Resenha - Wuthering Heights - Far From The Madding Crowd

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos


Primeiramente, confesso que nunca havia ouvido falar desta banda e, numa primeira audição de Far From The Madding Crowd, já se fica impressionado com a capacidade de seu mentor Erik Ravn em incorporar tantos estilos musicais que nada tem a ver com o heavy metal de maneira que este não perca sua essência, resultando num trabalho que se possa escutar a qualquer momento.

Motley Crue: Atriz pornô comenta sua relação com Tommy LeeHetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica

Wuthering Heights é formado por Erik Ravn nas guitarras, baixo e teclados; Nils Patrik Johansson nas vozes; Henrik Flyman na guitarra, Morten G. S'Rensen na bateria e Rune S. Brink nos teclados, além de convidados tocando gaita de foles, banjo, violino e flauta. O vocalista Nils já nos é conhecido por colocar sua voz no Astral Doors, onde canta de maneira bem parecida com Ronnie James Dio; porém aqui neste Wuthering Heights sua voz se apresenta de maneira bem mais variada, fugindo da linha reta do Astral.

Produzido por Tommy Hansen (que também faz os backing vocals), "Far From The Madding Crowd" é o terceiro trabalho do Wuthering Heights. A capa chama a atenção pela sua beleza plástica e semelhança com a diagramação dos cartazes de cinema. Este álbum fecha uma trilogia cujos discos anteriores não saíram aqui no Brasil, cuja temática envolve o pensamento dos tempos idos, suas crenças e paixões (nada de dragões, cavaleiros, elfos ou fadinhas... graças!).

Musicalmente é um heavy metal que atinge vários espectros do estilo, desde o metal mais tradicional até o sinfônico, com incursões em músicas populares européias, música celta e gaélica; o trabalho com as vozes é muito bonito e merece destaque. As inúmeras mudanças de andamento no ritmo das canções ocorrem naturalmente, com pouquíssimas mudanças abruptas, tudo muito bem costurado e harmonioso, num verdadeiro exemplo de como trabalhar nas composições com bom gosto. E como foi citado acima, lá está todo o peso do heavy metal, vigoroso como tem que ser.

O disco começa com "Gather Ye Wild", onde as gaitas de foles já nos remetem à atmosfera dos filmes de Highlander e Coração Valente (sentimento esse que prossegue por todas as músicas), onde sentimos a força da música folclórica européia. Sendo o álbum homogêneo como é, fica difícil algum destaque; enfim, "The Road Goes Ever On", onde seus mais de sete minutos passam muito rápido em meio a tantas variações. Ainda temos "Longing For The Woods part I", com seu belo começo, sendo que ainda apresenta sons de flauta e banjo em meio às guitarras no decorrer da canção.

"The Bollard" é a única faixa que não foi composta por Erik Ravn, sendo uma balada à la Jethro Tull que se encaixou perfeitamente na proposta musical do conjunto. Em "Longing For The Woods part III, com seu início veloz e sinfônico, o peso de suas guitarras e a voz de Nils (nesta música até que se parece com Dio) também fazem a diferença.

Finalizando, é um lançamento inesperado neste ano de 2004, que surpreende pela ousadia e bom gosto e sem nenhum sacrifício nos princípios do Heavy Metal, sendo um álbum para se ter na coleção de qualquer apreciador do gênero.

WUTHERING HEIGHTS - Far From The Madding Crowd - 2004
distribuído no Brasil por Hellion Records

01. Gather Ye Wild
02. The Road Goes Ever On
03. Tree
04. Longing For The Woods Pt.1
05. Highland Winds
06. Longing For The Woods Pt.2
07. The Bollard
08. Bad Hobbits Die Hard
09. Longing For The Woods Pt.3
10. Land Of Olden Glory
11. Lament For Lórien




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Wuthering Heights"


Motley Crue: Atriz pornô comenta sua relação com Tommy LeeMotley Crue
Atriz pornô comenta sua relação com Tommy Lee

Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaHetfield
Egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336