Matérias Mais Lidas

imagemAs faixas do "Black Album" que James Hetfield e Lars Ulrich não curtem

imagemOzzy comenta a brutal honestidade de Lemmy quando estava próximo da morte

imagemAs seis músicas do Metallica que Dave Mustaine ajudou a escrever

imagemAs 10 melhores versões metal de músicas pop dos anos 1980, em lista da Metal Hammer

imagemJanis Joplin: última gravação dela em vida foi feita para um Beatle

imagemNando Reis e a linda música que Samuel Rosa dispensou por ter recebido na hora errada

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemRaul Seixas: o clássico que presta homenagem ao brega e foi feito com Paulo Coelho

imagemAnitta é a maior roqueira que existe hoje no Brasil, diz integrante do Titãs

imagemJoão Gordo relembra proposta de fazer propaganda de calmante com Dado Dolabella

imagemO comovente relato de Kiko sobre como foi gravar em meio ao câncer de Mustaine

imagemSérgio Moro elege banda clássica de Rock como sua favorita

imagemEdu Falaschi comenta produção "nível banda europeia" da nova turnê e agradece fãs

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemAmy Lee escolhe a melhor música do Evanescence para apresentar a banda


Stamp

Defecation: lembranças de uma época brutal

Por Leonardo M. Brauna
Em 05/03/13

A música Grindcore que nasceu nos anos oitenta engloba um conjunto de bandas que surgem tanto do movimento Punk quanto do metal. A sua letra que trata das crises sociais como outros problemas vividos pela humanidade passa o seu recado com uma linha instrumental infinitamente veloz e agressiva, deixando a maioria dos críticos musicais com dor de ouvido lesados da perfeição harmônica. Mesmo assim, vários grupos conseguiram destaque na mídia como foi o caso de Napalm Death, Terroriser, Extreme Noise Terror e um projeto valioso criado por apenas dois integrantes denominado:

Mick Harris:

Mick era um jovem garoto que nasceu em 1967 em Birmingham, Inglaterra. Aos vinte anos começou a tocar com bandas Punk Rock e Grindcore de seu país até que em 1985 se juntou ao Napalm Death. Ao lado dessa banda ele pode "revolucionar" a música ‘underground’ tocando bateria e criando técnicas como o ‘blast beat’, a famosa metranca. No primeiro álbum do Napalm, "Scum", gravado em julho de 1987, Mick foi o único a participar nos dois lados do LP, mas as transformações que o grupo vinha sofrendo em sua música fizeram-no pular fora logo após a turnê de "Harmony Corruption" (1990). No período em que o baterista esteve ativo no Napalm Death, ele chegou a conhecer por meio de correspondências um outro ‘Harris’, Mitch.

Mitch Harris:

O novaiorquino que nasceu em 31 de outubro de 1969, morava em Las Vegas quando conheceu Mick Harris. A sua carreira teve início tocando numa banda de Grindcore chamada Righteous Pigs. Após se mudar para Birmingham começaram a trabalhar juntos num projeto musical com os mesmos moldes de suas bandas originais, porém com mais definição sonora nos riffs e maior duração nas músicas. A banda (ou dupla) Defecation estava formada.

"Purity Dilution":

O primeiro álbum foi originalmente lançado em 1989 pela "Nuclear Blast" tendo como produtores a própria dupla e Danny Liker (Anthrax, SOD, Nuclear Assault, Brutal Truth e outros). Os instrumentos ficaram divididos com Mitch Harris tocando guitarra, baixo e fazendo vocal, enquanto Mick Harris usava o seu talento na bateria e também nos vocais. A produção do disco ficou de altíssima qualidade e outras três edições foram relançadas, em 1990 saiu uma versão em K7 com apenas 666 cópias, em 1992 o álbum foi relançado com uma capa diferente e uma faixa bônus, "Granted Wish" (que pra mim é a melhor do CD), o último relançamento foi em 2000 em formato ‘digipak’.

"Intention Surpassed":

Em 1991 Mick abandona o projeto, assim como o Napalm Death, Mitch nessa época já estava tocando também com o Napalm. O Defecation descansa por longos quatorze anos desde seu primeiro lançamento, até que em 13 de janeiro de 2003 Mitch Harris tocando todos os instrumentos sozinho e fazendo vocal "ressuscita-o" com a segunda obra. Dessa vez o trabalho não está tão gutural quanto o primeiro, explorando apenas as vocalizações ‘scream’. A produção também está um tanto diferente assim como a instrumental, mas é um belo registro.

Não se sabe sobre a continuidade deste projeto, Mitch Harris continua com uma carreira sólida ao lado do Napalm Death, Mick Harris em 1991 iniciou outro projeto, esse chamado Scorn que lançou trabalhos até 2011, mas que também atualmente está parado. Mais uma vez encontra-se uma lacuna no meio do Defecation...

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Metallica: a letra que fez Hammett e Hetfield chorarem

Slash: por que ele usa óculos escuros o tempo todo?


Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna.