Angra: "Fireworks" é um disco bastante maduro e bem trabalhado

Resenha - Fireworks - Angra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leandro Fernandes
Enviar Correções  

10


Algo que já era "previsto" pelo membros da banda, Fireworks foi uma despedida com a formação clássica da banda.

Andre Matos: segunda parte de documentário comenta Shaman e carreira soloBateristas: os dez músicos mais loucos de todos os tempos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Muito foi dito sobre concordar com isso, discordar com aquilo. Mas não se pode questionar e tentar apontar o dedo para os membros, pois entrosamento e profissionalismo não faltaram na produção e finalização desse disco, podem não ter sido dos mais amigáveis, mas o resultado foi genial.

Fireworks é um disco bastante maduro e bem trabalhado. Hoje se tornou um grande clássico, um disco que toda vez que escutado, lembrará sempre os bons tempos da banda. Falando sobre as músicas, o disco começa de maneira diferente, pois a banda tinha o costume de sempre utilizar introduções e em Fireworks foi diferente, a primeira faixa Wings of Reality chega com força total, com solos de guitarra, viradas de bateria até a entrada da potente voz de Andre Matos, que mostra o quanto havia evoluído, mostrando realmente porque canta.

Pretified Eyes começa lenta, com um tranquilo solo de guitarra, acompanhado de dois grandes "cozinheiros" Luiz Mariutti e Ricardo Confessori (baixo e bateria), com um entrosamento memorável em todo o disco, música que ganha força com a voz de Andre que a usa sem medo. Lisbon, se tornou o single do disco, que até hoje é presença confirmada nos sets ao vivo da banda, é uma música mais calma, tendo em seu refrão um forte peso das guitarras e bateria, a mesma termina com um lindo solo de guitarra. Metal Icarus é veloz do início ao fim, um show a parte é a bateria de confessori, que não para nenhum segundo e os agudos de Andre Matos que deixam qualquer um anestesiado.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Paradise é uma música básica, boa e ao mesmo tempo técnica, mas sem perder a essência do disco coisa que se repete com Mystery Machine que vem com a mesma pegada. A faixa título, Firewoks entra um pouco mais tranquila em relação as anteriores, é marcante e tem uma bela letra que retrata a união e o amor. Extreme Dream, volta com peso e velocidade contidos no disco, com um belo riff de guitarra e ótimas viradas de Confessori.

Gentle Change remete um pouco a fase "Holy Land", sendo a mais calma do disco, onde percebemos o uso de percussões e com um ritmo nativo, coisa que sempre foi marca registrada no Angra. Finalizando o disco, com uma das mais perfeitas e completas músicas da banda, o próprio nome já diz tudo: Speed, veloz, contagiante, pesada e muito bem trabalhada do começo ao fim, mostrando a força e o talento que o quinteto sempre teve. Por ser o último disco com a formação clássica da banda, se torna saudoso e especial.

Músicas:

1 - Wings Of Reality
2 - Petrified Eyes
3 - Lisbon
4 - Metal Icarus
5 - Paradise
6 - Mystery Machine
7 - Fireworks
8 - Extreme Dream
9 - Gentle Change
10 - Speed

Membros:

Andre Matos - vocal, piano, teclados
Kiko Loureiro - guitarra
Rafael Bittencourt - guitarra
Luis Mariutti - baixo
Ricardo Confessori - bateria


Outras resenhas de Fireworks - Angra

Resenha - Fireworks - AngraResenha - Fireworks - AngraResenha - Fireworks - Angra



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Andre Matos: segunda parte de documentário comenta Shaman e carreira soloAndre Matos
Segunda parte de documentário comenta Shaman e carreira solo

Andre Matos: Novo site oficial do fã-clube é divulgado

Angra: Kiko Loureiro e Marcelo Barbosa fazem live sobre racismo na música hoje (11)Angra
Kiko Loureiro e Marcelo Barbosa fazem live sobre racismo na música hoje (11)

Kiko Loureiro: veja a capa de Open Source, o novo álbum solo do guitarristaKiko Loureiro
Veja a capa de Open Source, o novo álbum solo do guitarrista

Aliquid: Confira vídeo de "Angels Cry" em homenagem a Andre Matos

Andre Matos: Gus Monsanto e Fleesh homenageiam o vocalistaAndre Matos
Gus Monsanto e Fleesh homenageiam o vocalista

Andre Matos: um ano sem o inesquecível e genial maestroAndre Matos
Um ano sem o inesquecível e genial maestro

Andre Matos: Documentário revela seu lado mais humano fora dos palcos; assistaAndre Matos
Documentário revela seu lado mais humano fora dos palcos; assista

Andre Matos: Luis Mariutti homenageia vocalista com fotos e vídeo emocionanteAndre Matos
Luis Mariutti homenageia vocalista com fotos e vídeo emocionante

Andre Matos: o adeus ao maestroAndre Matos
O adeus ao maestro


Angra: ouça o cover de Walk do Pantera com Renatón nos vocaisAngra
Ouça o cover de "Walk" do Pantera com Renatón nos vocais

Angra e Sepultura: as duas bandas mais tretadas do metal nacionalAngra e Sepultura
As duas bandas mais tretadas do metal nacional


Bateristas: os dez músicos mais loucos de todos os temposBateristas
Os dez músicos mais loucos de todos os tempos

Separados no nascimento: Bruce Dickinson e Leopoldo PachecoSeparados no nascimento
Bruce Dickinson e Leopoldo Pacheco


Sobre Leandro Fernandes

Conheci o rock em 1992, tendo o primeiro disco do Iron Maiden. Com o passar dos anos me apeguei ao rock progressivo e tenho bandas como Pink Floyd, Jethro Tull, Rush e Uriah Heep sendo as favoritas. Profissional da área de T.I, casado e uma filha. Sempre buscando conhecimento no rock/metal em geral.

Mais matérias de Leandro Fernandes no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280