Resenha - Scream on the Cross - União

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar Correções  

9


Pela Megahard Records, em 2003, a banda paulista União lançou o seu ‘debut’, "Scream On the Cross", que já chama muito a atenção ao vermos que toda a sua produção foi feita no Creative Sound Studio, um dos maiores estúdios do Brasil. Para que este impacto fosse ainda maior, a banda também investiu em uma arte gráfica muito boa, um encarte muitíssimo bem feito por Rodrigo Cruz (Holy Sagga, Imago Mortis, Hangar, entre outros) e tem o desenho da frente assinado pelo artista Mozart Couto. O som da banda beira o power metal, com algumas influências de metal progressivo e hard rock, e o curioso é que a maioria das músicas caem em passagens mais cadenciadas, conseqüentemente, menos velozes.

publicidade

Irineu Lodi (vocal e guitarra), Timo Kaarkoski (guitarra), Elder Araújo (baixo), Willian Benincasa (teclado) e Nando Rodrigues (bateria) fazem um trabalho invejável, especialmente o vocalista Irineu, com um timbre bem próprio; e o baterista Nando, que sabe muito bem usar o pedal duplo durante todas as músicas, sem deixá-las ‘clichê’ demais. Para quem não sabe, o guitarrista Timo Kaarkoski é finlandês, e algumas passagens do tecladista Willian são feitas em um órgão Hammond B3, não apenas em teclado.

publicidade

Musicalmente, "Scream on the Cross" é bem composto e completo, porém não muito complexo. Não há grandes diversificações entre as músicas, a maioria segue bem mesmo aquela linha power/hard, e ainda contamos com letras que abordam temas cristãos e religiosos. Depois da curta introdução "Awakening", há uma das músicas mais melódicas do CD: "Unknown World", com bons riffs de guitarra, que em alguns momentos desembocam para o peso mesmo. A faixa "Mercy" é dividida em duas partes ("Darkest Days" e "Born Again"), as duas bem pesadas, porém não caindo em um lado mais power metal, e sim em algo mais heavy tradicional com pitadas de progressivo. Legal também é a faixa título, uma música que possui boas melodias de piano e um vocal bem inspirado por parte de Irineu, sobrando mais para o seu final um bom refrão. Como dito, a linha hard presente em todo o disco, pode ser bem ouvida em "Diary of a Child", com estas influências. Na minha opinião, a melhor música do álbum é a seguinte, "Dreams", cheia de boas melodias e ainda com bons solos de bateria no seu interior (é, isso mesmo!), aqui, com direito ainda a peso de guitarra e partes mais cadenciadas. Por fim, "Patmos", uma instrumental bem certeira para quem curte este tipo de coisa, assim como eu.

publicidade

Um bom lançamento. Acho que apenas a banda diversificando mais as músicas (seus estilos e características) no seu próximo álbum, fará algo melhor e quem sabe, surpreendente. Banda super entrosada e boa produção eles já conseguiram.

Site oficial: www.uniao-online.com.

E-mail: [email protected]

Line-up:
Irineu Lodi (vocal/guitarra);
Timo Kaarkoski (guitarra);
Elder Araújo (baixo);
Willian Benincasa (teclado);
Nando Rodrigues (bateria).

publicidade

Track-list:
01. Awakening
02. Unknown World
03. Mercy Part I (Darkest Days)
04. Mercy Part II (Born Again)
05. Travel in Darkness
06. Stations
07. Scream on the Cross
08. Diary of a Child
09. Messenger of Peace
10. Dreams
11. Hypocrisy
12. Patmos

Tempo total: 60:49

Material cedido por:
Megahard Records
Caixa Postal 41698, São Paulo/SP, Cep:05422-970
Site: www.megahard.com.br
e-mail: [email protected]
Fax: (11) 3224.8297. Telefone: (11) 3224.0709.

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaHetfield
Egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica

Slash: Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vícioSlash
Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vício


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin