Resenha - Mais Um Dia, Mais Uma Guerra - Reatores

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fábio Faria
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


É sempre bom notar que bandas oriundas do interior do estado - seja ele qual for - têm chances de se sobressair no cenário rockeiro quando investem no profissionalismo. Esse é o caso da banda REATORES, de São José dos Campos (SP), formada por Thunder (voz e guitarra), Glauber (baixo e voz), Adriano (guitarra) e Fabiane(bateria), e seu álbum de estréia, que os levou a abrir shows de bandas importantes como GBH e Garotos Podres.

Dio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalistaAtores e música: As bandas de Russell Crowe, Keanu Reeves e Bruce Willis

Lançado pela renomada gravadora Ataque Frontal em 2004, 'mais um dia, mais uma guerra...' mostra que o punk rock do quarteto é competente, honesto, direto e contagiante. A produção ficou a cargo da própria banda e de Marcelo Dangelo, e as gravações, mixagem e masterização foram realizadas no estúdio joseense Hocus Pocus.

É praticamente impossível não se animar logo na faixa de abertura 'Reatores Ativados' e sair chutando tudo que se vê pela frente; letra curta com um refrão que conclama a união do undergound contra as mazelas da sociedade. Em seguida, uma das melhores do CD: 'A Entrevista'; qualquer um que enfrentou uma entrevista para emprego vai se identificar com a letra.

O CD todo segue mantendo um nível positivo, no entanto vale destacar algumas canções: 'Satanás Adorou O Vaticano' ataca sarcasticamente a hipocrisia da Igreja Católica e tem no instrumental destaque para as linhas de baixo. As próximas são 'Guerrilheiros Das Fábricas' - aponta a ironia vivida pelo operário que muitas vezes não tem dinheiro para comprar o que produz - e 'O Colecionador de Insetos' - faz uma estranha alusão há um relacionamento mal resolvido. Ambas têm na melodia do refrão o destaque, da vontade de cantarolar mesmo que a letra não esteja bem decorada.

A porrada volta a rolar solta em 'Pássaros Nucleares', que conta a história de Sadako Sassaki e a bomba de Hiroshima. Já nas três faixas finais - 'Na Lua não tem Vento', Rock 'n' Hell e 'Ramones no bar do Ico' - a influência dos Ramones é explicitamente latente produzindo ótimos momentos. Outro destaque é o cover que vem "escondido" para 'D'yer Mak'er' do Led Zeppelin, que foi transformada numa canção rápida e perfeita para abrir rodas durante os shows.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Reatores"


Dio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalistaDio
As músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalista

Atores e música: As bandas de Russell Crowe, Keanu Reeves e Bruce WillisAtores e música
As bandas de Russell Crowe, Keanu Reeves e Bruce Willis

Heavy Metal: quais as 10 melhores vozes da história?Heavy Metal
Quais as 10 melhores vozes da história?

Separados no nascimento: Ozzy Osbourne e Jim CarreySeparados no nascimento
Ozzy Osbourne e Jim Carrey

Metal: as bandas e sub-gêneros mais odiados pelos metalheadsMetal
As bandas e sub-gêneros mais odiados pelos metalheads

Faith No More: Endeusar o Nirvana é ridículo, diz Billy GouldFaith No More
"Endeusar o Nirvana é ridículo", diz Billy Gould

Lemmy Kilmister: a música, as drogas, a família e a morteLemmy Kilmister
A música, as drogas, a família e a morte


Sobre Fábio Faria

"Maidenmaníaco" convicto, nascido em 1973, passou a escutar Rock com 10 anos de idade. Primeiro disco adquirido foi "Destroyer" do Kiss. Logo depois conheceu o álbum "Killers" do Iron Maiden, e a identificação foi instantânea. Curte todos os estilos e sub-estilos do Rock e do Metal. Sem preconceito, escuta desde Black Sabbath, Yes, Janis Joplin, Slayer, In Flames, Sex Pistols até Dream Theater, U2, Blind Guardian, Slipknot, Carcass, etc. Bandas favoritas: Iron Maiden e Beatles.

Mais matérias de Fábio Faria no Whiplash.Net.