John Entwistle - Perdi meu pai musical

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Raul Branco
Enviar correções  |  Comentários  | 


A gente ouve o nome e o trabalho de tantos músicos durante nossa vida que, muitas vezes, esquece de um ou outro. Quando vem à baila seu nome, só aí nos lembramos dele e do que ele fez. Há uma seleta lista, entretanto, que nunca nos esquecemos. São aqueles que nos marcam e que nos motivam. São nossos ídolos e nossas influências. São nossos, digamos assim, “Pais Musicais”.
168 acessosAlta Fidelidade: o novo ao vivo do The Who, Isle of Wight 20045000 acessosIron Maiden: ouça o baixo de Steve Harris isoladamente

Eu perdi meu Pai Musical ao saber hoje de manhã, ouvindo o noticiário, que o baixista do The Who morreu num quarto de hotel, aos 57 anos. O passamento de John Alec Entwistle me bateu tão forte quanto o de John Lennon – curioso ambos terem o mesmo nome... – e bem mais dolorido que o de qualquer outro grande nome do rock. Se a morte de Lennon me arrasou pela maneira que aconteceu, brutalmente assassinado a tiros por um fã, na entrada de seu prédio, num momento em que retomava sua carreira, a de John Entwistle me abateu pelo simples fato de ter sido ele, e não Pete Townshend ou Roger Daltrey. Tudo indica que infartado, às vésperas de uma nova turnê. Modo estranho de um músico morrer; é como se Garrincha morresse no vestiário, no aquecimento antes de um jogo, ou Laurence Olivier no último ensaio de “Rei Lear”. Às vezes nós pensamos que nossos ídolos vão viver para sempre, para que possamos tê-los sempre como âncora e referência. A realidade, porém, nunca dá margens à ilusão. Eles se vão, como todos nós, e só temos o direito a nos lastimar.

John figurava, ao lado de Jack Bruce e Chris Squire, na minha santíssima trindade do rock. Muito embora eu tivesse alguns tantos ídolos e influências, no rock ninguém me falava mais ao coração que esse trio. Sua figura impassível no canto do palco com um Fender Precision era tão forte no meu imaginário que, ao receber um baixo desse modelo, encomendado a um luthier, imediatamente batizei-o de Johnny, para homenagear o músico que me fez ver a importância que aquelas quatro cordas tinham na massa sonora de uma banda.

Está por aí, para quem quiser constatar, os registros de sua participação nos três maiores festivais de rock da virada dos 60 para os 70: Monterrey, Wight e Woodstock. O grupo no auge e, lá do lado esquerdo, sólido e quieto como um boi, o baixista que conseguia segurar a barra de acompanhar os egos de Pete, Keith e Roger.

John era The Face; era Doctor Jimmy e Mr. Jim. Ele era Boris The Spider e era The Ox. Um colecionador de baixos elétricos com profunda paixão por seu instrumento. Foi ele quem mostrou ao mundo que existia o violão baixo, no caso um modelo Ernie Ball gigantesco e meio desengonçado. Foi John Entwistle quem gravou o primeiro solo de baixo em um disco de rock, “My Generation”. Foi ele, também, que apresentou ao mundo um novo conceito em tocar baixo, com uma técnica e agilidade impensadas até então. O baixo elétrico só sofrera uma revolução assim com James Jameson (Motown) e só haveria outra igual com Jaco Pastorius.

Agora eu sou um órfão musical. Vou rever mais uma vez o The Who na Ilha de Wight e ouvir um de seus discos solo, “Too Late The Hero”. Não faz a dor passar, mas sempre vale a pena.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

168 acessosAlta Fidelidade: o novo ao vivo do The Who, Isle of Wight 2004800 acessosJohn Entwistle: O mágico das quatro cordas foi embora há 15 anos445 acessosPete Townshend: Billy Idol convidado para fazer parte de turnê519 acessosWho e Def Leppard em POA: venda para público geral inicia amanhã0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Who"

Passos do rockPassos do rock
Alguns dos mais famosos em gif animado

RhythmRhythm
Os bateristas mais influentes de todos os tempos

The WhoThe Who
Os álbuns da banda, do pior para o melhor

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Who"

Iron MaidenIron Maiden
Ouça o baixo de Steve Harris isoladamente

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Jon Bon Jovi muito antes da fama

RushRush
Um Adeus Aos Reis

5000 acessosMalmsteen: "A 1ª vez que fui ao Brasil não consegui acreditar"5000 acessosIron Maiden: Perguntas e respostas e curiosidades diversas5000 acessosJoão Gordo: quais são as bandas que ele ouve hoje em dia?5000 acessosKiko: entrar no Megadeth não mudará nada no Metal Nacional5000 acessosMarcelo Maiden: Uma impressionante coleção de ítens do Iron Maiden5000 acessosMetallica: Dave Mustaine resenha o "Hardwired... To Self-Destruct"

Sobre Raul Branco

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Raul Branco no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online