Resenha - Fireworks - Angra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Fraco. Insosso. Irregular. Desprezível. Medonho. Eu não sei como um ser humano em são estado de consciência e com todos os seus sentidos em perfeito estado pode proferir essas palavras a respeito do álbum “Fireworks”. Sem as firulas, a leveza e batucadas do seu antecessor (“Holy Land”), este cd se mostra muito mais conciso.
4066 acessosAngra: Rafael Bittencourt reflete antes de se manifestar...5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1992

A opção da banda fica clara logo ao se apertar “play”. Este é o único cd do Angra (até agora) que não possui uma introdução. É o mesmo Angra melódico e com influências clássicas de antes, mas muito mais direto, preciso, pesado e arrebatador.

Só para começar, “Fireworks” tem o melhor trabalho de guitarras de todos os cds do Angra. Solos inimagináveis de serem alcançados por mãos humanas e muito mais riffs (como prova “Extreme Dream”) do que qualquer coisa feita antes. As guitarras estão bem altas, deixando transparecer toda a técnica e talento de Kiko Loureiro e Rafael Bittencourt.

“Metal Icarus” é o melhor exemplo disso. Solos, riffs, transposições, passagens clássicas, duetos... o trampo de guitarras mais perfeito, pesado e convincente de toda a história da banda.

André Mattos resolve mostrar todo o poder de sua voz. Menos melódico, mais agressivo e pesado, demonstra que canta do jeito que quiser, e que é sim, facilmente, um dos melhores do mundo, além de colocar sentimento e melodia na dose certa. Fora o seu vocal de dar orgulho a qualquer patriota, suas letras inteligentes e poéticas dão vazão aos nossos sentimentos mais profundos.

Ricardo Confessori finalmente mostra tudo o que sabe tocar. Faz a bateria obter posição de destaque em algumas músicas e Luís Mariutti completa perfeita e brilhantemente uma das melhores cozinhas de todos os tempos do metal nacional.

Parece clichê, mas destacar alguma música beira a injustiça, visto que este cd é perfeito do início ao fim. De ruim aqui só o que iria acontecer após seu lançamento.

Mas sempre temos aquelas que se tornam clássicos, que ficam na nossa memória e que fazem você ter certeza de que o metal é a melhor coisa do mundo (ou quase isso). Destaco: “Wings of Reality” (uma reunião de todos os ingredientes que o Angra utiliza), “Lisbon” (balada clássica e tocante), “Metal Icarus” (preciso falar mais alguma coisa dela?), os convincentes riffs e o clima “up” de “Mystery Machine”, e a paradisíaca “Gentle Change”.

Algumas músicas ficaram mais longas, mas felizmente não cansam. São 57 minutos e meio num show de um metal melódico, de feeling, de técnica, de peso, de belos arranjos que se diferenciam das outras bandas da mesma linha existentes.

Após o lançamento, a imprensa fez coro, falou tudo que podia e que não podia a respeito, detonou sem pudor, a banda caiu em desgraça, problemas de relacionamento e a conseqüente dissolução. Não vejo o porque.

Ouviu falar mal da produção? Ela não está límpida e cristalina como de costume, mas Chris Tsangarides fez um belo trabalho e ainda ajudou na composição de algumas músicas. Todos os instrumentos ficaram muito claros, com voz e guitarras em destaques e o clima mais denso empregado, julgo eu, propositadamente.

Este é o Angra: uma banda de músicos extremamente competentes, experientes, que têm inteligência, técnica e carisma. Uma banda que se destaca no meio metálico mundial justamente por se diferenciar, por buscar novos caminhos, novos rumos, novos experimentos, e novos destinos para a música. Este é o Angra, um dos maiores orgulhos do metal brasileiro de todos os tempos.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Fireworks - Angra

2546 acessosAngra: "Fireworks" é um disco bastante maduro e bem trabalhado5000 acessosAngra: "Fireworks" - controverso, agressivo e arrebatador4774 acessosResenha - Fireworks - Angra5000 acessosTradução - Fireworks - Angra

AngraAngra
Rafael Bittencourt reflete antes de se manifestar...

721 acessosKiko Loureiro: vídeo completo de workshop online do guitarrista322 acessosRio Rock City: melhores introduções de baixo da atualidade0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

AngraAngra
Letras e comentários sobre "Temple Of Shadows"

NoturnallNoturnall
Aquiles nega qualquer rivalidade com Confessori

AngraAngra
Veja Rafael "ensinando" Valverde a tocar bateria

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1992

Metal AlemãoMetal Alemão
About.com elege as melhores bandas

Ratos de PorãoRatos de Porão
João Gordo crente? Vai tomar no cu quem tá acreditando!

5000 acessosAxl Rose: sugerindo prática oral sexual a Paul Stanley5000 acessosClassic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivo5000 acessosVício: Phil Anselmo relata como é ser viciado em heroína3649 acessosMike Portnoy: os dez maiores álbuns clássicos da história5000 acessosWhen Gabriel lies down on Genesis5000 acessosHell Divine: site elege os 10 "não-óbvios" melhores discos

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online