Resenha - Test Of Faith - Jarra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

7


Site Oficial – http://www.lionmusic.com/jarra.htm

publicidade

Kathie Jarra (Vocais)
Johnny Russian (Guitarra)
David Chaney (Baixo)
Shane Diaz (Bateria)

Visual de hard rock oitentista, uma mulher nos vocais (o que atualmente nos remete a cantoras líricas, com todo aquela onda de ópera), uma música dedicada e inspirada por Stevie Ray Vaughan, e o CD lançado por uma gravadora especializada em metal progressivo, instrumental e hard rock. Assim ficava difícil ter uma idéia de que caminho o Jarra teria escolhido para as suas composições. Apostei em algo semelhante a Vixen, Faster Pussycat, White Lion. Dancei. O direcionamento aqui é outro.

publicidade

Riffs pesados, bateria e baixo marcantes e bem tocados, e um vocal agressivo, que segue a linha européia. Uma espécie de metal típico dos anos 80, com algumas influências de power metal. Como referência, pegue Leather Leone e imagine-a saindo um pouco do tradicional e fazendo um som mais pesado. É dessa forma que o Jarra vem conquistando os europeus, principalmente os alemães.

publicidade

Os bons resultados são mais que merecidos. "Test Of Faith" tem tudo para fazer a alegria dos aficionados por metal, e render shows energéticos e empolgantes. Aliás, é nas apresentações do grupo que coloco mais fé, pois é evidente que músicas como "Black Snow (The Final Sign)" e "Eternal Love", podem ir muito além das versões aqui presentes.

publicidade

Esse rendimento um pouco abaixo do nível natural das composições, se deve à fraca produção do disco e à falta de experiência da banda. O som fica embolado em alguns momentos e até mínimos detalhes, como a ordem das músicas, me parecem equivocados. O álbum fecha num clima mais ‘light’, com a balada "Always, All Ways" (dedicada a Stevie Ray Vaughan) sendo seguida da instrumental "Arizona". Antes de tudo, pelas características das composições citadas, a última deveria vir primeiro. Fora isso, depois de duas levadas acústicas, você já não sabe nem o que está ouvindo. É preciso um retorno nas faixas anteriores para restaurar o peso, que guia o grupo.

publicidade

Falhas dessa natureza são normais, especialmente em debutes, mas devem ser olhadas para não se repetirem em futuros trabalhos.

Material cedido por:
Lion Music - http://www.lionmusic.com
Box 19, Godby 22 411
Aland, FINLAND
Email: [email protected]
Fax - 35818 41551

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Slipknot: Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy MetalSlipknot
Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy Metal

Freedom of Expression: o tema do Globo RepórterFreedom of Expression
O tema do Globo Repórter


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin