Resenha - Dirty Diamonds - Alice Cooper

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Otávio Augusto Juliano
Enviar Correções  

9


Dizia uma música popular brasileira de antigamente que "panela velha é que faz comida boa". Quem é da minha geração, mesmo não gostando, certamente escutou isso quando criança, seja na televisão, seja na velha vitrola do pai. Depois de ouvir este álbum do Alice Cooper, fico com uma certeza enorme de que esta frase tem lá a sua razão de ser.

E isto se confirma logo de cara, na primeira música do disco, "Woman Of Mass Distraction". Ela mostra que o mestre Alice Cooper não está lançando álbum novo para brincar e experimentar novas tendências musicais, mas sim para apresentar um material de primeira linha, celebrando uma volta ao estilo clássico que lhe trouxe o sucesso iniciado no passado.

publicidade

Um Hard Rock no melhor estilo anos 70 pode ser percebido na maior parte do álbum, vindo a agradar em cheio os fãs do incansável Cooper. Se alguém apostou que o Alice não apresentaria mais nada que soasse como seus clássicos antigos, errou feio. Ele busca com este álbum uma volta às suas raízes, depois ter "flertado" com uma sonoridade mais pesada nos discos lançados no início desta década - Brutal Planet e Dragontown.

publicidade

Inúmeros são os destaques deste cd avaliado. "Perfect", "You Make Me Wanna" e "Sunset Babies (All Got Rabies)" trazem à tona um Hardão Setentista, com um instrumental bem trabalhado. A faixa título também é muito interessante, iniciando-se com um som que transmite um certo clima de filme de suspense. E tem ainda "Steal That Car", outra ótima música do cd, marcada por um Rock direto e sem frescuras.

publicidade

"The Saga Of Jesse Jane", "Pretty Ballerina" e "Six Hours" são as mais calmas do disco, com um ritmo bastante cadenciado e letras que se encaixam muito bem com a sonoridade apresentada, estando as três estrategicamente distribuídas no álbum, mescladas com outras mais rápidas.

As únicas músicas que destoam do restante do álbum são "Run Down The Devil" e a faixa bônus "Stand". A primeira porque se aproxima de um Hard Rock industrial que caberia até mesmo em um disco do Marilyn Manson; e a segunda porque traz inserções de Rap, mostrando-se totalmente dispensável, perto da qualidade das demais.

publicidade

Enfim, Alice Cooper pode ficar tranqüilo, pois se a vontade dele era mostrar algo semelhante à sonoridade que marcou sua carreira de mais de 30 anos, Dirty Diamonds foi um tiro certeiro: trouxe um Hard Rock clássico sem abusar na dose de modernidade (erro que muitas bandas das antigas cometem e por isso acabam trocando os pés pelas mãos, com lançamentos "caça-níqueis" de má qualidade).

publicidade

Pelo belo trabalho que fizeram no disco, importante indicar, por fim, o nome dos músicos que acompanham Cooper: Ryan Roxie (guitarra), Damon Johnson (guitarra), Chuck Garric (baixo) e Tommy Cufetos (bateria).

Conclusão: compre o disco sem medo de errar.

Nacional – Spitfire Records/ST2


Outras resenhas de Dirty Diamonds - Alice Cooper

Alice Cooper: Inspirado em filmes e temas de James Bond

Resenha - Dirty Diamonds - Alice Cooper




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Alice Cooper: novo álbum de estúdio será lançado em fevereiro; confira capa e tracklistAlice Cooper
Novo álbum de estúdio será lançado em fevereiro; confira capa e tracklist

Ryan Roxie: guitarrista do Alice Cooper em vídeos reagindo a músicas brasileiras

Alice Cooper: novo álbum sai em fevereiro, veja capa e tracklistAlice Cooper
Novo álbum sai em fevereiro, veja capa e tracklist

Hollywood Vampires: Matt Sorum saiu da banda porque não aparecia nem nas fotosHollywood Vampires
Matt Sorum saiu da banda porque não aparecia nem nas fotos

That 70s Show: série com várias referências ao rock dos anos 70 deixa a NetflixThat 70s Show
Série com várias referências ao rock dos anos 70 deixa a Netflix

Nita Strauss: guitarrista de Alice Cooper celebra 5 anos de sobriedade com textoNita Strauss
Guitarrista de Alice Cooper celebra 5 anos de sobriedade com texto

Loudwire: 10 rock stars que abandonaram os vícios e continuam sóbrios até hoje (vídeo)Loudwire
10 rock stars que abandonaram os vícios e continuam sóbrios até hoje (vídeo)


Top 10: bandas importantes com menos de 10 discos lançadosTop 10
Bandas importantes com menos de 10 discos lançados

Hair metal: os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling StoneHair metal
Os 50 melhores álbuns de todos os tempos, segundo a Rolling Stone


Osama Bin Laden: O que havia na sua coleção de cassetes?Osama Bin Laden
O que havia na sua coleção de cassetes?

Guns N' Roses: álcool, drogas e intrigas nos primórdios da bandaGuns N' Roses
álcool, drogas e intrigas nos primórdios da banda


Sobre Otávio Augusto Juliano

Otávio é paulistano, tem 29 anos e faz algo nada a ver com o Rock: é advogado. Por gostar muito de música e não possuir talento algum para tocar instrumentos musicais, tornou-se um comprador compulsivo de cds. Sempre interessado em leitura ligada ao Rock e Metal, começou a enviar algumas pequenas colaborações para a Whiplash e hoje contribui principalmente com textos relacionados ao Hard Rock, estilo musical de sua preferência. De qualquer forma, é eclético e não dispensa álbuns de todas as demais vertentes do Metal, sendo fã incondicional de W.A.S.P., Mötley Crüe e dos trabalhos do guitarrista Steve Stevens.

Mais matérias de Otávio Augusto Juliano no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin