Accept: Fechando a trinca com chave-de-ouro

Resenha - Blind Rage - Accept

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
“Blind Rage” fecha a trinca de ferro iniciada por “Blood Of The Nations” (2010) e, posteriormente, “Stalingrad: Brothers in Death” (2012). Álbuns que marcaram o retorno triunfal do Accept, tendo como frontman o carismático Mark Tornillo, uma escolha mais do que acertada.
UDO: Lá e de volta uma última vezDeath: "Chuck Schuldiner não era um cara simpático!"

Impressiona a qualidade destes três trabalhos e como a banda conseguiu manter suas características moldadas no início dos anos 80 quando lançou os clássicos “Restless and Wild” (1982), “Balls To The Wall” (1983) e “Metal Heart” (1985). Aliás, única trinca que talvez supere esta atual.

“Blind Rage” tem como diferencial de seus antecessores a pegada mais agressiva e uma maior variação de ritmos. A essência se mantém, mostrando uma banda tinindo e composições de alto calibre, todas com a marca registrada do Accept: riffs a esmo e refrãos em coro.

Como já ficou comprovado nos dois álbuns anteriores, Mark Tornillo é um ótimo vocalista e, apesar da semelhança com o timbre do saudoso Udo Dirkschneider, o norte-americano parece mais ser versátil. Aliás, Tornillo é mais um caso de vocalista que se encaixou perfeitamente e faz com que quase toda saudade do baixinho Udo se vá.

Stampede, Dying Breed, Fall of The Empire (um dos riffs mais pesados da banda), 200 Years e seus riffs cavalgados típicos do Accept, além de Final Journey, podem ser os destaques de “Blind Rage” nessa tortuosa missão de destacar algo em um álbum como este.

A versão nacional traz ainda um DVD bônus gravado em Santiago, no Chile, durante a turnê de “Stalingrad”. A apresentação é memorável, direta, sem muito papo com a galera. O repertório mescla clássicos como Breaker, Monsterman, Fast As Shark, Metal Heart, Balls to The Walls com sons mais novos como Hellfire e a já clássica Stalingrad. Com uma captação profissional o DVD acaba se tornando um bônus de luxo.

Se o Accept resolvesse encerrar a carreira após “Blind Rage” teria sido no auge de sua capacidade de compor e muito mais digno do que quando a banda encerrou as atividades da última vez com o mediano “Predator” (1996). O melhor disso tudo é que a banda não parece estar interessada nisso e vai muito bem, obrigado.

http://www.acceptworldwide.com/
https://www.facebook.com/accepttheband

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube
Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Blind Rage - Accept

Accept: Confirmando estar na melhor fase de sua carreiraAccept: Álbum já figura seguramente entre os melhores do anoAccept: Um trabalho forte que possui a marca registrada da bandaAccept: Perfeição e competência sempre!

Top 20
Discos recentes de bandas clássicas tão bons quanto os antigos

UDO: Lá e de volta uma última vezAccept: o melhor material ao vivo de sua carreiraTodas as matérias e notícias sobre "Accept"

Rock e Metal
Algumas das melhores duplas de guitarristas

Top 10
Os mais influentes álbuns de Metal Tradicional

Accept
Wolf Hoffmann não cansou de maior clássico

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 21 de janeiro de 2015

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Accept"

Death
"Chuck Schuldiner não era um cara simpático!"

Sexo
Como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?

Morre Diabo
Ele aprendeu a tocar guitarra e virou um shredder

Mötley Crüe: Vince Neil e Nicolas Cage saem na porrada em hotelBruce Dickinson: "Não entrei na música para pegar mulher"Steve Vai: veja o "cantinho da criação" do guitarristaIron Maiden: Final de Copa do Mundo retratada em capa de álbum?Mustaine: Vivemos em uma geração que está pegando as musicas de graça na InternetYngwie Malmsteen: guitarra se arrebenta no chão e faz um ruído doloroso

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online