Resenha - Kingdom of Madness (Expanded Edition) - Magnum

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rodrigo Werneck
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A banda Magnum nunca estourou de fato no Brasil, mas em sua terra natal (Inglaterra) são considerados quase uma instituição nacional, a exemplo do Queen. Agora que retornaram à atividade após um hiato de 8 anos, a Sanctuary vem relançando seus CDs de forma remasterizada e com vasto material extra.
5000 acessosThe Doors: A mais famosa foto do fantasma de Jim Morrison5000 acessosO Clube dos 27: 17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídica

Conterrâneos e contemporâneos de grupos ingleses como o Iron Maiden e outros expoentes do rock pesado da época, o Magnum estava porém numa linha musical diferente, mais melódica e comercial, mas sem abrir mão da qualidade. Oriundos da cidade industrial de Birmingham, de onde haviam surgido anos antes o Black Sabbath e o Judas Priest, apresentavam entretanto características bastante diversas do heavy metal desses.

Formada em 1975 em torno dos talentos do vocalista Bob Catley e do guitarrista e compositor Tony Clarkin, a banda assinou com a Jet Records mas somente teve este primeiro disco, “Kingdom of Madness”, lançado em 1978, já competindo de forma injusta com o movimento punk, então emergente. Na formação estavam ainda o tecladista/flautista Richard Bailey (que veio ao Brasil com o Whitesnake no primeiro festival Rock In Rio, em 1985), o baterista Kex Gorin e o baixista Colin “Wally” Lowe.

Nessa estréia, o que se pode ouvir é uma banda já madura, com composições fortes e inspiradas, onde não há fillers: todas as músicas se destacam, e muitas se tornaram hits pedidos em shows e nas rádios. Algumas apresentam nítidas influências do Queen nos caprichados arranjos vocais, como a faixa-título e “Invasion”. Outras apresentam alguns resquícios do rock progressivo tão popular na Europa nos anos anteriores, como “In The Beginning” (e seus 8 minutos de duração) e “All Come Together”. Mas há espaço também para os chamados “rocks de arena” como em “Baby Rock Me”, e baladas, como em “Universe”. O vozeirão de Catley, muito característico e de bom gosto, realmente é uma marca registrada do grupo, assim como os arranjos extremamente melódicos e ao mesmo tempo pesados da guitarra de Clarkin e da tecladeira de Bailey. Referências aos grupos norte-americanos progressivos da época também podem ser citadas, em especial Kansas e Styx.

Esse relançamento é especial por uma série de motivos. Além do som remasterizado, o encarte é caprichado e inclui uma entrevista com Tony Clarkin, com uma visão perspectiva sobre o disco após trinta anos (ele foi gravado em 1976!). Um segundo CD recheado de faixas bônus de importância histórica foi incluído, trazendo muito material indispensável aos fãs: 4 músicas gravadas antes do disco inicial (em 1974), e que não foram incluídas nele; 2 músicas lançadas num single de 1975, também antes do álbum de estréia; 4 outtakes do disco inicial, que não haviam sido lançadas anteriormente (a não ser na coletânea de raridades “Archives”, de 1993); e finalmente uma versão alternativa de “Kingdom of Madness”, regravada em 1979.

Concluindo, pode-se dizer que é um lançamento impecável, muito bem compilado em todos os aspectos, e com todos os cuidados indispensáveis aos fãs do grupo. Tanto a capa original do LP quanto a do relançamento de 1988 (com arte do mestre Rodney Matthews), estão presentes no encarte, o que mostra o nível de cuidado e detalhamento com o que o presente CD foi feito, obra da dedicada e meticulosa dupla Steve Hammonds e Jon Richards, que coordena o relançamento dos discos de rock clássico do catálogo da Sanctuary Records.

Tracklist:

CD 1 (original album)

1. In The Beginning
2. Baby Rock Me
3. Universe
4. Kingdom of Madness
5. All That Is Real
6. The Bringer
7. Invasion
8. Lords of Chaos
9. All Come Together

CD 2 (bonus tracks)

1. Sea Bird
2. Stormbringer
3. Slipping Away
4. Captain America
5. Sweets For Mr. Sweet (single A-side)
6. Movin’ On (single B-side)
7. Master of Disguise
8. Without Your Love
9. Find The Time
10. Everybody Needs
11. Kingdom of Madness (alternative version)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Magnum"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Magnum"

The DoorsThe Doors
A mais famosa foto do fantasma de Jim Morrison

O Clube dos 27O Clube dos 27
17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídica

Raul SeixasRaul Seixas
O alerta sobre as drogas em carta psicografada?

5000 acessosMetal norueguês: as dez melhores bandas segundo o About.com5000 acessosMúsicas Ruins: blog elege as piores de grandes bandas do Rock/Metal5000 acessosAfinal de contas, o que é um riff?5000 acessosBeavis e Butthead: como eles seriam se fossem reais?5000 acessosAmon Amarth: "é impossível viver de música hoje em dia"5000 acessosLobão: pedindo humilde perdão de Gil, Caetano e Chico Buarque

Sobre Rodrigo Werneck

Carioca nascido em 1969, engenheiro por formação e empresário do ramo musical por opção, sendo sócio da D’Alegria Custom Made (www.dalegria.com). Foi co-editor da extinta revista Musical Box e atualmente é co-editor do site Just About Music (JAM), além de colaborar eventualmente com as revistas Rock Brigade e Poeira Zine (Brasil), Times! (Alemanha) e InRock (Rússia), além dos sites Whiplash! e Rock Progressivo Brasil (RPB). Webmaster dos sites oficiais do Uriah Heep e Ken Hensley, o que lhe garante um bocado de trabalho sem remuneração, mais a possibilidade de receber alguns CDs por mês e a certeza de receber toneladas de e-mails por dia.

Mais matérias de Rodrigo Werneck no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online