Motorhead: a dieta que mantinha Lemmy jovem e viçoso

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: THE GUARDIAN, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 


O jornal inglês THE GUARDIAN em dezembro de 2010 publicou uma série de relatos e confissões do frontman do MOTORHEAD, LEMMY, todas relacionadas com sua particular ligação com a culinária. O que segue é uma tradução das citações como Lemmy as disse.
488 acessosSeparados no nascimento: Mikkey Dee e Dru (Meu Malvado Favorito 3)5000 acessosMegadeth: as 10 maiores tretas de Dave Mustaine

"Minha mãe fazia esse bolo de cabeça pra baixo que sempre dava errado. Eu a fazia assá-lo de novo e de novo, por anos, porque eu gostava muito dele. Nunca dava certo, ainda assim, sempre dava certo, se é que você me entende.

Eu não como legumes. Eu como babatas e feijão verde e é só. Eu não quero saber se você come 200 alcachofras, você não vai aguentar até o fim de uma turnê. Purê de ervilhas, eu curto. Couve de Bruxelas. Eu não como nada com cebola dentro de qualquer modo. Eu as odeio – eu e RINGO STARR temos isso em comum.

Quando eu morava na Heaton Moore Lane em Stockport no começo dos anos 60 havia 35 outras pessoas vivendo no mesmo quarto, então era meio apertado. A dieta básica consistia de creme de arroz. Abra dois buracos na lata com um abridor de latas de cerveja antigo e você consegue chupar a ambrosia pra fora, sem problema.

Eu desenvolvi um gosto por comida gelada. Eu não tinha dinheiro pra serviço de quarto então eu comecei a roubar restos de comida deixados pra fora nas bandejas. Espaguete gelado, batatas frias, bife frio. Pizza gelada é um café da manhã perfeito, com muito sal.

As garotas costumavam roubar comida para nos alimentar, das geladeiras de seus pais e de lojas. Eu conhecia uma mina que conseguia roubar uma caixa de cereal de uma loja enquanto vestia apenas uma minissaia e uma camiseta. Onde Phyllis escondia os flocos de milho, eu jamais saberei.

Eu tocava no ROCKIN’ VICARS, que foi a primeira banda britânica a excursionar por trás da cortina de ferro. Jantamos – uma sopa de beterraba horrível – com o presidente Tito (da antiga Iugoslávia).

Viver em Los Angeles torna obter comida muito mais fácil. Eu posso ter uma refeição completa com dois garçons e uma mesa, trazida até minha porta. Ou pedir tiras de bacon pré-cozidas, despachadas para mim em uma caixa de poliestireno do Omaha Steaks. Ainda assim eu não consigo comprar peixe com molho de salsa num saco pronto para ferver, e não há os feijões assados da Heinz certos, eles estão num molho diferente. Mas é geralmente contra os queijos que eu me indisponho.

Minhas refeições no camarim são algumas bolachas, alguns bolos, um prato de carne, um prato de queijo, alguns cigarros, alguns Jack Daniel’s. Eu tenho que dizer, eu não sou completamente fixado em Jack Daniel’s – só que é o que tem o melhor sistema de distribuição no mundo. Teve um período que eu bebia principalmente [o whisky americano com sabor de frutas] Southern Confort misturado com [cerveja do tipo lager produzida pela marca Carlsberg] Special Brew. O que eu tinha na cabeça?

Se um motorista de ônibus diz “Você não vai fazer zona nesse ônibus”, é peitar o destino, não é? Eu amo guerras de comida.

Uma vez eu fui jurado de um concurso de comedores de espaguete com [a cantora pop inglesa dos anos 80] Samantha Fox. Eu disse “Ele primeiro, ele segundo e ele em terceiro”. Eles estavam nojentos, as caras enterradas em tigelas enormes, cobertos de molho marinara, eu não sabia quem era um e quem era o outro.

Eu faço um bife muito bom. Eu nunca vesti um avental – não tem razão pra isso. Eu prefiro uma roupa de mergulhador completamente sem manchas na cozinha."

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 14 de dezembro de 2010
Post de 11 de maio de 2012
Post de 20 de maio de 2017

Bill WardBill Ward
Os dez discos de metal favoritos do baterista

488 acessosSeparados no nascimento: Mikkey Dee e Dru (Meu Malvado Favorito 3)740 acessosMotorhead: Roger de Souza bate papo com Gastão Moreira, do KZG1731 acessosMotorhead: biografia mostra o quão Lemmy era único1502 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's479 acessosLoudwire: em vídeo, 10 maiores riffs de metal dos anos setenta0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Motorhead"

ÍconesÍcones
Gigwise elege os 14 mais marcantes mascotes de bandas

Coisa de NerdCoisa de Nerd
Os 5 games mais "Trues"

Lemmy e David BowieLemmy e David Bowie
A conexão entre dois artistas tão diferentes

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Motorhead"

MegadethMegadeth
As 10 maiores tretas da história de Dave Mustaine

IntrigasIntrigas
Bandas em família que terminaram mal

SlayerSlayer
Kerry King comenta Grammy, Venom, Dimebag, e mais...

5000 acessosSlayer: quando Cronos deixou Tom Araya de olho roxo5000 acessosRock Cristão: as principais bandas nacionais5000 acessosSlipknot: Mick Thomson esfaqueado em briga com irmão5000 acessosMemoráveis como a música: os 25 melhores logos de bandas5000 acessosSlayer: as dez melhores músicas segundo o site Loudwire5000 acessosMegadeth: Marty Friedman explica porque não quer voltar

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online