Jethro Tull: Set list irretocável em São Paulo

Resenha - Jethro Tull (Teatro Bradesco, São Paulo, 07/10/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Nelson de Souza Lima, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Sabe aquelas bandas que de tão legais você tem certeza que vai sair feliz depois do show? Grupos que não deixam dúvidas quanto à “satisfação garantida ou seu dinheiro de volta?”. Um deles é o Jethro Tull.

Metal Medieval: confira 10 bandas de temáticas medievaisMegadeth: Mustaine explica mesmo elogio a Kiko e Broderick

A trupe liderada pelo chefão Ian Anderson fez uma tremenda apresentação no Teatro Bradesco provando que mesmo com quase cinquenta anos de estrada ainda tem muito fôlego pela frente. Além de Anderson nas flautas, flautim, gaita, violões e voz o JT traz na atual formação, David Goodier, baixo, John O'Hara, teclados, Florian Opahle, guitarra e Scott Hammond, bateria. Tudo deu certo nesse show.

O clima ajudou, aliás fez um calor do cão, mas a noite ficou mais agradável. Ao chegar no Teatro fiz a brodagem habitual com os amigos de imprensa. Todos tentando baixar o set list na internet e os tradicionais questionamentos quanto a prováveis mudanças na ordem das músicas. Perto das 9 da noite as chamadas para o público tomar seus assentos se faziam ouvir. Quem conhece o Teatro Bradesco sabe que lá a plateia assiste os espetáculos sentada, uma vez que realizam também peças de teatro e outros eventos como shows MPB. O grande barato num evento envolvendo uma banda veterana como o Jethro é que reúne fãs de todas as gerações. Realmente muito bacana isso.

À medida que todos foram buscando seus lugares pipocavam selfies, fotos em grupo e muitos cliques no palco onde um telão enorme mostrava um lindo campo de centeio. Com uma pontualidade quase britânica, cinco minutos depois do horário marcado, a apresentação começou. Luzes apagaram e uma sequência insana de vídeos com âncoras de telejornais de vários países foram mostradas no telão. A banda entrou aos poucos ovacionada pela plateia para mostrar o espetáculo “The Rock Opera” que está percorrendo algumas capitais do Brasil. O que se viu foi aquela complexa sonoridade da banda, uma intrincada gama de estilos como blues rock, música clássica, folk, jazz, hard e art rock. “The Rock Opera” tem suas peculiaridades: estrutura quase operística e convidados virtuais com participações no telão.

Uma sequência de duetos virtuais entre Anderson e seus convidados, muito bons por sinal. As músicas são interpretadas por cantores distintos, mas com aparência comum. Um deles parece o Harry Potter universitário, cursando química, outro é um camponês, enquanto uma das cantoras é a própria moça do tempo do Jornal Nacional. Mas todos interpretam com muita competência. Abriram com “Heavy Horses” e “Wind-Up”. A clássica “Aqualung”, uma das mais conhecidas canções dos caras foi logo a terceira, para delírio dos fãs. Sem firulas e nenhuma conversa com o público a banda detonou uma música após a outra, alternando hits e novidades.

Entre as novas canções merece destaque “Stick, Twist, Bust’, com um belo riff de Florian Opahle, que também mandou solos ultra competentes. O grupo todo é de prima, mas o cara é Ian Anderson que como um maestro tem os caras na mão. Um dos melhores momentos é o duelo entre flauta e guitarra. Realmente empolgante.

Após “Song From The Woods” uma paradinha de 15 minutos para que plateia e banda recuperassem o fôlego. Na volta o quinteto mandou a nova “And The World Feeds Me” e mais uma sequência de ótimas canções. A inebriante “Locomotive Breath” encerrou o show. A banda deixou o palco e voltou pouco depois para o bis em grande estilo. Mandaram “Requiem and Fugue”, combinação perfeita do rock com a música erudita de Bach. Um final apoteótico para um set list irretocável.

A banda se despediu e mesmo sem trocar uma palavra sequer com o público Ian Anderson e o Jethro Tull fizeram um show que deixou todos satisfeitos. Valeu mesmo.

SET LIST
Set 1
Heavy Horses
Wind-Up
Aqualung
With You There To Help Me
Back To The Family
Farm On The Freeway
Prosperous Pasture
Fruits on Frankenfild
Songs From The Wood

Set 2
And The World Feeds Me
Living In The Past
Jack-In-The-Green
The Witche’s Promise
Weather Rock
Stick, Twist, Bust
Cheap Day Return
A New Day Yesterday
The Turnstile Gate
Locomotive Breath
Requiem and Fugue

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Metal Medieval
Confira 10 bandas de temáticas medievais

Loudwire: os 10 melhores álbuns de hard rock de 1987Todas as matérias e notícias sobre "Jethro Tull"

Iron Maiden
Steve Harris fala da influência do Jethro Tull

Pra entender
O que é rock progressivo?

Jethro Tull
"Não somos uma banda de Rock"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 10 de outubro de 2015

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Jethro Tull"

Megadeth
Mustaine explica mesmo elogio a Kiko e Broderick

Sepultura
Max relembra o seu momento mais surreal ao vivo

Nargaroth
"Brasileiros, deixem meus músicos em paz!"

Arte: Quando rockstars encontram as telas e pincéisMegadeth: o que Peace Sells significou para a banda?Andreas Kisser: Escolheu sair? Vai fazer seu trabalho. Deixa a gente em pazAC/DC: gravadora quase dispensou a banda em 1977Black Sabbath: reuniões, qual se saiu melhor?

Sobre Nelson de Souza Lima

Jornalista, repórter, resenhista, colunista musical. Assim é Nelson de Souza Lima. Mas acima de tudo um amante do rock, classic, hard e metal. Entre minhas entrevistas estão as feitas com Angra, André Mattos, Royal Hunt, Blind Guardian, entre muitas outras. Além disso sou baixista da banda de Classic Rock e metal The Green Pigs.

Mais matérias de Nelson de Souza Lima no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online