"Imperium": Dorsal Atlântica na aula de História do Brasil

Resenha - Imperium - Dorsal Atlântica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Claudinei José de Oliveira
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Lançado em 2015, o álbum "Imperium", da banda carioca Dorsal Atlântica aborda, de maneira conceitual, o período de transição do Brasil Império para o Brasil República.
Dorsal Atlântica: Carlos fala sobre novo disco e tocar ao vivoDuff McKagan: 3 litros de vodka, 3 gramas e meio de cocaína

Muito embora tenha garantido seu honroso lugar na história da música pesada feita no brasil, depois de ter encerrado as atividades, a banda Dorsal Atlântica, capitaneada pelo eterno Carlos Lopes e bancada pelos fãs lançou, em 2012 o álbum "2012". Percebendo que seu ¨thrash metal¨ direto, reto e certeiro ainda pode ser muito relevante, eis que, três anos depois, voltam com um novo álbum: ¨Imperium¨.

A exemplo do anterior, onde vários "capítulos da História do Brasil" foram temas das letras, o novo álbum aborda, de maneira conceitual, a transição do Brasil Império para o Brasil República, tendo, como fio condutor, uma história fictícia de um triângulo amoroso, envolvendo o imperador ( Victor II), um republicano ( Thomas Echt) e sua esposa ( Rose). Tal história é descoberta por um descendente do filho bastardo do imperador, criado longe do Brasil, ao assumir a mansão que herdara e que, no passado, pertencera ao marido traído de sua tataravó.

As letras, com ênfase narrativa, por vezes até pedagógicas, podem causar estranhamento no ouvinte acostumado a abordagens líricas mais usuais. Mas pecam, no entanto, ao enfatizar o romance fictício em detrimento das tramas históricas da época (mais sórdidas que qualquer ficção), mencionadas com certa rasura.

A performance instrumental da banda está, por outro lado, muito mais "azeitada" e há um maior cuidado com as nuances sonoras e detalhes enriquecedores nos arranjos. Outro ponto positivo é a ausência daqueles agudos a la Tom Araya dos primórdios, que são de doer, nos vocais, estando estes, em alguns momentos, bem "punkada".

A gravadora Heavy Records, por sua parte, caprichou na arte gráfica e a concepção da capa do CD remete ao formato das capas dos antigos Compactos Simples de vinil (chamados, por especialistas, de single de 7 polegadas). O encarte com as letras imita o design de um jornal do Brasil Imperial. Para os apreciadores, um luxo!

Dorsal Atlântica

Tracklist do CD:
1."Ave Imperium"
2."Imperium"
3."Amaldiçoados"
4."Mestres Ficam Cegos, Surdos São Os Servos"
5."Crise Anunciada Antes Da verdade Revelada"
6."Grotesca Essa Terra É"
7."Centro, Direita, Esquerda"
8."Deus Que Dança"
9."Perfídia"
10."Exilium"
12."Vos perdoo, Me Perdoem".

Gravadora: Heavy Records.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Dorsal Atlântica: Carlos fala sobre novo disco e tocar ao vivoTodas as matérias e notícias sobre "Dorsal Atlântica"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dorsal Atlântica"

Duff McKagan
3 litros de vodka, 3 gramas e meio de cocaína, e mais...

Heavy Metal
10 músicas inspiradas em heróis de quadrinhos

"One"
Descartes tinha cabelo comprido e só se vestia de preto

Sepultura: vídeo de Andreas e seu filho tocando "Seek & Destroy"Epica: entrevista de Simone Simons para a PlayboySlipknot: Joey Jordison teve que ser carregado em último showVídeo: 10 gêneros do metal em três minutosQueensryche: por que Tate cuspiu nos companheiros de banda?Slayer: A História por trás da capa de Reign In Blood

Sobre Claudinei José de Oliveira

Claudinei José de Oliveira é graduado em História e aproveita o tempo vago para ouvir, ler e escrever rock´n´roll e conversar com seus cachorros. Criou e mantém o blog rollandorocha.blogspot.

Mais matérias de Claudinei José de Oliveira no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online