Resenha - Vagrants - Time Curve Symmetry

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

Vagrants (Time Curve Symmetry)
Site Oficial - http://tcs.free.fr
David (Vocais) --- Pierra (Guitarras) --- Laurent (Guitarras) --- Thomas (Baixo) --- Xavier (Teclados)
Darko (Bateria)

A França sempre teve tradição com bandas de rock progressivo. No entanto, no metal progressivo não acontece o mesmo. O estilo, que vem crescendo cada vez mais e conquistando fãs em todo o mundo, não tem muitos representantes de força na França. Poucas bandas, como o Dreamchild, ganharam destaque na mídia e tiveram, merecido reconhecimento, em outros países.
Parece que a coisa vai mudar. O Time Curve Symmetry vem com toda a força para mudar essa imagem não muito positiva do metal progressivo francês.
"Vagrants", o debute da banda, contém sete faixas, sendo que três delas (uma instrumental) não possuem nem nome e servem 'apenas' como uma introdução para outras músicas.
Várias coisas merecem destaque neste CD, porém, acredito que o grande 'lance' da banda esteja na variação de estilos e influências variadas dos músicos. Eles não saem do progressivo, mas colocam, com competência, elementos de thrash/death/funk/fusion nas composições, que surpreendem e fazem com que eu admire ainda mais o trabalho destes franceses.
Os 'temas' são criativos, originais e muito bem trabalhados. As composições lembram de muitas das 'criações' do Dream Theater, mas não entram em clichês, como vem acontecendo com várias bandas, que já estão sobre o 'rótulo' de "clones de Dream Theater". Eles não estão entre estes "clones". De maneira alguma. Eles têm um som único.
Muito peso nas guitarras, muito 'swing' no baixo e para completar, excelentes idéias do baterista Darko. O cara faz um trabalho impecável. É, realmente, criativo e conta com uma técnica bem avançada.
David Scheurer não impressiona nos vocais, como os outros integrantes em seus respectivos instrumentos, mas consegue variar bem seu vocal, vezes mais melódicos e em outros momentos bem agressivo, chegando ao thrash/death.
Agradar a todos é complicado, praticamente impossível, mas é interessante como essa banda tem composições que podem empolgar fãs de Atheist/Sadus e ao mesmo tempo, encantar fanáticos por Dream Theater ou Symphony X.
Eles ainda não ganharam espaço na mídia como seus conterrâneos do Dreamchild, mas têm tudo para tal. Ótimos músicos, excelentes composições, criatividade a toda prova. Precisa mais?

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Dedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debateDedo x Palheta
Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debate

Guns N' Roses: os 10 melhores não-clássicos da bandaGuns N' Roses
Os 10 melhores não-clássicos da banda


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin