Resenha - War To End All Wars - Yngwie J. Malmsteen

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

6


"War To End All Wars" mostra as duas faces de uma das figuras mais polêmicas da história do metal, o guitarrista sueco, Yngwie J. Malmsteen. De um lado, um músico talentoso, com composições ricas e que, por incrível que pareça, arrumou uma forma de desenvolver e evoluir ainda mais sua absurda técnica. Do outro, um cara de ego inflado, que agiu na vontade e na ânsia de fazer tudo e ser o centro das atenções, e acabou se dando mal, ao realizar uma produção horrorosa, abaixo da crítica.

publicidade

As músicas seguem a tradicional e famosa linha de Yngwie Malmsteen. Muito peso, em riffs bem construídos e solos rápidos. Nos vocais, mais um show de Mark Boals, que confirma sua posição entre os melhores vocalistas do metal, atualmente. Boas variações, com o agudo sensacional de sempre e os graves mais firmes, melhores do que nunca. Mats Olausson e John Macaluso são excelentes e, definitivamente, mereciam mais espaço. Infelizmente, há muito tempo, os teclados que costumavam acompanhar Malmsteen, não se fazem tão presentes e ficam escondidos em composições excessivamente direcionadas às guitarras.

publicidade

Entre as melhores faixas, podemos destacar, facilmente, a paulada "Crucify", a típica levada hard rock de "Bad Reputation" e a belíssima balada "Miracle Of Life". As instrumentais, "Molto Arpeggiosa, "Preludium" e "Instrumental Institution", são espetaculares e dão ‘vazão’ ao virtuosismo do guitarrista sueco. Além disso, seguem a notória evolução de Malmsteen como compositor.

publicidade

Na faixa bônus, entra em cena "Yngwie J. Marley". "Black Sheep Of The Family" não é uma versão para a famosa música do Rainbow. A composição é do próprio Yngwie e trata-se de um reggae dos mais esquisitos. Já imaginou a tradicional música jamaicana aliada aos solos rápidos de uma Fender, tocada por um sueco? Estranho, mas uma ótima escolha para uma bônus. É diferente e divertida e chama a atenção.

publicidade

A produção é terrível; esconde instrumentos, abafa o som e arregaça algumas partes dos vocais. Não dá pra entender como, com tantas limitações, Malmsteen teve a coragem de produzir este álbum sozinho. Aliás, também é de se questionar a sanidade do cara, ao colocar, na parte de trás do CD, uma imagem sua, simplesmente ridícula, com uma armadura e uma espada.

publicidade

Os shows da turnê deste álbum têm tudo para detonar. Porém, mesmo com as boas composições presentes e o alto nível técnico de sempre, fica difícil ouvir "War To End All Wars" com grande prazer. A qualidade do som é péssima e incomoda.

Site Oficial – http://www.yngwie.org

Yngwie J. Malmsteen (Guitarras, Baixo, Violão, Cítara, Gongo & Vocais)
Mark Boals (Vocais)
Mats Olausson (Teclados)
John Macaluso (Bateria)

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Iron Maiden: não daria certo se fossem três Yngwie Malmsteens na guitarraIron Maiden
Não daria certo se fossem três Yngwie Malmsteens na guitarra

Brian May: Bohemian Rhapsody com orquestra de guitarras de Vai, Malmsteen e maisBrian May
"Bohemian Rhapsody" com orquestra de guitarras de Vai, Malmsteen e mais

Jeff Scott Soto: você não trabalha com Yngwie Malmsteen; você trabalha para YngwieJeff Scott Soto
"você não trabalha com Yngwie Malmsteen; você trabalha para Yngwie"

B-sides: O piti no restaurante com Yngwie MalmsteenB-sides
O piti no restaurante com Yngwie Malmsteen


Disney: empresa lança disco com clássicos em versão power metalDisney
Empresa lança disco com clássicos em versão power metal

Young Guitar: os 100 maiores guitarristas do hard/heavy segundo a revistaYoung Guitar
Os 100 maiores guitarristas do hard/heavy segundo a revista


Slipknot: Corey Taylor não tem a cara limpa por baixo da máscaraSlipknot
Corey Taylor não tem a cara limpa por baixo da máscara

Sons Of Anarchy: a obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!Sons Of Anarchy
A obra-prima televisiva e sua fantástica trilha!


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin