Matérias Mais Lidas

imagemO rockstar por quem Max Cavalera era fanático, mas não conheceu por causa da bebida

imagemEdu Falaschi diz que não tem vergonha de suas falas que viraram meme no DVD do "Rebirth"

imagemMaiden faz homenagem a Eddie, do Stranger Things, que foi inspirado em tragédia real

imagem10 músicas dos Beatles das quais Paul McCartney não gostava

imagemA banda brasileira que está "pronta para o mercado internacional", segundo Regis Tadeu

imagemRichard Fortus diz que Axl Rose danificou as cordas vocais

imagemA prática mesquinha de bandas que Edu Falaschi considera "desrespeitoso com o fã"

imagemFlea agradece brasileiro que teve receio de pedir foto ao encontrá-lo

imagemQuando Dave Mustaine mostrou como tocar uma música do Metallica de forma mais pesada

imagemOs dez álbuns de Heavy Metal favoritos de Rob Halford, e os dez de qualquer gênero

imagemEm post no TikTok, Metallica pede para fãs antigos pararem de perseguir os fãs novatos

imagemSlash explica porque o Guns N' Roses faz shows de 3 horas e meia

imagemO clássico dos Stones que foi escrito em um motel e não deixou Keith Richards satisfeito

imagemLed Zeppelin: Crítica de George Harrison fez Jimmy Page compor "The Rain Song"

imagemProdutora explica como "Master of Puppets" foi parar em "Stranger Things"


Finlandia 2022
Stamp

Resenha - Neon God Part I; The Rise - WASP

Por Rafael Carnovale
Em 17/06/04

Nota: 9

"Oh Tell Me My Lord, Why am I Here?"... Blackie Lawless é definitivamente um cara atormentado. Agora ele resolve encarnar a pele de Jesse Slane, um garoto que questiona sua existência e a própria existência de Deus. Ao invés de procurar ajuda médica, Blackie resolve expressar suas dúvidas em forma de álbuns conceituais, como já fizera em "The Crimson Idol". Este "Neon God" é dividido em duas partes, e a segunda deverá estar disponível até o fim do ano.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

"Wishing Well" é o típico hard rock do Wasp, movido pelas guitarras de Blackie e de Darrell Roberts, assim como "Sister Sadie" e a épica "The Rise" (com belos teclados). Blackie não consegue se achar dentro de si mesmo, e isso surge num rock pesadão como "Asylum #9", e em sons mais ligados ao heavy, como "The Red Room for the Rising Sun".

Mesmo com tanto som pesado, e de qualidade, Blackie ainda não acha sua identidade, e produz músicas soturnas como "What I´ll Never Find" e "Someone to Love Me", aonde ele finalmente descobre alguma coisa sobre si mesmo, ao som de uma bela balada, e com Blackie cantando num falsete nunca apresentado antes. Sons mais pesados como "XTC Riders" (heavy oitentista de respeito), a hard pesada "The Running Man" e a novamente climática "The Raging Storm" finalizam esta primeira parte, aonde Blackie continua perdido em si, procurando pelo menos uma, uma razão para existir.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Musicalmente o álbum é muito bom, e arrisco dizer, o melhor desde "Still Not Black Enough". Resta esperar o que Blackie e o Wasp irão nos trazer na segunda parte, agora me diga Deus, porque ele está aqui mesmo??? (Risos).

Line Up:
Blackie Lawless - Vocais/Guitarras
Mike Duda - Baixo
Darrell Roberts - Guitarra
Frankie Banali - Bateria

Lançamento nacional pela Century Media em 2004.


Outras resenhas de Neon God Part I; The Rise - WASP

Resenha - Neon God Part I; The Rise - WASP

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Mad Max: inspirando W.A.S.P., Violator, Biohazard e outros

W.A.S.P.: como Lawless foi parar no filme do Village People e deixou produtor confuso

W.A.S.P.: o casamenteiro de Lita Ford e Chris Holmes!



Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.