Resenha - Novembrine Waltz - Novembre

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

8


Quando o Novembre assinou contrato com a Century Media em 1998, certamente seus apreciadores respiraram aliviados, pois o talento demonstrado nos dois primeiros álbuns, "Wish I Could Dream Again..." (1995) e "Arte Novecento" (1997), seria finalmente reconhecido e teria espaço para ir além de seu início já marcante.

Os anos posteriores confirmaram a expectativa e o grupo evoluiu seguindo numa rota interessantíssima, ao trabalhar suas raízes death – da época em que ainda se chamava Catacomb - com atmosferas, climas belíssimos, e um direcionamento totalmente gótico / doom, repleto de influências clássicas.

publicidade

"Novembrine Waltz" é superior ao já satisfatório "Classica" (2000) e apresenta-nos uma banda mais madura. Carmelo Orlando tem atuação fantástica nos vocais, tanto guturais, quanto limpos, soberbos, sejam eles expressos por sussurros, vocalizações fúnebres ou até mais populares, lembrando a obscura e magnífica dupla Staley / Cantrell, além de Anathema e Paradise Lost.

publicidade

O grande lance do disco está nas transições e variantes, levadas com categoria tamanha que se tornam quase imperceptíveis. São toques sutis de musicalidade exacerbada, que fazem "Lago dos Cisnes" de Tchaikovisky e "Va Pensiero" de Verdi soarem, de fato, como passagens integrantes de "Distances" e "Conservatory Resonance", respectivamente, sem lacunas nas trajetórias para se chegar até elas.

publicidade

A versão para "Cloudbusting" de Kate Bush, com a participação de Ann-Mari Evardsen (ex-The 3rd And The Mortal) também chama atenção, apesar de destoar em relação às oito faixas restantes.

As intervenções semi ou completamente acústicas são admiráveis, como "Child Of The Twilight" e outras composições nos provam. Da mesma forma, a lida nos teclados. Em compensação, alguns timbres de guitarra elétrica desagradam, trazendo a genealogia dos irmãos Orlando a tona, porém, claramente descontextualizados dentro daquilo que é o Novembre hoje.

publicidade

Os italianos se saíram bem e prosseguem deixando memoráveis momentos de boa escuta. Todavia, se tornam mais atraentes quando vistos sob a perspectiva de uma ponte acessível e agradável de se chegar e compreender conjuntos no patamar de Opeth & cia.

Line-Up:
Carmelo Orlando (Guitarras – Vocais – Teclados)
Demian Cristiani (Baixo)
Giuseppe Orlando (Bateria – Backing Vocals)

publicidade

Material cedido por:
Century Media Records – http://www.centurymedia.com.br
Telefone: (0xx11) 3097-8117
Fax: (0xx11) 3816-1195
Email: [email protected]




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Top 5 Pantera: About.com elege os cinco melhores álbuns da bandaTop 5 Pantera
About.com elege os cinco melhores álbuns da banda

Raimundos: Me Lambe é a única música cuja letra tem um problema, diz CanissoRaimundos
"Me Lambe" é a única música cuja letra tem um problema, diz Canisso


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin