Resenha - Loco Gringos Have a Party - vários

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos A. M. Cruz
Enviar correções  |  Ver Acessos


Difícil a compilação que não cumpre sua função com esmero, seja uma coletânea 'Best of' de um determinado artista, um álbum tributo ou até mesmo trilha sonora de novela. Mas poucas são aquelas que realmente ficam para a história, marcando as gerações presentes e se tornando referência para as futuras, tal qual uma "Nuggets" da vida.

Metal contra o câncer: festival aceita "cabelo" como ingressoKerrang!: os 100 melhores álbuns de Rock em lista da revista

Guardadas as devidas proporções, me parece que há uma boa possibilidade da "Loco Gringos Have A Party - The South American Stoner Rock", primeiro lançamento da gravadora Válvula Discos, em conjunto com a Dias de Garage da Argentina, vir a se tornar um marco na até agora incipiente cena Stoner da América Latina, pois além de ser a primeira a coletar bandas do gênero do continente, devido à diversidade apresentada conseguiu a proeza de mostrar um pouco de tudo que é feito no estilo - particularmente não me lembro de nada que possa ser chamado de Stoner por aqui no extremo sul que não esteja representado no disquinho.

É bem verdade que esta variedade pode ser vista como uma faca de dois gumes, pois se uma compilação "normal" de um único artista já costuma apresentar seus altos e baixos, aqui a coisa ficou ainda mais saliente, já que estamos lidando com 17 bandas de quatro países, cada uma trazendo suas influências e temáticas particulares, em alguns casos totalmente diferentes, sem contar que a própria produção faz com que entre determinadas faixas exista uma "quebra" de ritmo, ouvir o CD inteiro - principalmente a partir da metade - não se trata de algo exatamente "linear"...

Mas temos que levar em conta que definir o próprio estilo em si se trata de algo meio confuso, eu mesmo me senti assim quando fiz uma matéria que fala sobre o assunto e também um pouco sobre a produção deste CD. Porém, uma das características do Rock que o Stoner como sub-gênero adquiriu por tabela é justamente a capacidade de se mesclar com coisas diferentes, tanto que hoje em dia esta "mistureba" é comum lá fora.

Senão vejamos: na minha opinião, se fosse levar ao pé da letra, não diria que algumas das bandas presentes poderiam ser passadas adiante como Stoner, pelo menos não para quem está querendo saber o que é a coisa - caso dos argentinos do CRUZDIABLO, que em minha opinião estão mais próximos do metal oitentista e de três brazucas: o EVIL MOTOR, considerada de fato a primeira banda do gênero no país, e que a uma primeira audição me soou como uma espécie de (desculpem o palavrão) GUNS N'ROSES bem mais pesado e acelerado, mas depois constatei que o principal problema é o vocal, que lembra bastante "aquele" sujeito; o ÄSTERDON, que faz um Punk Rock acelerado com influências de MOTÖRHEAD, coisa que já está rolando lá fora com algumas bandas gringas, mas que confunde os não-iniciados, e principalmente o STATIK MAJIK, que sinceramente, pode ser muito bom no que faz, mas para mim está totalmente perdido no disco, já que o lance deles está mais para um Doom Metal a lá CANDLEMASS, e o vocal não têm absolutamente nada a ver com o gênero.

Outras três bandas não comprometeram, mas também não acrescentaram nada: os argentinos do VESANICO com um instrumental pesado que têm lá suas partes interessantes mas não chega a empolgar; os brasileiros do CARBURA, que embora tenham um instrumental bem legal, contam com um vocalista cujo timbre soa bem pop, e os argentinos do LOS NATAS, que fecham o álbum com a faixa mais comprida e arrastaaaadddaaa do CD, parece que não vai acabar nunca...

Em compensação, os produtores tiveram a manha de ordenar as músicas de forma que estas citadas acima (com exceção do CRUZDIABLO) só vão aparecer depois da metade do CD, e se formos colocar na ponta do lápis temos catorze minutos que não têm muito a ver, outros treze minutos que não comprometem, e mais de quarenta de verdadeiros petardos stoners, por conta do YAJAIRA, única banda chilena presente, além dos argentinos do SICKY PORKY, HUALFIN e principalmente do BUFFALO (um dos destaques do CD), dos peruanos do REINO ERMITANO e dos conterrâneos do FLAMING MOE, SONICVOLT, BILLYGOAT, WALVERDES e MECHANICS, dez grupos que embora com ligeiras diferenças entre si, não deixam a peteca cair em nenhum momento.

Diz no encarte: "Partindo do título, uma mistura de Espanhol, Português e Inglês, provamos que a música não têm fronteiras e juntamos bandas de países distantes e uma diversidade sonora que têm em comum a alma do Rock'n'Roll".

E eu faço um adendo: alma e coração antenados no Rock'N'Roll, este é o segredo!

(P.S.: Trechos das faixas estão disponíveis no link www.valvuladiscos.com, seção hotsites).

Faixas:
Hey! - FLAMING MOE
Descontrol - YAJAIRA
Routina - CRUZDIABLO
Farol Alto - SONICVOLT
Buitro - SICKY PORKY
Soulman - BILLYGOAT
Rio Arriba - BUFFALO
Seja Mais Certo - WALVERDES
Psycho Symmetry - MECHANICS
Metamorbosis - VERSANICO
Nightmare Life - EVILMOTOR
Letargo - REINO ERMITANO
Only The Brave Survive - STATIK MAJIK
Golpe de Verano - HUALFIN
True Sounds Of Revenge - ÄSTERDON
Mau Olhado - CARBURA
El Cono Del Encono - LOS NATAS
Total time: 68:20

Material gentilmente cedido pela Válvula Discos - www.valvuladiscos.com.


Outras resenhas de Loco Gringos Have a Party - vários

Resenha - Loco Gringos Have a Party - váriosResenha - Loco Gringos Have a Party - vários



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs

Metal contra o câncer: festival aceita cabelo como ingressoMetal contra o câncer
Festival aceita "cabelo" como ingresso

Kerrang!: os 100 melhores álbuns de Rock em lista da revistaKerrang!
Os 100 melhores álbuns de Rock em lista da revista


Sobre Marcos A. M. Cruz

Editor do Whiplash.Net.

Mais matérias de Marcos A. M. Cruz no Whiplash.Net.