Resenha - Rogues En Vogue - Running Wild

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Rock´ n ´Rolf é um personagem já folclórico no cenário da música pesada. Líder absoluto do Running Wild, banda mundialmente respeitada pelo seu veloz e melodioso Power Metal, que colocou no mercado trabalhos que se tornaram clássicos neste estilo e muitos outros bem acima da média ao longo de seus mais de 20 anos de existência.
5000 acessosDimmu Borgir: Silenoz se considera um satanista?5000 acessosSeparados no nascimento: James Hetfield e Mano Menezes

“Rogues En Vogue”, seu décimo terceiro registro de estúdio, vem reforçar uma tendência que se tem observado em seus últimos trabalhos: o Running Wild está cada vez mais assimilando o hard rock do início da década de oitenta à sua música, tornando-a mais cadenciada e menos veloz, porém com aquelas melodias que somente os alemães têm a sensibilidade de compor. E antes que possam se perguntar se a sonoridade mudou tanto assim, a resposta é não, pois o som distinto que Rolf foi moldando nestes anos todos ainda está lá, mesmo que não tão evidente como antes.

A gravação deste álbum traz o óbvio Rock’ n’ Rolf (voz, guitarras e baixo), Peter Pichl (baixo em algumas faixas) e Matthias Liebetruth (bateria). Uma das sempre boas características em todos os discos do Running Wild é a presença resistente de riffs e melodias que trazem aquela atmosfera revolucionária já tão conhecida. As vozes são simples, porém a condução dos coros é ótima, produzindo refrãos realmente marcantes. Ainda na parte instrumental, talvez o único problema seja o trabalho de bateria, que quase não possui variação, tornando-se repetitivo entre as canções.

Mesmo assim há muitas faixas excelentes como a bastante hard “Draw The Line”; as incríveis melodias de guitarras em “Angel Of Mercy” e “Rogues En Vogue” somente mostram como o Heavy Metal é um estilo musical empolgante. A aula de Power Metal fica aos cuidados de “Skeleton Dance” e “Black Cold”, dignas de um Running Wild dos velhos tempos. E há várias outras que mereceriam citação! Estar em uma apresentação onde estas músicas estão sendo executadas é garantia de muita agitação por parte do público, pois são canções bem contagiantes.

Provavelmente muitos headbangers que acompanham a banda desde os anos 80 irão depreciar este trabalho, mas Rock´ n´ Rolf tem personalidade, adora o que faz e vem preferindo não se repetir e entrar na armadilha que muitas grandes bandas veteranas caíram, lançando trabalhos com a mesma linha musical para a satisfação dos fãs, mas que, com o passar dos anos, a fórmula se torna esgotante, resultando em discos medíocres e fadados ao fracasso.

RUNNING WILD – Rogues En Vogue
(2005 – Gun Records)

01. Draw The Line
02. Angel Of Mercy
03. Skeleton Dance
04. Skull & Bones
05. Born Bad, Dying Worse
06. Black Gold
07. Soul Vampires
08. Rogues En Vogue
09. Winged And Feathered
10. Dead Man’s Road
11. The War
12. Cannonball Tongue (faixa bônus)
13. Libertalia (faixa bônus)

Home Page: www.running-wild.de

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Rogues En Vogue - Running Wild

4439 acessosResenha - Rogues En Vogue - Running Wild

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Running Wild"

Top 10Top 10
Os mais influentes álbuns de Metal Tradicional

Metal AlemãoMetal Alemão
About.com elege as melhores bandas

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Running Wild"

Dimmu BorgirDimmu Borgir
Silenoz: "Não sei se me classificaria como satanista!"

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
James Hetfield e Mano Menezes

Batom, laquê...Batom, laquê...
Como formar uma banda de Hard Rock em 69 lições

5000 acessosVinil: quais são os dez discos mais valiosos do mundo?5000 acessosFelipe Andreoli: "Se você quiser se arriscar a ligar para o ex-cantor do Angra..."5000 acessosGuitarra: os melhores solos da história segundo a Guitar World4814 acessosAC/DC: 10 ótimas músicas da banda além dos clássicos "óbvios"5000 acessosMachine Head: "esperarei pelo próximo disco do Metallica"5000 acessosGuns N' Roses: Duff McKagan diz que é melhor tocar sóbrio

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online