar ao heavy metal.

Faixas:
1. Take This Life
2. Leeches
3. Reflect The Storm
4. Dead End
5. Scream
6. Come Clarity
7. Vacuum
8. Pacing Death's Trail
9. Crawl Through Knives
10. Versus Terminus
11. Our Infinite Struggle
12. Vanishing Light


Outras resenhas de Come Clarity - In Flames

In Flames: uma volta triunfal com "Come Clarity"Resenha - Come Clarity - In FlamesResenha - Come Clarity - In Flames



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "In Flames"


Pabllo Vittar: Com camiseta do In Flames no programa de Tatá WerneckPabllo Vittar
Com camiseta do In Flames no programa de Tatá Werneck

In Flames: É fácil julgar um trabalho só pela capaIn Flames
"É fácil julgar um trabalho só pela capa"


Metalcore: os dez trabalhos essenciais do estiloMetalcore
Os dez trabalhos essenciais do estilo

David Coverdale: Em 1974, o Deep Purple Expulsou o ACDC do palcoDavid Coverdale
Em 1974, o Deep Purple Expulsou o ACDC do palco


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline