Matérias Mais Lidas

imagemPrika: "Já esperava saída da Fernanda, mas só em longo prazo e não naquele momento"

imagemO hit da Legião Urbana cuja letra fala sobre esperança de Renato em se curar da AIDS

imagem"Babá de Artista" do Rock in Rio diz que Iron Maiden não dá trabalho e são "gentleman"

imagemFãs de Stranger Things do Tik Tok querem cancelar o Metallica

imagemA lenda do Rock que se arrepende de nunca ter dormido com Jimi Hendrix

imagemMetallica e as duas músicas do "Black Album" que retratam traumas de James Hetfield

imagemPodcast diz que prática comum no black metal hoje seria "coisa de esquerdomacho"

imagemNando Reis e a enigmática música que ele queria usar para seduzir Marisa Monte

imagemTom Morello explica por que o RATM se reúne, mas não lança novas músicas

imagemDinho lembra quando entrevistou Robert Plant sem poder falar sobre Led Zeppelin

imagemIngressos para o Wacken 2023 se esgotam em tempo recorde

imagemMax e Iggor convidam Jairo, detonam no Rio e alfinetam: "Verdadeiro Sepultura"

imagemO hit dos Engenheiros do Hawaii com citação de canção soviética sobre defender a pátria

imagemRobert Fripp e a frase que Jimi Hendrix lhe disse que aqueceu seu coração

imagemQuando Slash tentou entrar pro Kiss mas foi rejeitado por um motivo cruel


Dream Theater 2022

Resenha - Rogues En Vogue - Running Wild

Por Rafael Carnovale
Em 15/11/05

Nota: 9

O Running Wild já é uma verdadeira instituição do metal germânico. Liderado, fundado e mantido por Rolf Kasparek (conhecido como "Rock and Rolf") a banda mantém uma regularidade impressionante em seus lançamentos, embora musicalmente seu estilo venha sofrendo uma ligeira e gradativa mudança: do power metal executado em CDs como "Masquerade" e "The Rivalry", a banda veio lentamente incorporando elementos de hard rock ao seu som, o que pode ser conferido em CDs como "Victory" e "The Brotherhood". Esta transição se solidifica ainda mais neste "Rogues En Vogue", o que não quer dizer que seja um CD ruim, pelo contrário.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Os trabalhos são iniciados por "Draw The Line", aonde os belos solos e riffs se destacam, em meio a uma faixa bem cadenciada. Já "Angel Of Mercy" nos remete ao clássico "Under Jolly Roger", com sua levada pesada e rápida. "Skeleton Dance" é um dos destaques do CD, uma das faixas aonde o hard rock impera, complementado pela excelente vocalização de Rolf.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Lembra do termo pirate-metal que foi associado ao Running Wild? Este aparece na boa "Skull And Bones", digna de figurar em filmes de piratas. Já o lado hard é destacado em "Bor Bad, Dying Horse", "Soul Vampires" (guitarras em destaque), a ótima "Dead Man´s Road" (uma das mais comerciais e a melhor do CD – nem sempre ser comercial é ser ruim) e na excelente faixa título. Quem sente falta do Running Wild mais heavy metal pode se satisfazer com "Wingered And Feathered" e na épica "The War". Um grande trabalho, que confirma que a mão de ferro de Rolf Kasparek funciona como poucas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um grande CD, digno de figurar na discografia do Running Wild. Não é o melhor, mas é muito bom. Tomara que alguma alma caridosa resolva lançá-lo em versão nacional.

Formação:
Rolf Kasparek – Guitarras/Vocais
Mathias Libertruth – Bateria
Peter Pichl – Baixo

Material Cedido Por:
Comunication Management Marketing
Htttp://www.cmm.w-rott.com
Gun Records
Http://www.gunrecords.de
Hannover - Alemanha


Outras resenhas de Rogues En Vogue - Running Wild

Resenha - Rogues En Vogue - Running Wild

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Metal Alemão: as 10 melhores bandas segundo o About.com

Top 10: Os mais influentes álbuns de Metal Tradicional

Fotos de Infância: Gene Simmons, do Kiss

Marilyn Manson: ele removeu costelas para praticar autofelação?


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.