Rita Lee: Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice Cooper

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por João Paulo Andrade
Enviar correções  |  Comentários  | 


Matéria do UOL sobre o lançamento de "Rita Lee - Uma Autobiografia" liberou alguns trechos deliciosos, outros tristes, da história da Rainha do Rock Brasileiro.
2723 acessosAlice Cooper: apontando um revólver para Elvis Presley5000 acessosGuns N' Roses: os 10 melhores não-clássicos da banda

Tietando (ou tentando tietar) os Beatles em Londres

"Chuva, frio, terremoto, asteroide, nada abalaria a militância beatlemaníaca amontoada atrás de cordões de isolamento a poucos metros da porta do predinho da Apple, um tanto mixuruca pela fama que tinha. De repente, a onda humana se desloca para o estacionamento, de boca em boca a notícia de um Beatles saindo pela porta dos fundos. Os policias seguem junto segurando o comboio e, nessas, a porta da frente da Apple fica desimpedida, mais que depressa voo até lá e, gulosa, lambo a maçaneta (...) Pois bem, estava eu quase chegando à estação do metrô quando passa por mim um Rolls-Royce branco e vislumbro a cabeça de John Lennon no banco traseiro. Congelo no ato. Nem para correr atrás ou gritar fui capaz. Só consegui me consolar a possibilidade de aquele cabeça ser apenas da Yoko Ono."

Expulsa dos Mutantes por não ter "calibre"

"(...) minha saída dos grupo aconteceu bem nos moldes de 'o noivo é o último a saber', no caso, a noiva. Depois de passar o dia fora, chego ao ensaio e me deparo com um clima tendo/denso. Era um tal de um desviar a cara pra lá, o outro olhar para o teto, firular instrumento e coisa e tal. Até que Arnaldo quebra o gelo, toma a palavra e me comunica, não nessas palavras, mas o sentido era o mesmo, que naquele velório o defunto era eu. 'A gente resolveu que a partir de agora você está fora dos Mutantes porque nós resolvemos seguir na linha progressiva-virtuose e você não tem calibre como instrumentista.' Uma escarrada na cara seria menos humilhante. Em vez de me atirar de joelhos chorando e pedindo perdão por ter nascido mulher, fiz a silencisosa elegante. Me retirei da sala em clima dramático, fiz a mala, peguei Danny (a cachorra) e adiós."

Na cama com o Yes

"Impressionante como em cada esquina de Londres a gente encontrava um brazuca órgão do tropicalismo. Na rua dou de cara com Toninho Peticov, sempre animado e sabendo tudo o que rolava na cidade. A pedida para o dia seguinte era Elton John no Crystal Palace abrindo para o Yes. Hãã? Seria aquele o prato frio da vingança por ter sido expulsa da banda? Enquanto 'os the brazilian Sim' copiavam o som deles no Brasil, eu os assistia ao vivo em Londres. Na metade da apresentação de Elton, tomei uma pedrinha que foi bater nos primeiros acordes do Yes. Com LSD impossível não existe, não me pergunte como fui parar no palco sentadinho no maior flerte. Também não me pergunte como fui parar no camarim deles e muito menos acordar descabelada, plissada, godê numa cama rodeada de um monte de outros achados e perdidos humanos. Rita, quem diria, você groupie do Yes!"

Furtando a cobra de Alice Cooper

"Tudo porque uma hora lá ele entra no palco cachoalhando violentamente uma cobra e depois de fazer seu número de fodão, atira a bichinha no chão e pisoteia. Um contrarregra entrava na moita e a recolhia (...). Passei a lábia no segurança do backstage e entrei (...) De cara fui com a cara do roadie, um inglês chamado Andy Mills. Digamos que fomos com a cara um do outro e cinco minutos depois fugimos de lá levando a gaiola com a jiboia e de quebra outra jiboinha bebê que seria treinada também para atuar nas micagens grotescas do canalha. A cobra que foi maltratada no palco chamava-se Mouchie, aquela mesma que está na caba do disco 'Killer'. A cobrinha bebê era Angel e adorava se enrolar de pulseira no braço dos humanos."

Aborto

"Já em casa, continuamos [Rita e Roberto de Carvalho] 'fazendo amor no-chão-no-mar-na-lua-na-melodia-por-telepatia' várias vezes ao dia e, claro, em pouquíssimo tempo embarriguei novamente. Gravidez extrauterina, disse o médico, a se pensar numa curetagem levando em conta a recente cesariana complicada ainda em fase de cicatrização. O que me fez decidir mesmo por interromper foi a hemorragia que aconteceu dias depois e pirei de vez. Mesmo já tendo abandonado a religião, entre no 'mea-culpa' catolicista e me autocondenei ao mármore do inferno. Até hoje me chicoteio pensando que talvez aquele baby poderia ter vingado, que foi um ato precipitado, que daquele momento em diante eu estaria condenada a lamentar a decisão para o resto da vida (...) Nenhuma mulher faz aborte sorrindo. Cabe a elas, e somente a elas, a decisão de interromper uma gravidez, assim como de segurar sozinhas as consequências moral, espiritual e oskimbau."

Grávida na cadeia, salva por Elis Regina

"Só pode ter sido manobra do meu Anjo da Guarda ter acontecido justamente no dia em que eu estava tendo um sangramento com cólicas insuportáveis (...) O perigo de aborto era real. Nada foi feito. Naquele exato momento, chega uma carcereira dizendo: 'Rita Lee, chegou um artista famosa aqui na portaria e tá junto com o filhinho rodando a baiana querendo te levar de qualquer jeito' (...) Céus quem seria essa santa porreta que me aparece exatamente na hora que eu mais preciso, Nossa Senhora das Roqueiras? Chego corcunda de dor na sala do delegado e quem vem me dar um abraço dos mais fofos que já recebi na vida? Elis, aquela que fazia cara feia para os roqueiros! Elis, a musa mor da MPB! (...) O delegadinho da vez, sem saber se pedia autógrafo ou enfiava a cara no apontador de lápis, fazia papel do falsinho atencioso, ora oferecendo cafezinho, ora perguntando sobre música. Elis ignorou o cara e disse em alto e bom som: 'Se um médico não chegar em cinco minutos, você é que vai precisar de um cafezinho, porque eu vou convocar uma coletiva e denunciar o que está acontecendo aqui com minha amiga Rita Lee.'"

Leia a matéria do UOL no link abaixo.

http://musica.uol.com.br/noticias/redacao/2016/11/18/de-suru...

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Alice CooperAlice Cooper
Apontando um revólver para Elvis Presley

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Alice Cooper"

Alice CooperAlice Cooper
"Quem leva uma galinha para um show?"

King DiamondKing Diamond
Revelando qual o seu cantor preferido

Mórbida semelhançaMórbida semelhança
Alice Cooper e Gretchen

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 18 de novembro de 2016
Post de 18 de dezembro de 2016
Post de 26 de janeiro de 2017

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Rita Lee"0 acessosTodas as matérias sobre "Yes"0 acessosTodas as matérias sobre "Alice Cooper"

Guns N RosesGuns N' Roses
Os 10 melhores não-clássicos da banda

Tommy LeeTommy Lee
Baterista zombou da habilidade de Ulrich no Twitter

Corey TaylorCorey Taylor
Seria melhor se a mídia nem falasse de Metal

5000 acessosO verdadeiro motivo para a saída de Rodolfo dos Raimundos5000 acessosGuns N' Roses: as participações em filmes e trilhas sonoras5000 acessosSobre Joelhos, Metallica e o 1º Princípio da Filosofia5000 acessosWeird Al Yankovic: veja dez paródias do rei da música cômica4825 acessosPhil Anselmo: vocalista conta história de suas tatuagens em vídeo5000 acessosRob Halford: o verdadeiro significado do Natal

Sobre João Paulo Andrade

Sempre quis viver de Rock e/ou Heavy Metal. Tentou tocar baixo mas era tremendamente incompetente no instrumento. Em 1996 criou o site Whiplash.Net e hoje vive do seu sonho. :-)

Mais matérias de João Paulo Andrade no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online