Resenha - Night Of The Demon - Demon

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodolfo Laterza
Enviar Correções  

9


Dissertar criticamente sobre representantes da New Wave of British Heavy Metal para quem a vivenciou em seu apogeu, é atingir um sentimento ambíguo de saudosismo histórico e conformismo , em que a referência nostálgica preconiza pela certeza pessoal de ter acompanhado um fenômeno cultural-musical que marcou milhões de jovens na década de 80, singularizada, entretanto, pela realidade conformista que impõe uma estrita ênfase na certeza do passado de uma era, hoje lembrada apenas pelos seguidores de outrora – muitos, mantendo apenas aquela associação distante da lembrança dos tempos de adolescência. E esse sentimento acima descrito é materializado em uma oportunidade salutar, gloriosamente assegurada pelo selo Hellion Records, ao lançar nacionalmente os álbuns do Demon, um dos grandes nomes da NWOHMB, em uma iniciativa única e exemplar.

Night of the Demon enaltece essa bateria de lançamentos. Sendo o álbum de estréia de um dos personagens mais cultuados a nível de fidelidade na cena metálica oitentista, apresenta ainda uma musicalidade fortemente fincada nas influências do grupo, com uma proximidade de estilo e postura a bandas que foram referências ao metal pós-punk oitentista – Thin Lizzy, UFO, Judas Priest. A faixa-título, bem como a clássica Fool to Play the Hard Way , exemplificam essa confluência, com uma essência enfaticamente vinculada aos melhores momentos de Phil Moog e Michael Schenker no UFO, bem como a bela Father of Time, onde é fácil observar uma notória inspiração no estilo melódico do Thin Lizzy. A crueza do som não torna o trabalho minimalista, apenas valorando a atitude de peso e honestidade na proposta musical da banda; Into the Nightmare, 3ª faixa da obra, insere-se neste contexto, com um formato simples e cativante.

publicidade

O timbre de guitarra bem como a melodia dos riffs, muito bem expostos ao longo dos diversos temas, apesar de certamente soarem dentro do legado das maiores influências da NWOHMB, não primam pelo realce individualista e prolongado dos guitar-heroes do rock setentista, enaltecendo mais a musicalidade coletiva propriamente dita em harmonias bem dosadas, como em One Helluva Night, cujos riffs, trazem à tona todos aqueles ingredientes que têm a capacidade de tornar o ouvinte amante do metal clássico, um militante fervoroso em defesa do fundamentalismo tradicional deste fenômeno musical. Vale mencionar a poderosa Liar, um hino típico no estilo do metal emergente da década de 80, em que a interpretação vocal de Dave Hill concilia agressividade com senso de melodia, mantendo portanto aquele clima de emoção underground.

publicidade

Aqueles que puderem ser presenteados com este conjunto de lançamentos do Demon, serão ainda brindados com bonus tracks em todos os trabalhos – neste álbum, são apresentados adicionalmente os seguintes títulos: Wild Woman, On the Road Again, Liar (em gravação original, ainda mais primorosa) e Night of the Demon (esta, remixada).




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


NWOBHM: os 25 maiores álbuns do gênero entre 1980 e 1982NWOBHM
Os 25 maiores álbuns do gênero entre 1980 e 1982


Metallica: ouça apenas o baixo de Cliff Burton em clássicosMetallica
Ouça apenas o baixo de Cliff Burton em clássicos

Dane-se Bruce Dickinson: Simone Simons no metrô é muito melhorDane-se Bruce Dickinson
Simone Simons no metrô é muito melhor


Sobre Rodolfo Laterza

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

WhiFin WhiFin