Resenha - Dead Eyes See No Future EP - Arch Enemy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  


Já de início, fica-se sempre com uma ótima impressão escutando a coesão e bom gosto que os excelentes músicos do Arch Enemy possuem, sem falar na voz literalmente monstruosa da vocalista Ângela. Quem já a escutou cantando sabe bem o que quero dizer.

Arch Enemy: Alissa White-Gluz desmancha suas roupas para fazer máscaras para a caridade

Metal: as oito maiores tretas entre músicos do gênero

"Dead Eyes See No Future" foi lançado inicialmente ao ávido público japonês, possuindo canções do calibre da faixa-título que saiu no seu último disco, "Anthems Of Rebellion"; três canções ao vivo gravadas em Paris: "Burning Angel", a matadora "We Will Rise" e "Heart Of Darkness" (não inclusa na versão japonesa), todas com bastante participação da platéia. Interessante notar que quando a vocalista fala com o público, ela usa uma voz mais limpa, e daí vemos o grande contraste de sua potente voz.

Mas nesta seção aparece um problema que não consigo entender como pode ocorrer nos dias de hoje: sendo faixas ao vivo, o mais correto seria "emendar" uma canção logo atrás da outra, seja com o público agitando ou com a própria instrumental da canção, pois durante a audição tudo fluiria bem aos ouvidos, correto? Pois é, mas não é o que acontece... Entre o final da terceira faixa e o início da quarta há aquele corte que só se via nas antigas fitas cassetes, com um resultado tão horrível quanto as ditas cujas.

O EP também apresenta os covers de "Symphony Of Destruction" do Megadeth, que não ficou lá grande coisa. Já a versão de "Kill With Power" do Manowar ficou estupenda, assim como "Incarnated Solvent Abuse", excelente canção do Carcass, banda pela qual o guitarrista Michael Amott tocou por algum tempo e que gravou ótimos trabalhos. Há também a presença de um vídeo-clipe para a música "We Will Rise", que também não constou na edição nipônica.

E é só isso, pois mesmo sendo um bom material, este "Dead Eyes See No Future" não consegue de maneira nenhuma apagar aquela velha e amarga sensação de disquinho caça-níqueis que, ao meu ver, é uma atitude deprimente para uma banda como Arch Enemy. É claro que não é somente o conjunto que deve ser considerada culpado, pois com certeza a gravadora é a principal arquiteta de uma coisa destas.

Nada contra o lançamento de EPs, mas que os mesmos tenham pelo menos dois terços de material inédito em seu conteúdo. Afinal, música é arte, seus artistas obviamente têm que vender para continuar criando de maneira saudável. Então que os produtos colocados no mercado tenham criações, e não repetições e mais repetições... Materiais do nível aqui apresentado deveriam estar como faixas-bônus em lançamentos inéditos.

Agora, se você é destes consumidores compulsivos que precisam ter tudo de sua banda preferida, vá em frente, pois é com atitudes como a sua é que as gravadoras lançam trabalhinhos assim, na maior cara-de-pau... Mas se você é destes que apreciam a música Heavy Metal apenas como manifestação artística, deixando em segundo plano o lado comercial do sistema, procurando adquirir produtos que realmente valham a pena, ignore completamente "Dead Eyes See No Future", pois o mesmo realmente não tem futuro.

ARCH ENEMY – Dead Eyes See No Future EP
(2004 – Century Media)

01. Dead Eyes See No Future
02. Burning Angel (Live in Paris 2004)
03. We Will Rise (Live in Paris 2004)
04. Heart Of Darkness (Live in Paris 2004)
05. Symphony Of Destruction
06. Kill With Power
07. Incarnated Solvent Abuse

VIDEO CLIP

08.We Will Rise

homepage: www.archenemy.net




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Arch Enemy: Alissa White-Gluz desmancha suas roupas para fazer máscaras para a caridadeArch Enemy
Alissa White-Gluz desmancha suas roupas para fazer máscaras para a caridade


Angela Gossow: Não perco meu tempo com idiotas!Angela Gossow
"Não perco meu tempo com idiotas!"

Alissa White-Gluz: sei que é moda odiar feministas, mas a luta não acabouAlissa White-Gluz
"sei que é moda odiar feministas, mas a luta não acabou"


Metal: as oito maiores tretas entre músicos do gêneroMetal
As oito maiores tretas entre músicos do gênero

Top 10: dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idadeTop 10
Dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idade


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin