Matérias Mais Lidas

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemSentado em cadeira de rodas, Paul Di'Anno faz primeiro show em sete anos

imagemDo Ozzy ao Slayer: veja os momentos mais metal do desenho South Park

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemAndre Matos sempre foi de esquerda e reprovaria governo atual, diz irmão do maestro

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemSyd Barrett em 1967 analisando os principais singles lançados em julho

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemComo CDs e MP3s decepcionaram Jimmy Page

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemA visão de Arnaldo Antunes sobre sua timidez no período da adolescência


Stamp

Resenha - El Camino Del Fuego - Rata Blanca

Por André Toral
Em 12/03/03

Nota: 8

É uma sensação indiscutível voltar a resenhar um álbum inédito do Rata Blanca! Esta banda argentina, expoente do hard/heavy no país em questão, é fantástica. Incrível como, num mundo em que muitas bandas são iguais, o Rata Blanca consegue pôr o seu hard rock a lá Rainbow e Deep-Purple para agradar aos fãs mais saudosistas do estilo.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Entrando um pouco na sua história, após uma separação que durou cinco anos, a banda se dispersou; o líder, mentor e guitarrista, Walter Giardino, montou o "Temple", bem na linha do Rata Blanca, Adrian Barilari e Hugo Bistolfi, que saíram antes, em 1995, montaram o Alianza (hard poser), e por aí vai. A questão é que, em 2001, a banda se juntou novamente, desta feita com Adrian Barilari (vocal) e Hugo Bistolfi (teclados), justamente os dois músicos que integraram a formação clássica da banda. A isso, inclui-se, obviamente, Walter Giradino (guitarra) e Guillermo Sanchez (baixo). O único que não é da formação clássica é Fernando Scarcella (bateria), quem vinha tocando no Temple, com Walter. Por falar em formação clássica, a mesma incluía Sergio Berdichevsky (guitarra) e Gustavo Rowek, que, juntos, estão tocando no "Nativos", banda que faz metal com algumas novas tendências.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

"El Camino del Fuego" é uma aula de hard rock, puro, sincero, sem enrolações e direto, como nos áureos tempos do estilo. Veja o caso de "El Amo del Camino", um petardo que se assemelha muito a Deep-Purple da fase Ian Gillan, com um solo de guitarra estupendo e melódico! "Volviendo a Casa" é um clássico que está sendo muito divulgado em rádios e TV’s argentinas, com uma veia hard e um vocal de Adrian Barilari que emociona, tal é sua melodia e feeling. "La Canción del Guerrero" era uma música antiga da banda, que foi incluída aqui, mas não dá para entender porque somente agora este clássico foi apresentado aos fãs. Bem, até aqui temos verdadeiras maravilhas. Porém, existem algumas canções meio desnecessárias como "Abeja Reina", composta também por Adrian Barilari, re-lembrando seus momentos de hard poser no Alianza. E assim, também sucede com "Lluvia Purpura" que, apesar de homenagear o rock and roll, não é interessante. "Señora Furia" também faz esta homenagem, mas, assim como as duas músicas comentadas acima, integra a parte, digamos, "fria" do novo álbum. Mas para compensar, logo em seguida, temos a melhor faixa do CD, "Sinfonia Fantástica", incrivelmente arranjada, com toques clássicos, teclados espetaculares, guitarra marcante e um vocal de Adrian Barilari que arrepia. Sem dúvidas, lembra bastante os bons tempos do álbum "Magos, Espadas y Rosas", mais especificamente falando da música "El Camino del Sol". Dando continuidade, como é tradicional com o Rata Blanca, temos uma excelente balada: "Cuando la Luz Oscurece". Se trata de uma balada extremamente na linha Deep-Purple, pois tem uma incrível semelhança com "When a Blind Man Cries", e o teclado de Hugo Bistolfi soa como o de Jon Lord. "En Nombre de Dios?" é uma música que segue pelos caminhos do hard/heavy, especialmente feita para abrir shows. E para terminar o desfile de clássicos desta volta, o Rata Blanca fecha com "Caballo Salvaje", que, em tudo, lembra Ritchie Blackmore e, obviamente, o Rainbow; excelente tema!

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Em comparação com seus álbuns anteriores, podemos dizer que "El Camino del Sol" fica entre "Magos, Espadas y Rosas" e "Guerreros del Arco Iris", porém existem coisas diferentes, sim. E por mais que o novo CD seja muito bom, mesmo assim a banda não superou o inigualável "Entre el Cielo y el Infierno", de 1994, gravado com o vocalista Mario Ian, um vocalista de primeiríssima linha, com sua voz a lá Rob Halford! Aliás, foi devido ao lançamento deste álbum que a banda veio ao Brasil pela segunda vez, em 1994, no Monsters of Rock. E por falar em shows, o Rata Blanca está se apresentando por toda a América do Sul e Latina, além dos Estados Unidos e Espanha, aonde desfruta de um grande sucesso. Mas no Brasil, até o momento, nada! E olha que aqui, embora não falemos o castelhano (dialeto do espanhol), tem público suficiente para apreciar esta que, sem dúvidas, é a melhor banda de hard rock das redondezas.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Boas vindas à Rata Branca e que tenhamos muitos e muitos CD’s tão honestos quanto este!

Para contactar a banda: [email protected] (empresário)

Site Oficial: www.rataweb.com.ar


Outras resenhas de El Camino Del Fuego - Rata Blanca

Resenha - El Camino del Fuego - Rata Blanca

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp



Sobre André Toral

Formado em Administração de Empresas. Curte Hard clássico dos anos 70 e início dos 80; Heavy Metal é sua religião.

Mais matérias de André Toral.