Matérias Mais Lidas

Raimundos: Canisso reforça que Digão surtou pois chama até João Gordo de pela sacoRaimundos
Canisso reforça que Digão surtou pois "chama até João Gordo de pela saco"

Loudwire: o pior álbum de 25 grandes bandas de rock e heavy metal, por Joe DivitaLoudwire
O pior álbum de 25 grandes bandas de rock e heavy metal, por Joe Divita

Iron Maiden: por que Paul Di'Anno adotava visual tão diferente de outros do metalIron Maiden
Por que Paul Di'Anno adotava visual tão diferente de outros do metal

Alter Bridge: a postura de Eddie Van Halen ao ir a show da banda, segundo MylesAlter Bridge
A postura de Eddie Van Halen ao ir a show da banda, segundo Myles

Nightwish: Tuomas admite que pensou em acabar com a banda após Marko Hietala sairNightwish
Tuomas admite que pensou em acabar com a banda após Marko Hietala sair

Kiss: as cirurgias às quais Paul Stanley precisou ser submetido devido às turnêsKiss
As cirurgias às quais Paul Stanley precisou ser submetido devido às turnês

Black Sabbath: Bill Ward deveria ter feito show final com eles? Tommy Clufetos respondeBlack Sabbath
Bill Ward deveria ter feito show final com eles? Tommy Clufetos responde

Motörhead: Mikkey Dee pensa em Lemmy de uma forma totalmente positivaMotörhead
Mikkey Dee pensa em Lemmy de "uma forma totalmente positiva"

Anthrax: Scott Ian diz que ficou louco de ciúmes quando ouviu Metallica a primeira vezAnthrax
Scott Ian diz que ficou "louco de ciúmes" quando ouviu Metallica a primeira vez

Black Sabbath: as músicas com as melhores atuações do lendário Bill Ward, pela KerrangBlack Sabbath
As músicas com as melhores atuações do lendário Bill Ward, pela Kerrang

Bruce Dickinson: novo filme sobre o show de 1994 durante a guerra em SarajevoBruce Dickinson
Novo filme sobre o show de 1994 durante a guerra em Sarajevo

Eduardo Costa: ele diz que se inspirou em Cazuza e Renato Russo para sertanejo políticoEduardo Costa
Ele diz que se inspirou em Cazuza e Renato Russo para sertanejo político

Cannibal Corpse: Corpsegrinder diz que ninguém bate cabeça melhor que ele no mundoCannibal Corpse
Corpsegrinder diz que ninguém "bate cabeça" melhor que ele no mundo

Alice In Chains: para Nancy Wilson era óbvio que Layne perderia a luta contra as drogasAlice In Chains
Para Nancy Wilson era óbvio que Layne perderia a luta contra as drogas

Capital Inicial: comercial com Dinho Ouro Preto na final do BBB 21 é criticado na webCapital Inicial
Comercial com Dinho Ouro Preto na final do BBB 21 é criticado na web


Korzus
Edu Falaschi - Vera Cruz
Pentral

Resenha - Contraband - Velvet Revolver

Por Bruno Romani
Em 18/06/04

Nota: 7

Tentando recuperar o tempo perdido. A missão da banda Velvet Revolver, mais do que qualquer coisa, é tentar devolver ao guitarrista Slash, ao baixista Duff Mckagan e ao baterista Matt Sorum o lugar no topo do mundo musical que lhes foi precocemente tomado pelo ego do vocalista Axl Rose. Na mesma linha problemática, o Stone Temple Pilots teve, em 1996, sua trajetória abalada durante seu maior momento de sucesso devido ao duradouro e persistente envolvimento do vocalista Scott Weiland com as drogas.

Desde então, as carreiras do trio do GNR e de Scott Weiland nunca mais emplacaram, embora inúmeros projetos tenham sido tentados. Ao mesmo tempo, o mundo da música mudou consideravelmente e "Contraband," álbum de estréia do quarteto que incorporou o também guitarrista Dave Kushner, demonstra uma banda ainda tentando se encaixar nesse novo panorama musical. Por vezes é difícil determinar a direção para qual o VR aponta, tamanho é o flerte com estilos diferentes dentro desse mundo chamado Rock n'Roll.

O álbum inicia sua jornada com "Sucker Train Blues" e "Do it For the Kids," dois números que bebem da fonte de águas turvas do Punk Rock. "Illegal I Song" remete ao bom e velho Heavy Metal, com suas paredes sólidas criadas pelas guitarras de Slash e Kushner sendo cortadas pelas melodias espaciais de Weiland. "Slither," o single do grupo, resgata o som grunge que consagrou milhares de bandas no início dos anos 90. "Headspace" e "Superhuman" carrega os riffs envolventes das bandas de Hard Rock dos anos 80. Ironicamente, tanta indecisão por parte da banda acaba gerando poder de decisão para a diversificada base de fãs dos músicos. Dependendo de gostos, pode-se achar perfeita a volta dos riffs oitentistas ou dos vocais emotivos dos anos 90.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Na tentativa de buscar a melhor sonoridade, o VR também passeia por territórios conhecidos das carreiras de GNR e STP. "Big Machine" parece sair diretamente do aclamado álbum "Tiny Music" do STP para as fileiras do VR. O minimalismo na bateria e o cuidado com cada melodia produzida tanto pelas guitarras quanto pelos vocais são responsáveis por um dos melhores momentos nesse mar de irregularidades. "Spectable" teria lugar fácil no álbum "4" do STP, e "You Got No Right" é um estranha mistura da balada "Wonderful" com os solos da épica "Estranged" do GNR.

Ao revisitar "You Could be Mine" do GNR, a banda acabou por criar o clássico instantâneo "Set Me Free." Bateria frenética, guitarras cortantes e refrão grudento mostram que apesar do limbo, a capacidade desses músicos para criar hinos para consumo rápido continua presente em algum lugar. Por outro lado,a banda escorrega feio no refrão de "Loving the Alien," uma combinação de tranquilizantes com o riff inicial da balada "Sweet Child o' Mine."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Confuso, existe espaço em "Contraband" até mesmo para um "auto-cover." "Dirty Little Thing" é uma versão preguiçosa para "Sucker Train Blues." Para completar, Slash, Mckagan e Sorum retornam ao território de grandes "jams" habitado por "Double Talkin Jive" ou "Don't Damm Me" em "Illegal I Song" e "Superhuman."

No meio dessa agitacão de estilos e versões revisitadas, fica claro que a banda não precisa trazer para a luz da vida as "power-ballads" típicas das bandas oitentistas. "Fall to Pieces" e "You Got No Right," embora embelezadas pela destreza de Slash como compositor e guitarrista, apenas trazem um sabor embolorado à boca e um cheiro de naftalina às narinas. Como nos tempos de STP e em seu álbum solo, Scott Weiland mostra uma vez mais não ter o cacoete necessário para conduzir baladas. O resultado é entediante, talvez sendo o pior que há no disco.

Como contra-ponto, as performances presentes no disco são um ponto muito positivo da banda. Matt Sorum provavelmente gravou seu melhor álbum desde o solitário e longínqüo projeto "Neurotic Outsiders." Mckagan, agora com a experiência que somente os anos trazem, demonstra confiança e poder nas composições. Slash continua sendo o guitarrista dono de solos bem característicos, fazendo cada nota tocada remeter o ouvinte a aquela velha imagem do músico do GNR com a cartola na cabeça. Weiland também aparece muito bem com suas melodias complexas e difíceis de serem digeridas a primeira ouvida. Talvez seu melhor trabalho desde o "Tiny Music."

A temática do álbum e das letras é uma velha conhecida dos músicos. As drogas e incapacidade de lidar com essas permeia praticamente todas as letras do álbum. Tratar do assunto que mora no "Core" de cada um desses artistas parece gerar fome no VR. Mas não seria esse um "Appetite for Destruction," mas sim "Appetite for Resurrection." Toda essa energia traduzida em batidas rápidas, guitarras enlouquecidas e vocais incessantes talvez seja o caminho certo. Embora inconstante e longe do rótulo de clássico, "Contraband" é um bom começo. Axl Rose deve estar morrendo de inveja.


Outras resenhas de Contraband - Velvet Revolver

Resenha - Contraband - Velvet Revolver

Resenha - Contraband - Velvet Revolver

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

💬 Ler e postar comentários


MOPD
Arte Musical
Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Stone Temple Pilots: Nunca é tarde para transformar a dor em recomeçoStone Temple Pilots
"Nunca é tarde para transformar a dor em recomeço"

Só Me Resta o Rock: 10 músicos que morreram de overdose (vídeo)Só Me Resta o Rock
10 músicos que morreram de overdose (vídeo)


Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal HammerSupergrupos
Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer

Slash: tremeu na primeira vez que esteve sóbrio no palcoSlash
Tremeu na primeira vez que esteve sóbrio no palco

Duff McKagan: a evolução dos shows na América do SulDuff McKagan
A evolução dos shows na América do Sul


Slipknot: como são os membros da banda sem as máscaras?Slipknot
Como são os membros da banda sem as máscaras?

Steven Tyler: primeira vez aos 7 anos, com duas gêmeasSteven Tyler
Primeira vez aos 7 anos, com duas gêmeas


Sobre Bruno Romani

Colaborador sem descrição cadastrada.

Mais matérias de Bruno Romani no Whiplash.Net.