Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemOzzy Osbourne revela o único integrante de sua banda que saiu "do jeito certo"

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemDavid Gilmour surpreende ao responder se o Pink Floyd pode voltar a fazer shows

imagemMax Cavalera e o conselho dado por Ozzy Osbourne: "ambos nos sentimos traídos"

imagemGene Simmons faz passagem de som antes de show do Kiss com roupa inusitada

imagemPaul McCartney lista os cinco músicos que formariam sua banda dos sonhos

imagemQuem Glenn Hughes considera digno de substituí-lo como "a voz do rock"

imagemJames Hetfield se emociona profundamente no show de BH e é amparado pelos amigos e fãs

imagemBill Hudson comenta sobre falta de público de Angra e outras bandas nos EUA

imagemBrian May revela o inesperado álbum do Queen que é o seu favorito

imagemDez grandes músicas do Iron Maiden escritas pelo vocalista Bruce Dickinson

imagemA faixa do clássico "Exile on Main St." que os Stones só tocaram uma vez ao vivo

imagemComo Bono Vox e o U2 influenciaram um dos discos mais importantes do Sepultura


Stamp

Resenha - In The Beginning... - Triumph

Por Rodrigo Werneck
Em 22/01/06

Nota: 8

O trio Triumph é certamente a segunda banda de rock mais famosa do Canadá, ficando atrás apenas do Rush. A Sanctuary Records vem remasterizando e relançando toda a discografia da banda desde o meio de 2005. Neste CD de estréia, gravado em 1976, o grupo já mostrava sua cara, mesclando peso e bastante foco nas melodias, com claras influências de Led Zeppelin e do Rush inicial, adicionando toques progressivos.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

A formação básica perduraria até 1988, e contava com Rik Emmett na guitarra e vocal, Mike Levine no baixo, e Gil Moore na bateria e vocal. Em algumas músicas, o tecladista Laurie Delgrande dava uma mãozinha. Os planos do Triumph desde o início incluíram um show cheio de efeitos de luzes e som, que compensassem o fato de serem apenas 3 músicos no palco, sendo que um deles estaria quase o tempo todo preso ao microfone. Ou seja, para agitar o público ao vivo, eles queriam juntar boa música a um bom espetáculo.

Neste primeiro disco, originalmente denominado "Triumph" (o nome mudou nos anos 80, quando o próprio grupo readquiriu o catálogo e reeditou os discos), fica clara a preocupação com arranjos de certa forma grandiosos, porém não exagerados. O som ainda não era exatamente o que ficaria mais característico na carreira da banda, pois nesse disco eles soavam mais pesados que nos discos que se seguiriam. O próprio vocal de Emmett era bastante "rasgado" e agressivo. O disco abre logo com três pedradas, que são as músicas "24 Hours A Day", "Be My Lover" (essa tipicamente um rockão à la Rush nos seus primeiros discos) e "Don’t Take My Life". "Street Fighter" se segue, mostrando as influências progressivas do grupo misturadas a um hard rock bem na linha do Led Zeppelin (Emmett é grande fã de bandas como Genesis e Focus, além do Deep Purple). E falando em Zeppelin, é interessante notar que a música "Let Me Get Next To You" é totalmente baseada (para não dizer cópia escancarada) em "Rock And Roll" (clássico da banda inglesa), não somente o riff principal, mas até partes bem características de guitarra "chupadas" de Jimmy Page e alguns malabarismos vocais à la Robert Plant.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A última música do disco, "Blinding Light Show", é um épico de quase 9 minutos de duração, considerada por muitos a melhor música que o Triumph fez. Polêmicas à parte, é certamente uma excelente faixa, cuja letra tinha tudo a ver com a proposta do grupo para os palcos.

Tracklist:
1. 24 Hours A Day
2. Be My Lover
3. Don’t Take My Life
4. Street Fighter
5. Street Fighter (Reprise)
6. What’s Another Day Of Rock’N’Roll
7. Easy Life
8. Let Me Get Next To You
9. Blinding Light Show / Moon Child

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Rodrigo Werneck

Carioca nascido em 1969, engenheiro por formação e empresário do ramo musical por opção, sendo sócio da D'Alegria Custom Made (www.dalegria.com). Foi co-editor da extinta revista Musical Box e atualmente é co-editor do site Just About Music (JAM), além de colaborar eventualmente com as revistas Rock Brigade e Poeira Zine (Brasil), Times! (Alemanha) e InRock (Rússia), além dos sites Whiplash! e Rock Progressivo Brasil (RPB). Webmaster dos sites oficiais do Uriah Heep e Ken Hensley, o que lhe garante um bocado de trabalho sem remuneração, mais a possibilidade de receber alguns CDs por mês e a certeza de receber toneladas de e-mails por dia.

Mais matérias de Rodrigo Werneck.