Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu agradece mobilização de fãs

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon

imagemGene Simmons compartilha tweet com meme da ex-presidente Dilma Rousseff

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemEvanescence coloca baixista no cargo de guitarrista e anuncia nova baixista

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemÍcone do metal é alvo de críticas por tocar com músico condenado por assassinato

imagemDave Mustaine, do Megadeth, inicia vida de youtuber e mostra o ônibus de turnê da banda

imagemMetallica divulga vídeo oficial da clássica "For Whom The Bell Tolls" ao vivo em SP

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemMark Tremonti, do Alter Bridge, revela que é grande fã de lendária banda de metal

imagemFrank Zappa disse a Steve Vai que ele soava como "um pão com mortadela elétrico"

imagemVocalista do Greta Van Fleet não entende os haters: "parece a p**** de uma religião"


Stamp

Resenha - In-a-Gadda-da-Vida - Iron Butterfly

Por Denio Alves
Em 04/02/01

Nota: 10

Muito bem, antes de tudo, há uma controvérsia histórica acerca deste clássico disco: muitos o apontam como sendo o primeiro LP de rock pauleira (ou hard rock, ou heavy metal, ou como quiseres...) da história do rock. Eu, particularmente, não acho. Na minha opinião, o mérito de tal iniciativa ainda está com o obscuro Blue Cheer, trio mal encarado que deu o pontapé no gênero tanto visualmente quanto sonoramente - se não, vide a tosca obra-prima Vincebus Eruptum, uma pérola de peso e distorção gravada no mesmo ano que este disco do Iron Butterfly... Os caras eram avôs do Metallica!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Na verdade, o que o Iron Butterfly fez, em In-a-Gadda-da-Vida¸ foi transformar o som pesado que inúmeras bandas da era flower power de San Francisco e da Costa Oeste americana estavam fazendo naquela época, bem ou mal, em algo mais elaborado musicalmente - e, o principal, tecnicamente.

Só para se ter uma idéia, o Iron Butterfly chegou a ter o seu equipamento para shows ao vivo cobiçado pela galera inglesa de grupos como Yes e The Moody Blues - e, diga-se de passagem, isto deve ter sido um senhor puta orgulho para aqueles californianos ripongas! Graças à boa qualidade dos instrumentos e torres de Marshalls e Fenders que os acompanhavam, o Iron Butterfly conseguiu idealizar e elaborar um som único, inédito para o final dos anos 60, e admirado por gente como Janis Joplin e Jimi Hendrix. O tecladista/vocalista/líder do grupo, Doug Ingle, contou, em recente entrevista divulgada na net, que era comum eles tocarem em casas célebres como o Trombadour ou o Whiskey A-Go-Go, de Los Angeles, e figurinhas tarimbadas como estes citados acima darem as caras por lá, só para conferir a tremenda "viagem" dos rapazes. O Iron Butterfly juntou vários elementos da florida música psicodélica californiana (totalmente diferente da inglesa - menos sombria e mais efusiva) com a destreza musical e jazzística de seus integrantes elevada ao cubo. E deu no que deu: In-a-Gadda-da-Vida !

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Engraçadinhos do rock 'n’ roll adoram contar uma estorinha que provavelmente nasceu na cabeça de algum bicho-grilo tupiniquim muito doido: de que o Iron Butterfly teria escrito o maior sucesso de sua carreira, que dá nome a este disco, após uma trip (não, não é de mescalina não, teria sido física mesmo) ao Brasil, e aqui, então, após eles se enturmarem com o caliente clima tropical, teriam se esbaldado em uma delirante sucessão de festas com beldades brasileiras... ao final de tudo, erraram ao tentar reproduzir a expressão que retratava aquilo por que eles haviam passado: assim, "na gandaia da vida" virou "in-a-gadda-da-vida". Sacou? Pura balela, é lógico.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Aí vai a verdadeira estória: Doug Ingle e Lee Dorman (baixo), após construírem uma pequena estrutura rítmica em cima de um riff grudento que eles haviam bolado com o baterista Ron Bushy, partiram para digressões cheias de improviso, intercalando este fio principal, que conduziria toda a música e estaria indo e voltando entre vários solos. O jovem e exímio guitarrista de apenas 18 anos, Erik Brann, que estava no grupo na época, ouviu e gostou da coisa, criando na hora uma série de solos lancinantes em sua Fender Stratocaster, acompanhando os momentos solos em que a música fugiria da sua parte principal. Diante de uma canção tão longa, repleta de intermezzos, em que o riff condutor era sinistro, para dar vazão logo depois a longas guitarradas viajantes e paradisíacas, cheias de LSD, Doug resolveu escrever uma letra simples, mas bem estranha, sobre estar "no Jardim do Éden" (In the Garden of Eden), referindo-se à relação psicótica com uma certa garota que ele conhecera como algo que ia do céu ao inferno. E assim, impressionado pela pronunciação de certas palavras em espanhol por um grupo muito animado de latinos que freqüentava o Gazzarri's, em L.A., casa onde tocavam, Doug fez o trocadilho para "In-a-Gadda-da-Vida", expressão intraduzível e sem sentido, mas cuja força encaixava-se perfeitamente no som da música.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apesar de ter sido a canção que marcou indelevelmente o grupo, que nunca mais se livrou do espectro dela e nem conseguiu fazer mais sucesso depois disso (é, ela virou uma espécie de "Stairway to Heaven" deles - "toca aquela!"), o LP que a contém na verdade é bem mais que isso. A incrivelmente pop "Most Anything That You Want", que abre a bolacha, é a mais ensolarada declaração de amor ao som californiano de grupos como The Doors e Strawberry Alarm Clock, com um maravilhoso solo de órgão Farfisa que dá a partida no progressivo das tecladeiras de um Rick Wakeman, por exemplo. Na verdade, o Iron Butterfly estava bebendo na fonte do Vanilla Fudge, uma das mais famosas bandas proto-progressivas da época, e da qual ainda vamos falar... Depois, vem "Flowers and Beads", uma das mais belas baladas já forjadas no ápice da criatividade hippie daquela era mágica. "My Mirage" é outra balada, mas bem mais hipnótica e climática, em que uma bela introdução com floreios de guitarra flerta com o órgão angelical de Doug e o baixo sempre cheio de soul de Lee Dorman. "Are You Happy" é a porrada loucaça com que o grupo muitas vezes abria os seus shows. Doug canta quase que desafiadoramente esta peça, berrando com fina ironia para o desavisado ouvinte o tema, e então entra no resto da letra no maior suingue. A banda descamba para um andamento rápido, para minutos depois Bushy martelar sem dó sua bateria fazendo a cama para Erik solar loucamente a Fender desvairada. Tudo isso capitaneado por um riffzinho histriônico dos teclados de Doug, simplesmente assustador de tão vertiginoso. É, sem dúvida, o momento mais heavy do disco, até mais que "In-a-Gadda...". "Termination", que fecha o lado A (o lado B é totalmente ocupado pelo clássico da banda) é um momento mais pop, composto pelo baixista Dorman.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

É isso aí. Como eu já disse, depois de In-a-Gadda... viria Ball, depois um disco ao vivo, e vários outros momentos exemplares para todo amante do bom rock pesado e/ou progressivo, mas o que marcou mesmo a galera foi este disquinho, junto com aquele casamento sinistro de baixo/guitarra/órgão fazendo "tan-tan... tan-tan-tan-tan... In-a-Gadda-da-Vida, baby... Don't you know that I'm loving you... ". Tanto é que até o metal radical do Slayer se rendeu a uma cover speed e absurda desta loucura do rock ‘n' roll no final dos anos 80.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Iron Butterfly: A misteriosa morte de Philip Taylor Kramer



Sobre Denio Alves

Denio Alves, natural de Valença-RJ, é crítico, escritor, ensaísta, diletante de poesia, ouvinte e praticante, nas horas vagas, de rock e todas as demais formas de música popular ou de vanguarda que do gênero advenham. Além de técnico em computação, professor de inglês e estudante de Direito, é também pesquisador cultural e artístico das demais mídias de expressão e comunicação, já havendo atuado como colaborador de diversos fanzines na década de 90 do século passado e fundador do célebre veículo alternativo Eram os Deuses Zineastas?. Participou ativamente, em Ituiutaba-MG, onde reside, do processo de formação e criação das bandas de garagem Bloody Garden e Essence, ao lado de Edgar Franco, Gazy Andraus e demais personalidades do underground do Triângulo Mineiro, como guitarrista, vocalista e compositor. Atualmente, participa da concepção de um novo projeto de expressão do RPB - Rock Popular Brasileiro, o Mondo Cane, além de colaborar periodicamente com artigos no site WHIPLASH.

Mais matérias de Denio Alves.