RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemLed Zeppelin e a bateria que ninguém acreditava que um ser humano conseguiria tocar

imagemJovens sem noção vandalizam o lugar da capa de estreia do Black Sabbath

imagemRegis Tadeu e os cinco grandes vocalistas que o mundo do Rock não dá valor

imagemArch Enemy e Behemoth tocarão no Brasil em novembro; confira datas e locais

imagemO hit da Legião Urbana que utiliza recurso sonoro consagrado pelos Beatles

imagemJô Soares comprou uma obra de arte do Rock por causa do Regis Tadeu

imagemLars Ulrich sobre "Fade to Black": Frequentemente sinto haver dois Metallicas

imagemA curiosa ligação vocal entre Ney Matogrosso e Andre Matos, segundo Bruno Sutter

imagemA música do Metallica que James não queria apresentar aos outros integrantes

imagemJoão Gordo explica porque Anitta está fazendo o que as bandas de Rock deviam fazer

imagemFãs detonam produção do Knotfest após anúncio do Pantera

imagemO curto e grosso motivo pelo qual Zappa vetava que seus músicos usassem coisas químicas

imagemAmy Lee surpreende ao escolher os melhores cantores (e cantoras) de todos os tempos

imagemO carinhoso jeito de Axl Rose se desculpar com sua equipe pelo seu jeito imprevisível

imagemDee Snider diz que faliu na década de 1990 e fingia ser outra pessoa


2022/08/18
Stamp

Resenha - Sirens - Astarte

Por Ben Ami Scopinho
Em 27/02/05

E aqui temos uma raridade na cena black metal: uma banda totalmente formada por mulheres. Vindo da Grécia, o Astarte começou como uma típica banda do gênero, com músicas velozes, sujeira, blasfêmias e corpse painter. Os anos foram se passando, trocas de membros e uma maior preocupação com as estruturas das músicas, que foram se tornando mais complexas. E como não podia deixar de ser, a valorização da beleza tipicamente feminina em detrimento das antigas maquiagens obscuras.

E com isso o Astarte somente veio a conseguir um maior número de apreciadores de sua música. "Sirens" é seu quarto registro, trazendo a líder e única remanescente original Tristessa (voz, baixo, guitarras elétrica e acústica) e as novatas Hybris (guitarra) e Katharsis (teclados). Contam ainda com o competente Ivar como baterista de estúdio, que dá bastante impulso ao som da banda.

O redirecionamento musical deste disco é bastante significativo, principalmente em relação aos teclados, que agora estão menos bombásticos, tendo os outros instrumentos em evidência e deixando a música bem mais pesada. Bastante variado e melodioso, as músicas oscilam entre a velocidade, cadência e climas mais melancólicos, sendo que a voz bastante ríspida de Tristessa se encaixou muito bem nestes caminhos adotados.

Neste bom disco destaca-se a Infected Circles (OutbreaK), faixa de abertura com ótimo instrumental, a melodiosa e diferente "Lloth", com suas belas linhas de teclado. "Deviate" abrirá rodas em suas apresentações com sua cadência em alternância com velocidade. As presenças de Sakis (do conterrâneo Rotting Christ) e "Shagrath (Dimmu Borgir) nas respectivas "Oceanus Procellarum (Liquid Tomb)" e na estupenda "The Ring (Of Sorrow)" tornam o álbum ainda mais respeitável.

Algo que merece ser citado é que, como um produto final, Sirens não soa o Black Metal de seus discos anteriores. É muito pesado e até mesmo extremo, mas falta algo que é fundamental a quem se propõe tocar black metal: o ódio e aquela frieza tão conhecida dos apreciadores do estilo. Mas de maneira alguma é um disco ruim, longe disso, pois possui momentos realmente inspirados e melodias muito fortes, sendo um álbum de grande valor se comparado com os trabalhos de outras que estão seguindo essa lado agressivo e melódico.

ASTARTE – Sirens
2004 – Avantgarde Music – importado)

01. Dark Infected Circles (OutbreaK)
02. Black Mighty Gods
03. Lloth
04. Bitterness of Mortality (MecomaN)
05. Deviate
06. Oceanus Procellarum (Liquid Tomb)
07. The Ring (Of SorroW)
08. Twist, Nail, Torture
09. Sirens
10. Underwater Persephone

homepage: www.astarte-site.cjb.net

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

2022/07/09

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Astarte: morre Maria "Tristessa" Kolokouri

Guns N' Roses: a versão de Axl Rose sobre a separação

Metal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.