Resenha - HTP Live in Tokyo - Hughes Turner Project

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar Correções  

10


No começo de 2002, dois senhores vocalistas da cena rock/metal mundial, cujos caminhos não chegaram diretamente a se cruzar, mas fizeram parte da história do rock and roll (pois ambos integraram em diferentes épocas uma banda chamada Deep Purple) resolveram se juntar e fazer um cd de rock and roll tipicamente setentista, agregando todas as suas influências e estilos.

publicidade

Um era chamado de "Voice of Rock" e atendia pelo nome de Glenn Hughes, baixista e vocalista do Trapeze e de uma formação talentosa do Deep Purple (Hughes / Blackmore / Coverdale / Lord / Paice), e que possui uma das melhores vozes do rock mundial. O outro atendia pelo nome de Joe Lynn Turner, vocalista que passou pela banda de Yngwie Malmsteen, pelo Rainbow de Richie Blackmore e pelo Deep Purple, em uma fase não tão bem sucedida. Mas um vocalista competente e apaixonado por hard rock.

publicidade

O resultado: um cd maravilhoso, com o melhor que havia sido feito a nível de hard rock nos anos 70, mesclando o estilo funky de Hughes com a pegada hard/heavy de Turner, num resultado surpreendente. E os dois ainda cometeram a heresia de sair em turnê, inicialmente pelo Japão, e atualmente pela Europa. E é do Japão (talvez, junto com o Brasil, o país favorito para se gravar cd’s ao vivo de rock e metal) que sai este disco ao vivo, com 5 sons do cd HTP e (HERESIA MOR!) sons do Deep Purple, Rainbow, e Black Sabbath.

publicidade

Não precisa falar muito. Músicas do HTP como "Devil’s Road" (o hard rapidão dos anos 2000), "You can’t stop Rock and Roll", "Better Man", "Ride the Storm" (um hard pesadão que urra nas caixas de som como um trovão) e "Better Man" (uma música mais funky com o dedo de Hughes, e o vocal também) são excelentes e executadas com maestria. Mas a loucura fica pelas músicas "antigas" que foram colocadas neste cd. Clássicos da fase menos potente (mas não menos criativa) do Rainbow (com Turner nos vocais) como "Death Alley Driver", "I Surrender", "Spotlight Kid" ficaram muito boas, embora Hughes e Turner pudessem escolher músicas mais clássicas (imagina esses caras tocando "Catch the Rainbow" ou "All Night Long" só para citar). É demais ouvir Joe cantando com os backings de Glenn... coisa de quem pode.

publicidade

E ainda tem mais: Hughes detona tudo em "Mistreated", "Stormbringer" do Purple e o clássico "No Stranger to Love" do Sabbath. Turner aproveita para detonar também "King of Dreams", do disco "Slaves and Masters", sua estréia e epitáfio no Purple. É evidente que o vocal de Turner perde um pouco ao vivo, mas ele mostra-se competente e capaz de dar um show como performer. Já Hughes é de assustar. O que o cara canta é absurdo... ele brinca com os tons mais altos como se estivesse assobiando. Tudo isso somado a uma banda coesa e competente, formada só por japas, resulta num cd básico e obrigatório para quem diz que o rock and roll morreu... acho que salvaram o rock de novo, sem precisar... porque essa mania? Graças a Deus!!!!!

publicidade

Lançado no Japão pela Pony Canon Inc.

OBS: O lançamento europeu deverá ocorrer no final de setembro. Quanto ao Brasil... se nem o cd do HTP ainda teve sua versão... o negócio é esperar... mas vale... compre!

Sites Oficiais:
http://www.joelynnturner.com
http://www.glennhughes.com

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Ghost: De quais bandas brasileiras eles gostam?Ghost
De quais bandas brasileiras eles gostam?

Humor: Os impressionantes diários secretos de Roger WatersHumor
Os impressionantes diários secretos de Roger Waters


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin