Resenha - El Camino Del Fuego - Rata Blanca

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por André Toral
Enviar Correções  

8


É uma sensação indiscutível voltar a resenhar um álbum inédito do Rata Blanca! Esta banda argentina, expoente do hard/heavy no país em questão, é fantástica. Incrível como, num mundo em que muitas bandas são iguais, o Rata Blanca consegue pôr o seu hard rock a lá Rainbow e Deep-Purple para agradar aos fãs mais saudosistas do estilo.

Sepultura, Kiss, Madonna e outros: Guitarristas gravam cover beneficente do The Police

Nirvana: "Kurt Cobain era meio pau no cu", diz produtor

Entrando um pouco na sua história, após uma separação que durou cinco anos, a banda se dispersou; o líder, mentor e guitarrista, Walter Giardino, montou o "Temple", bem na linha do Rata Blanca, Adrian Barilari e Hugo Bistolfi, que saíram antes, em 1995, montaram o Alianza (hard poser), e por aí vai. A questão é que, em 2001, a banda se juntou novamente, desta feita com Adrian Barilari (vocal) e Hugo Bistolfi (teclados), justamente os dois músicos que integraram a formação clássica da banda. A isso, inclui-se, obviamente, Walter Giradino (guitarra) e Guillermo Sanchez (baixo). O único que não é da formação clássica é Fernando Scarcella (bateria), quem vinha tocando no Temple, com Walter. Por falar em formação clássica, a mesma incluía Sergio Berdichevsky (guitarra) e Gustavo Rowek, que, juntos, estão tocando no "Nativos", banda que faz metal com algumas novas tendências.

"El Camino del Fuego" é uma aula de hard rock, puro, sincero, sem enrolações e direto, como nos áureos tempos do estilo. Veja o caso de "El Amo del Camino", um petardo que se assemelha muito a Deep-Purple da fase Ian Gillan, com um solo de guitarra estupendo e melódico! "Volviendo a Casa" é um clássico que está sendo muito divulgado em rádios e TV’s argentinas, com uma veia hard e um vocal de Adrian Barilari que emociona, tal é sua melodia e feeling. "La Canción del Guerrero" era uma música antiga da banda, que foi incluída aqui, mas não dá para entender porque somente agora este clássico foi apresentado aos fãs. Bem, até aqui temos verdadeiras maravilhas. Porém, existem algumas canções meio desnecessárias como "Abeja Reina", composta também por Adrian Barilari, re-lembrando seus momentos de hard poser no Alianza. E assim, também sucede com "Lluvia Purpura" que, apesar de homenagear o rock and roll, não é interessante. "Señora Furia" também faz esta homenagem, mas, assim como as duas músicas comentadas acima, integra a parte, digamos, "fria" do novo álbum. Mas para compensar, logo em seguida, temos a melhor faixa do CD, "Sinfonia Fantástica", incrivelmente arranjada, com toques clássicos, teclados espetaculares, guitarra marcante e um vocal de Adrian Barilari que arrepia. Sem dúvidas, lembra bastante os bons tempos do álbum "Magos, Espadas y Rosas", mais especificamente falando da música "El Camino del Sol". Dando continuidade, como é tradicional com o Rata Blanca, temos uma excelente balada: "Cuando la Luz Oscurece". Se trata de uma balada extremamente na linha Deep-Purple, pois tem uma incrível semelhança com "When a Blind Man Cries", e o teclado de Hugo Bistolfi soa como o de Jon Lord. "En Nombre de Dios?" é uma música que segue pelos caminhos do hard/heavy, especialmente feita para abrir shows. E para terminar o desfile de clássicos desta volta, o Rata Blanca fecha com "Caballo Salvaje", que, em tudo, lembra Ritchie Blackmore e, obviamente, o Rainbow; excelente tema!

Em comparação com seus álbuns anteriores, podemos dizer que "El Camino del Sol" fica entre "Magos, Espadas y Rosas" e "Guerreros del Arco Iris", porém existem coisas diferentes, sim. E por mais que o novo CD seja muito bom, mesmo assim a banda não superou o inigualável "Entre el Cielo y el Infierno", de 1994, gravado com o vocalista Mario Ian, um vocalista de primeiríssima linha, com sua voz a lá Rob Halford! Aliás, foi devido ao lançamento deste álbum que a banda veio ao Brasil pela segunda vez, em 1994, no Monsters of Rock. E por falar em shows, o Rata Blanca está se apresentando por toda a América do Sul e Latina, além dos Estados Unidos e Espanha, aonde desfruta de um grande sucesso. Mas no Brasil, até o momento, nada! E olha que aqui, embora não falemos o castelhano (dialeto do espanhol), tem público suficiente para apreciar esta que, sem dúvidas, é a melhor banda de hard rock das redondezas.

Boas vindas à Rata Branca e que tenhamos muitos e muitos CD’s tão honestos quanto este!

Para contactar a banda: [email protected] (empresário)

Site Oficial: www.rataweb.com.ar


Outras resenhas de El Camino Del Fuego - Rata Blanca

Resenha - El Camino del Fuego - Rata Blanca




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Sepultura, Kiss, Madonna e outros: Guitarristas gravam cover beneficente do The PoliceSepultura, Kiss, Madonna e outros
Guitarristas gravam cover beneficente do The Police


Idioma: bandas que já cantaram em sua língua natalIdioma
Bandas que já cantaram em sua língua natal

Vocalistas: As maiores vozes esquecidas do MetalVocalistas
As maiores vozes esquecidas do Metal


Nirvana: Kurt Cobain era meio pau no cu, diz produtorNirvana
"Kurt Cobain era meio pau no cu", diz produtor

Iron Maiden: Rachel Sheherazade é uma grande fã da bandaIron Maiden
Rachel Sheherazade é uma grande fã da banda


Sobre André Toral

Formado em Administração de Empresas. Curte Hard clássico dos anos 70 e início dos 80; Heavy Metal é sua religião.

Mais matérias de André Toral no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin