Defecation: lembranças de uma época brutal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo M. Brauna
Enviar correções  |  Ver Acessos

A música Grindcore que nasceu nos anos oitenta engloba um conjunto de bandas que surgem tanto do movimento Punk quanto do metal. A sua letra que trata das crises sociais como outros problemas vividos pela humanidade passa o seu recado com uma linha instrumental infinitamente veloz e agressiva, deixando a maioria dos críticos musicais com dor de ouvido lesados da perfeição harmônica. Mesmo assim, vários grupos conseguiram destaque na mídia como foi o caso de Napalm Death, Terroriser, Extreme Noise Terror e um projeto valioso criado por apenas dois integrantes denominado:

Uncut Magazine: fãs elegem as 10 melhores músicas do Pink FloydLed Zeppelin: A controvérsia sobre as origens do nome da banda

Mick Harris:

Mick era um jovem garoto que nasceu em 1967 em Birmingham, Inglaterra. Aos vinte anos começou a tocar com bandas Punk Rock e Grindcore de seu país até que em 1985 se juntou ao Napalm Death. Ao lado dessa banda ele pode "revolucionar" a música 'underground' tocando bateria e criando técnicas como o 'blast beat', a famosa metranca. No primeiro álbum do Napalm, "Scum", gravado em julho de 1987, Mick foi o único a participar nos dois lados do LP, mas as transformações que o grupo vinha sofrendo em sua música fizeram-no pular fora logo após a turnê de "Harmony Corruption" (1990). No período em que o baterista esteve ativo no Napalm Death, ele chegou a conhecer por meio de correspondências um outro 'Harris', Mitch.

Mitch Harris:

O novaiorquino que nasceu em 31 de outubro de 1969, morava em Las Vegas quando conheceu Mick Harris. A sua carreira teve início tocando numa banda de Grindcore chamada Righteous Pigs. Após se mudar para Birmingham começaram a trabalhar juntos num projeto musical com os mesmos moldes de suas bandas originais, porém com mais definição sonora nos riffs e maior duração nas músicas. A banda (ou dupla) Defecation estava formada.

"Purity Dilution":

O primeiro álbum foi originalmente lançado em 1989 pela "Nuclear Blast" tendo como produtores a própria dupla e Danny Liker (Anthrax, SOD, Nuclear Assault, Brutal Truth e outros). Os instrumentos ficaram divididos com Mitch Harris tocando guitarra, baixo e fazendo vocal, enquanto Mick Harris usava o seu talento na bateria e também nos vocais. A produção do disco ficou de altíssima qualidade e outras três edições foram relançadas, em 1990 saiu uma versão em K7 com apenas 666 cópias, em 1992 o álbum foi relançado com uma capa diferente e uma faixa bônus, "Granted Wish" (que pra mim é a melhor do CD), o último relançamento foi em 2000 em formato 'digipak'.

"Intention Surpassed":

Em 1991 Mick abandona o projeto, assim como o Napalm Death, Mitch nessa época já estava tocando também com o Napalm. O Defecation descansa por longos quatorze anos desde seu primeiro lançamento, até que em 13 de janeiro de 2003 Mitch Harris tocando todos os instrumentos sozinho e fazendo vocal "ressuscita-o" com a segunda obra. Dessa vez o trabalho não está tão gutural quanto o primeiro, explorando apenas as vocalizações 'scream'. A produção também está um tanto diferente assim como a instrumental, mas é um belo registro.

Não se sabe sobre a continuidade deste projeto, Mitch Harris continua com uma carreira sólida ao lado do Napalm Death, Mick Harris em 1991 iniciou outro projeto, esse chamado Scorn que lançou trabalhos até 2011, mas que também atualmente está parado. Mais uma vez encontra-se uma lacuna no meio do Defecation...



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Defecation"


Uncut Magazine: fãs elegem as 10 melhores músicas do Pink FloydUncut Magazine
Fãs elegem as 10 melhores músicas do Pink Floyd

Led Zeppelin: A controvérsia sobre as origens do nome da bandaLed Zeppelin
A controvérsia sobre as origens do nome da banda


Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna no Whiplash.Net.