Resenha - Fireworks - Angra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Pedro Carvalho
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Após a explosão que foi o Angra com os álbuns Angels Cry (1993) e Holy Land (1996), era hora de lançar um terceiro álbum de estúdio. A banda queria fazer algo diferente do que já tinha feito em sete anos de carreira. Então veio a idéia de lançar um álbum menos progressivo e melódico, como foi o Holy Land, e sendo mais direto, agressivo e, sobretudo, pesado, mas sem deixar de lado o conceito criado no início da banda. Dessa idéia foi lançado o fantástico álbum Fireworks, no qual eu, grande fã do Angra, considero o melhor trabalho que eles já fizeram em estúdio.
1676 acessosAngra: Os primórdios de Angel's Cry antes da Demo Reaching Horizons5000 acessosHeavy Metal Fail: os Trues também saem mal na foto

Fireworks foi lançado em 1998 e é o álbum mais diferente do Angra. Como ele é muito difícil de ser encontrado no Brasil, poucos fãs já tiveram a oportunidade de escutá-lo. O engraçado é que você pode encontrar Angels Cry, Holy Land e Rebirth em qualquer esquina. Há pessoas que quando escutam o Fireworks pela primeira vez, já conhecendo os outros álbuns, não acreditam que é o mesmo Angra que contribuiu com o Metal Melódico com músicas como Carry On, Angels Cry, Nothing To Say, Make Believe, Z.I.T.O., Nova Era, Rebirth, entre outras. Detalhe: Fireworks é o único dos quatro álbuns de estúdio da banda que não possui introdução, como se a banda fosse dizer ao ouvinte: “Vamos logo ao que interessa.” Então vamos às músicas:

01 – Wings Of Reality – uma música de abertura excelente que mistura tudo o que o Angra já fez nos dois álbuns anteriores. Possui partes pesadas e clássicas, sem contar o solo que faz a música criar vida, logo no início, e os poderosos vocais de André Matos. Nota: 09.

02 – Petrified Eyes – seu início parece um blues um pouco mais agitado e logo após a pauleira começa a rolar. Destaque para todos os músicos. Nota: 09.

03 – Lisbon – um clássico da banda porém esquecido por muitos. É uma das músicas mais lindas da carreira da banda. Basta escutar essa música uma vez na sua vida e você nunca mais irá se esquecer da clássica introdução que ela possui. Apesar do André não forçar muito o vocal nela, é uma balada excelente. Nota: 10.

04 – Metal Icarus – agora sim! Minha música preferida do álbum, que por sinal está entre as cinco músicas de toda a carreira do Angra que mais gosto. Tem um refrão poderosíssimo, no qual Matos arrebenta a goela de tanto gritar, um vocal perfeito. Coitado do cara que for tentar cantar esse refrão! Mais destaques para as potentes guitarras de Kiko e Rafael. Nota: 10.

05 – Paradise – música para dar um equilíbrio ao álbum, sendo mais lenta mas nunca deixando de manter o peso. Também é a música mais longa do álbum. Nota: 08.

06 – Mystery Machine – essa se destaca pelos perfeitos riffs de guitarra. Enfim, uma música legal. Nota: 08.

07 – Fireworks – começa lenta, tem um pouco de rapidez no meio e torna a ser lenta de novo no final. Considero essa faixa-título a pior música do álbum, assim como considero a música Holy Land a pior do álbum de mesmo nome, mas não tenho nada contra, apenas acho-as menos legais. Nota: 07.

08 – Extreme Dream – essa também fica a cargo dos riffs de guitarra, outra música boa. Nota: 08.

09 – Gentle Change – outra das melhores do álbum. É uma música no mesmo estilo daquelas que ocuparam o álbum Holy Land, possuindo percussões que só os brasileiros conhecem. Uma música maravilhosa, que fala de tristeza e despedida. Perfeita. Nota: 10.

10 – Speed – não tinha como não encerrar o álbum se não fosse com uma música agressiva, rápida e contagiante. Speed é tudo isso. Ela também contribui para o Fireworks ser o álbum mais diferente, porque além dele não possuir introdução, também é o único a ser finalizado com uma música de peso e rapidez, na qual todos os músicos quebram o pau no final. Nota: 09.

O Fireworks foi o último trabalho do Angra com a formação original. Na minha opinião, se o Angra tivesse acado por aí, este seria sem dúvida um álbum perfeito para fechar a carreira desta banda perfeita. Nota final: 10!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Fireworks - Angra

2559 acessosAngra: "Fireworks" é um disco bastante maduro e bem trabalhado5000 acessosAngra: "Fireworks" - controverso, agressivo e arrebatador3604 acessosResenha - Fireworks - Angra5000 acessosTradução - Fireworks - Angra

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

AngraAngra
Banda reage à tragédia com Adrenaline Mob

1676 acessosAngra: Os primórdios de Angel's Cry antes da Demo Reaching Horizons874 acessosAngra: mais um vídeo das gravações do novo álbum1842 acessosBlind Guardian e Rhapsody: Como seria Hansi e Lione cantando juntos?2566 acessosAngra: Uma rara versão acústica de "Carry On" com Andre Matos0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

Andre MatosAndre Matos
"Eu não estava preparado para cantar no Maiden!"

InspiraçãoInspiração
Bandas que adotaram títulos de músicas como nome

Andre MatosAndre Matos
"Às vezes, acabar com uma banda é melhor que mantê-la!"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

Heavy Metal FailHeavy Metal Fail
Os Trues também saem mal na foto

Quentin TarantinoQuentin Tarantino
O Top 5 do rock n' roll na carreira do diretor

Led ZeppelinLed Zeppelin
A inspiração por trás de "Kashmir"

5000 acessosEm 16/08/1977: Morre Elvis Presley5000 acessosGuitarpedia: Os 10 riffs de guitarra mais complicados da história5000 acessosMetallica: os segredos de "Enter Sandman"5000 acessosMetallica: a incrível guitarra limitada inspirada em Master Of Puppets5000 acessosBlaze Bayley aprova técnica de implante capilar5000 acessosGuns N' Roses: DJ Ashba só conheceu Axl Rose em seu 1° show

Sobre Pedro Carvalho

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online