Resenha - One Way Ticket To Hell And Back - Darkness

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar correções  |  Ver Acessos


Foi um longo e conturbado ano para os caras do The Darkness. O lançamento do segundo disco seria a prova de fogo da banda, ou talvez eles já tivessem passado por ela. Com a saída do baixista Frankie Poullain e constantes brigas entre os irmãos Hawkins o clima estava cada vez mais pesado.

The Darkness: vocalista se desculpa com quem ficou ofendido com arte de novo álbumRockstars: filhos de roqueiros seguindo os passos dos pais

Tudo dava a crer que a banda estava prestes a acabar, ainda mais quando Justin resolveu lançar um projeto solo. Mas não, a banda se superou, os irmãos voltaram às boas e o técnico de guitarras do Dan, Richie Edwards, passava a ser o novo baixista do The Darkness. Foi assim, nesse clima pesado, envolvendo drogas, brigas e separação que a banda trabalhou no seu novo disco, "One way ticket to hell... and back".

Já na primeira faixa, "One way ticket", que é também o primeiro single do álbum, o tema é pesado: cocaína. Segundo o vocal, Justin Hawkins, que passou por um tratamento para se livrar do vício, essa é uma música anti-drogas. E quanto ao som? A música ainda tem forte influência do álbum anterior, o aclamado "Permission to land", com um ótimo riff e refrão fácil, além de manter o bom humor de sempre.

Mas a partir da faixa 2, "Knockers", as coisas começam a mudar. Talvez o melhor refrão do disco e com um solo misturando piano e guitarra, dão até uma certa sutileza à música, mesmo com os agudos de Justin.

"Is it just me?", na minha opinião, é a música que mais se aproxima do álbum anterior. Essa faixa apresenta um riff legal, um refrão pegajoso e um ótimo solo, além, é claro, do romantismo na letra. Uma música que dificilmente não fará sucesso.

"Dinner lady arms" também tem um grande refrão e uma letra romântica, com um bom solo, além de ser calma e gostosa de ouvir. Outra música que não sai da cabeça.

Saindo de um roamantismo inocente para a grande balada do disco, "Seemed like a good idea at the time". As vezes chega a ser piegas, mas não, acima de tudo é uma bela música. Com orquestra, piano, violão, essa faixa será provalvelmente um dos singles do disco e deve cair nas graças do público.

A próxima faixa, "Hazel eyes", música preferida de muitos fãs, mistura um belo arranjo no violão com uma forte influência escocesa , o que tem tudo a ver com a letra. Essa é uma das músicas preferidas também dos próprios caras da banda, e como Justin mesmo disse, nenhuma outra banda faria uma música como "Hazel eyes", só o Darkness.

"Bald" deixa o disco um pouco mais pesado. Esse som fala sobre o medo da perda de cabelos e da virilidade sentido por qualquer rockstar, principalmente por Justin. Som pesado, letra angustiada, bons solos, excelente riff e refrão rasgado, bem a cara da banda.

De calvice à traição; "Girlfriend" é a música mais pop do disco, e fala sobre traição e amor. Que solo de guitarra que nada, são os sintetizadores de Justin que dão o rítimo. Nada mais pegajoso do que o refrão dessa faixa, que é animada e uma das melhores do álbum.

A seguir outra música com a cara do Darkness, outra que, segundo Justin, nenhuma outra banda faria igual: estou falando de "English country garden". Com um excelente solo, um belo riff no piano, além do refrão ser um dos mais legais do disco, pode-se dizer que essa música é simplesmente maravilhosa. Outro grande detalhe da música é que a letra é muito divertida.

Chegamos a última faixa do disco, e também a mais linda delas, "Blind man". Talvez a maior influência de Queen no álbum todo mas, mais do que isso, seria quase impossível imaginar que o Darkness faria uma música como essa, ou que qualquer outra banda possa fazer. A letra e a melodia são melancólicas, e o refrão é simplesmente lindo.

E é assim, ao som da bela "Blind man", que termina o curto disco produzido pelo lendário Roy Thomas Baker, um disco que tira o status de banda de Hard rock do Darkness e dá a eles o de ser simplesmente uma banda de rock, a única capaz de fazer algo tão bom quanto o "One way ticket to hell... and back".

1.One way ticket
2.Knockers
3.Is it just me?
4.Dinner lady arms
5.Seemed like a good idea at the time
6.Hazel eyes
7.Bald
8.Girlfriend
9.English country garden
10.Blind man

Lançado e distribuído por Atlantic Records e WEA, 2005
Produzido por Roy Thomas Baker

Justin Hawkins: vocais, guitarra principal, cítara, piano e sintetizadores.
Dan Hawkins: guitarra, backing vocals, baixo e percussão.
Richie Edwards: baixo e backing vocals
Ed Graham: bateria

Participação da Orquestra de Los Angeles, EUA.


Outras resenhas de One Way Ticket To Hell And Back - Darkness

Resenha - One Way Ticket To Hell And Back - Darkness




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Darkness"


The Darkness: vocalista se desculpa com quem ficou ofendido com arte de novo álbumThe Darkness
Vocalista se desculpa com quem ficou ofendido com arte de novo álbum

Greta Van Fleet: há potencial, mas precisa de músicas melhores, diz Justin HawkinsThe Darkness: ouça "Easter Is Cancelled", primeiro álbum conceitual da bandaThe Darkness: com capa censurada, nova música "Easter Is Cancelled" é divulgadaThe Darkness: nova música "Heart Explodes" ganha videoclipe; assista

Esquisitices: algumas exigências bizarras para showsEsquisitices
Algumas exigências bizarras para shows

Intrigas: Bandas em família que terminaram malIntrigas
Bandas em família que terminaram mal

Ozzy Osbourne: líder do The Darkness critica seu comportamento no backstageOzzy Osbourne
Líder do The Darkness critica seu comportamento no backstage


Rockstars: filhos de roqueiros seguindo os passos dos paisRockstars
Filhos de roqueiros seguindo os passos dos pais

Megadeth: Mustaine fala sobre bandas satânicasMegadeth
Mustaine fala sobre bandas satânicas

Whiplash.Net: O site é um site lucrativo?Whiplash.Net
O site é um site lucrativo?

Separados no nascimento: Ronnie James Dio e Maria BethaniaSeparados no nascimento
Ronnie James Dio e Maria Bethania

Metal Sucks: Top 25 vocalistas do metal modernoMetal Sucks
Top 25 vocalistas do metal moderno

Paulo Coelho: inspirações e ligação do escritor com o Rock e Heavy MetalPaulo Coelho
Inspirações e ligação do escritor com o Rock e Heavy Metal

Ozzy Osbourne: as dez piores músicas do madmanOzzy Osbourne
As dez piores músicas do madman


adClio336|adClio336